Mas afinal, o que é o liberalismo?

  Por liberalismo pode-se entender três coisas: 1. O liberalismo é uma visão de mundo, aquilo a que os alemães chamam de weltanschaung, de acordo com a qual a vida humana apenas faz sentido em liberdade; 2. É uma doutrina, isto é, um conjunto sistematizado de ideias, valores, princípios e conhecimentos sobre a importância radical da […]

Leia mais

Por que precisamos de um Estado mínimo?

Uma das mais preciosas lições da história nos ensina que a prosperidade dos povos depende sobretudo da existência de instituições capazes de tornar eficazes os direitos humanos e de criar uma atmosfera social de confiança recíproca entre as pessoas, de modo a minimizar a imprevisibilidade bem-sucedida; vale a palavra dada, o contrato livremente pactuado entre […]

Leia mais

O que você prefere: o Mercado ou a política?

A resposta de um liberal à pergunta que serve de título a esta nota é: “ambos, mas nas suas devidas proporções”. O problema é chegar-se a um acordo sobre as proporções. Para o liberal, as proporções ideais são o máximo de mercado e o mínimo de política. Os não liberais estão de maneira geral inclinados […]

Leia mais

Por que as leis trabalhistas prejudicam o trabalhador?

Nossas leis trabalhistas estão reunidas na chamada CLT. Foram inspiradas na Carta del Lavoro do fascismo italiano e surgiram em nosso país na ditadura de Vargas, da mesma maneira que surgiram na Argentina na ditadura peronista. A nossa Constituição de 1988 sancionou as leis laborais de Vargas; nos dois casos impera a visão paternalista do legislador, […]

Leia mais

E se os políticos deixassem de existir no Brasil?

Sendo o Brasil constituído majoritariamente de jovens, apenas a sua minoria de pessoas idosas se lembrará da campanha havida nos anos 30 e 40 contra as saúvas, que eram tidas então como uma das mais perigosas ameaças à agricultura. O slogan da campanha dramatizava suficientemente a importância que se dava ao problema: “ou o Brasil […]

Leia mais

O liberalismo é uma utopia?

Sim, o liberalismo é uma utopia no mesmo sentido em que o norte da bússola é uma utopia ou o cristianismo é uma utopia. O caminhante que, confiante em sua bússola bem calibrada, desejar viajar em direção norte, pode estar tranquilo: esse será o seu rumo. Isso não significa, entretanto, que esse caminhante chegará algum […]

Leia mais

Por que precisamos urgentemente impor limites ao governo?

O economista inglês Arthur Seldon, do Institute of Economic Affairs (IEA) de Londres, conceitua o capitalismo como o sistema de organização econômica que faz tão pouco uso do processo político quanto necessário e tanto uso do mercado quanto possível. À luz dessa ideia, impera no Brasil o anticapitalismo, pois praticamos exatamente o inverso: somos pródigos […]

Leia mais

A desastrosa politização da sociedade brasileira

( publicado originalmente em março de 1997) Sempre que decisões que poderiam ser tomadas pelo mercado, de maneira autônoma e responsável por agentes individuais, são transferidas para o setor público, ocorre desnecessária politização de parte da vida nacional. Não apenas desnecessária, mas custosa, pois o setor público é sabidamente menos competente do que o setor […]

Leia mais

A virgindade liberal brasileira

Há quem pense que o liberalismo e a economia de mercado já teriam sido experimentados no Brasil, e não teriam dado certo. Há quem pense que o atual governo é neoliberal e está resolutamente decidido a institucionalizar uma ordem liberal em nosso país. Finalmente, há as pessoas que identificam o liberalismo com utopia, algo fora […]

Leia mais

Poluição ambiental e poluição moral

Desde a publicação dos resultados dos trabalhos do Clube de Roma num livro que se tornou mundialmente famoso (Os Limites do Crescimento) não parou de crescer o chamado “movimento verde”, cujo objetivo é a preservação ambiental, bem como dos recursos não renováveis e das espécies animais, especialmente as ameaçadas de extinção. A expansão do ativismo […]

Leia mais

Decisões individuais x decisões coletivas (Final)

Para ler todas as partes anteriores, clique nos respectivos links: parte 1, parte 2, parte 3, parte 4 Não estou tratando de algo novo aqui. Esse problema consumiu grande parte, senão a maior parte do tempo dos debates entre os founding fathers americanos; foi a grande debilidade identificada por Tocqueville na nova ordem surgida nos […]

Leia mais

Decisões individuais x Decisões coletivas (IV)

Para ler as partes anteriores, clique nos respectivos links: parte 1, parte 2, parte 3. 2. A ordem liberal e o processo político da democracia Democracia é uma coisa. Ordem liberal, outra. O filósofo espanhol Ortega y Gasset, em seu elegante e expressivo estilo, nos ensinava que os liberais estão preocupados especialmente em conter a jurisdição […]

Leia mais

Decisões individuais x Decisões coletivas (III)

Para ver as partes anteriores do artigo, clique nos seguintes links: parte 1 e parte 2 A evidência empírica que a história nos oferece diz não apenas o que podemos fazer para trilhar o caminho da prosperidade. Ela nos dá também excelentes conselhos sobre o que não se deve fazer, chamando a nossa atenção para […]

Leia mais

Decisões individuais x Decisões coletivas (II)

Para ler a primeira parte, clique aqui Uma terceira categoria de problemas econômicos dependentes do processo político de decisões coletivas é a dos monopólios naturais ou técnicos, até recentemente muito bem exemplificados pelas ferrovias e as telecomunicações. Felizmente, os avanços tecnológicos e a firmeza das autoridades na manutenção da liberdade de entrada de concorrentes no […]

Leia mais

Decisões individuais x decisões coletivas (I)

1. O governo e o mercado Uma das maneiras mais simples de se entender as diferenças entre as funções do governo e as do mercado ou entre o processo político da democracia e uma ordem liberal decorre da resposta à seguinte pergunta: por que alguns problemas não podem ser adequadamente solucionados pelos indivíduos, isoladamente, e […]

Leia mais

Entre Cila e Caríbdis

Qualquer processo político é precário, o democrático inclusive. Essa precariedade é devida a várias causas, mas não é propósito desta nota comentá-las, e sim referir-se apenas a duas das debilidades próprias da democracia, ambas pressentidas por Alex de Tocqueville e por ele mencionadas em seu livro A Democracia na América; ambas foram posteriormente tratadas com […]

Leia mais

Liberdade econômica e prosperidade

As lições sucessivas que a história moderna se encarrega de nos oferecer constituem merecido tributo à visão de Adam Smith que, há 216 anos, nos indicou o caminho da prosperidade: a liberdade econômica. A comparação dos resultados obtidos pelas duas Alemanhas, pelas duas Coreias e pelas várias Chinas, isto é, a China Continental, de um […]

Leia mais

A privatização da agricultura chinesa

A experiência chinesa sempre desperta interesse especial, pelo tamanho do país, suas tradições, seu particularíssimo estilo de fazer as coisas… Enquanto a China continental continua tentando conciliar alguma liberdade econômica com tirania política, as três pequenas Chinas, que são Formosa, Hong Kong e Cingapura, se encarregam de mostrar de maneira convincente a capacidade que têm […]

Leia mais

As causas do debilitamento do liberalismo no século XX (II)

  (Para ler a primeira parte deste artigo, consulte o link: https://www.institutoliberal.org.br/blog/as-causas-do-debilitamento-do-liberalismo-no-seculo-xx-i/) O holismo-animista trata os membros individuais de uma comunidade como se fossem um agregado, um todo. Pior ainda, um todo com atributos humanos: memória, honra, propósitos, etc. No holismo-animista os indivíduos são substituídos por uma entidade abstrata – o país – que adquire concretude […]

Leia mais

Paternalismo trabalhista

Nossas leis trabalhistas estão reunidas na chamada CLT. Foram inspiradas na Carta del Lavoro do fascismo italiano e surgiram em nosso país na ditadura de Vargas, da mesma maneira que surgiram na Argentina na ditadura peronista. A nossa Constituição de 1988 sancionou as leis laborais de Vargas; nos dois casos impera a visão paternalista do legislador, […]

Leia mais

Faz sentido falar de neoliberalismo? – Parte 2

Esse artigo é uma continuação de Faz sentido falar de neoliberalismo? Parte 1. James Buchanan e seus colegas de atividades que conceberam a Escola das Escolhas Públicas (Public Choice) ajudaram-nos a religar economia e política, esclarecendo-nos a respeito de várias relações entre ambas. Esclarecendo-nos sobretudo sobre o vínculo da democracia com a economia de mercado, e […]

Leia mais

Faz sentido falar de neoliberalismo? – Parte 1

Conforme tratarei de argumentar a seguir, a meu ver faz sentido falar-se em neoliberalismo. Mas não é no sentido em que o uso do vocábulo se tornou popular. Sua popularização é fruto da campanha difamatória movida internacionalmente pelos inimigos da liberdade contra a evidência histórica cada vez mais clara de que é a economia de […]

Leia mais

A ilusão da Reforma Agrária, um conceito vazio e irresponsavelmente utilizado

“Reforma Agrária” é hoje um conceito vazio, degradado pelo uso irresponsável que dele fez a demagogia da esquerda durante tanto tempo em praticamente todos os países do Terceiro Mundo. Entre nós, após um período de enganosa aposentadoria, ressurgiu com renovado furor histérico nas atividades criminosas do MST, com o apoio ostensivo da extensa esquerda da […]

Leia mais

Por que a regulamentação econômica pode ser muito ruim para a sociedade?

Regulação ou regulamentação significa imposição de regras, normas ou leis. Ela se dá, então, por via legislativa ou administrativa. Desregulmanetação corresponde à redução ou eliminação das normas existentes. No caso brasileiro, propor uma redução das regras vigentes equivale a reconhecer que elas superabundam entre nós, aumentando desnecessariamente os custos de transação, engessando os mercados, deformando a […]

Leia mais

Corrupção: um dado do problema

O noticiário sobre corrupção passou a fazer parte do nosso dia a dia. Já nem deveria causar surpresa ou disputar os custosos espaços dos jornais ou das televisões. Mas ainda desperta interesse, talvez mais pelos nomes das pessoas envolvidas do que necessariamente pela própria corrupção. O surpreendente não deveria ser a corrupção, e sim a […]

Leia mais

Introdução ao Liberalismo: Diferenças entre o processo democrático e a ordem liberal

A democracia e o liberalismo têm objetivos diferentes: a primeira está preocupada com o problema de quem deve ocupar os poderes coercitivos do Estado, que devem ser do povo e exercidos indiretamente por seus representantes; os liberais estão mais preocupados em reduzir os poderes do Estado. Daí a importância capital que os democratas dão à […]

Leia mais