A desastrosa politização da sociedade brasileira

( publicado originalmente em março de 1997)

old-books-1561523Sempre que decisões que poderiam ser tomadas pelo mercado, de maneira autônoma e responsável por agentes individuais, são transferidas para o setor público, ocorre desnecessária politização de parte da vida nacional. Não apenas desnecessária, mas custosa, pois o setor público é sabidamente menos competente do que o setor privado. E não somente desnecessária e custosa, mas também geradora de corrupção e outras manifestações de desvio comportamental, porque governo é concentração de poder e esta, por sua vez, está estatisticamente correlacionada com ineficiência econômica e degradação moral. Quanto maior é o setor público, pior; quanto mais ele regula a vida econômica, pior ainda.

O século XX foi palco generoso para as mais variadas formas de estatização e dirigismo, e dessa lamentável experiência predatória resultou a lição de que o governo – e, com ele, o processo político – são males necessários e que devem, portanto, ser usados em justa medida.

Em nosso país, temos pago elevado preço pela politização da vida nacional. Exemplos desse custo social são observados diariamente, e vão desde os grandes escândalos aos pequenos, mas inúmeros pecados diariamente ocorridos no mercado, todos eles, grandes e pequenos, criados pela mão desastrada do setor público.

Leia também:  Crítica nem sempre é oposição, às vezes é amizade

Um exemplo desses pecados, digamos assim, menores foi registrado pelo O Globo de 12.3.97. Trata-se do resultado dos estudos do pesquisador Ricardo Oliveira, incluídos em sua tese doutoral sobre o Instituto Nacional do Livro (INL). O Dr. Oliveira denuncia a politização da parte do mercado de livros que mantém relações com aquela organização oficial. A principal conclusão do autor daquela tese acadêmica é esta: o INL usou e abusou de critérios políticos para avaliar obras literárias que buscavam patrocínio (isto é, privilégio) governamental. O estudo de Ricardo Oliveira, conforme se pode deduzir da reportagem de O Globo, põe a nu o processo político de decisões coletivas que nos obriga, a nós da sociedade civil, a agir de acordo com os gostos e preferências das autoridades ou, então, a “comprar” uma autorização para seguir os nossos próprios propósitos pessoais ou obter algum tipo de vantagem.

Leia também:  O antiliberalismo econômico católico não faz o menor sentido

Os danos causados pelo INL são apenas parte – provavelmente pequena – da degradação do mercado livreiro brasileiro que resulta da funesta e absolutamente desnecessária intervenção governamental naquele setor. Talvez os males causados no caso específico dos livros didáticos sejam ainda muito maiores.

Não satisfeito com a sua ação predatória nos campos da educação e da edição de livros, o setor público brasileiro intervém também no setor gráfico, competindo de maneira injusta com o setor privado. Em lugar de terceirizar, frequentemente o setor público prefere transformar-se em dono de gráficas: o Senado tem a sua, as universidades públicas (ou grande parte delas) também, o IBGE tem uma das maiores usinas impressoras do país, e assim por diante.

Leia também:  Quando se aplaudem atos autoritários, a próxima vítima pode ser você

Neste momento histórico para os brasileiros, de revisão das funções e do tamanho do Estado, quando se amplia saudavelmente o clima favorável à privatização, seria ótimo se começássemos a pensar seriamente na conveniência de limitar as interferências do setor público nos campos da educação, da edição de livros e revistas, e da atividade gráfica.

Artigo retirado do livro Editoriais Og Leme, editado pelo Instituto Liberal em 2012 e à venda em nossa livraria por R$ 10,00 (frete não incluso). Adquira essa e outras obras e colabore com o trabalho do IL.
– Envie um e-mail para cibelebastos@institutoliberal.org.br
– Ou acesse nossa loja virtual aqui.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Og Leme

Og Leme

Og Leme foi um dos fundadores do Instituto Liberal, permanecendo por décadas como lastro intelectual da instituição. Com formação acadêmica em Ciências Sociais, Direito e Economia, chegou a fazer doutorado pela Universidade de Chicago, quando foi aluno de notáveis como Milton Friedman e Frank Knight. Em sua carreira, foi professor da FGV, trabalhou como economista da ONU e participou da Assessoria Econômica do Ministro Roberto Campos. O didatismo e a simplicidade de Og na exposição de ideias atraíam e fascinavam estudantes, intelectuais, empresários, militares, juristas, professores e jornalistas. Faleceu em 2004, aos 81 anos, deixando um imenso legado ao movimento liberal brasileiro.