Decisões individuais x Decisões coletivas (IV)

Para ler as partes anteriores, clique nos respectivos links: parte 1, parte 2, parte 3.

democraciacorintiana

2. A ordem liberal e o processo político da democracia

Democracia é uma coisa. Ordem liberal, outra. O filósofo espanhol Ortega y Gasset, em seu elegante e expressivo estilo, nos ensinava que os liberais estão preocupados especialmente em conter a jurisdição do Estado dentro de rigorosas e estreitas fronteiras. E isso ocorre porque os liberais têm por missão a defesa da liberdade individual, vítima frágil da concentração dos poderes estatais. Conter o Estado é irrigar a liberdade pessoal. Diferentemente dos liberais, mas não necessariamente em oposição direta a eles, os democratas têm o exercício dos poderes públicos como seu principal objeto: quem deve ocupá-los? E respondem: o poder público é do povo e por ele deve ser exercido.

O liberalismo se preocupa especialmente com a maximização e a preservação do processo não político de decisões individuais, decisões essas tomadas no dia a dia do cidadão, no seio da família, na profissão, no clube, na rua, no mercado. O processo decisório individual, contrapartida da autonomia pessoal, começa no café da manhã e termina no leitinho morno da noite, numa cadeia incessante de opções, escolhas e renúncias pelas quais o responsável é o agente individual. O liberalismo se interessa particularmente pela existência de instituições que tornem esse processo eficaz, preservando a liberdade individual e legitimando os direitos de propriedade. Os liberais não querem ser conduzidos pelos ocupantes dos poderes públicos; esperam que estes se limitem a criar o espaço no qual a iniciativa particular possa ser livremente exercida.

Os democratas não estão especificamente preocupados com o processo de decisões individuais. Coerentes com o seu compromisso para com a representação popular no governo, eles estão em sintonia com o processo político de decisões coletivas.  Nessas decisões coletivas, políticas, os cidadãos decidem como se fossem uma unidade; supostamente, o que decidirem valerá para todos. O exemplo mais expressivo desse tipo de decisão é o funcionamento de uma assembleia constituinte. Diferentemente das decisões individuais, essas decisões políticas são difusas quanto à responsabilidade da decisão tomada. Não seria exagerado dizer que as decisões políticas carecem do sentido contundente da responsabilidade explícita das decisões individuais.

Leia também:  Se queremos acabar com a corrupção, antes precisamos acabar com governos fascistas como foi o petista

Na realidade, o processo político de decisões coletivas é não apenas “irresponsável”, como é ineficaz e com irresistível vocação para a corrupção. De todos os processos sociais, o processo político é de longe o mais precário, e esta é a avaliação que dele se faz universalmente. E por esse mesmo motivo é surpreendente que nas eleições frequentemente os eleitores deleguem à política decisões que podem ser tomadas de maneira mais eficiente pelos particulares no seio do mercado. Todas as vezes em que isso se dá, politiza-se desnecessariamente o problema. Isto é, torna-se mais precária a sua solução. Resumindo: o liberalismo se refere principalmente ao mercado, enquanto a democracia diz respeito à política.

Isso tudo sugere que o liberalismo e a democracia podem estar em conflito, numa relação antitética. E de fato sempre estão assim. Sugiro aos leitores a leitura do livro de Norberto Bobbio, Liberalismo e Democracia, Editora Nova Fronteira, bem como os trabalhos de James Buchanan e seus colegas da assim chamada “Escola da Escolha Pública”.

Muito antes de Bobbio e Buchanan, Simón Bolivar, Alex de Tocqueville e os Founding Fathers tiveram aguda percepção de que a prática da democracia – dada a precariedade do processo político – poderia comprometer a ordem liberal. Há mais de dois séculos se procura algum meio de impedir que tal ameaça se concretize. Essa é a razão de ser do constitucionalismo e da sugestão de Hayek da criação da Demarquia. (Ver, do autor, Os Fundamentos da Liberdade, Ed. Visão).

Leia também:  Nem nudes e nem conspiração: o que sabemos até agora sobre o “zap zap” de Moro e Dallagnol

Uma das coisas que podem ser feitas é a conscientização das pessoas a respeito de que o exercício da democracia pode ameaçar a liberdade individual. Lamentavelmente, há sinais de um crescimento indesejável de pseudoideais democráticos (democratismo) que, em seu afã de privilegiar a democracia (isto é, o processo político), podem acabar enterrando o ideal liberal da liberdade. Isso ocorre, por exemplo, quando se pretende ingênua e erradamente “democratizar” a organização de instituições baseadas em decisões individuais como são, por exemplo, as empresas e as famílias. A prática do “assembleísmo” nessas instituições do tipo taxis, que dependem essencialmente da responsabilidade individual de proprietários, empresários e chefes de família, ignora que o sistema decisório por meio de votos foi concebido para outro tipo de instituição, as sociedades abertas liberal-democráticas conhecidas como kosmos (ver Hayek, Os Fundamentos da Liberdade e Direito, Legislação e Liberdade, Universidade de Brasília). Pode-se conceber uma empresa ou uma família com “estilo democrático” de organização e funcionamento, mas transformá-las realmente em “democracias” é condená-las à inoperância, à disfunção e à perda de eficácia. O leitor amante de futebol certamente se lembrará da tentativa patética de se organizar um clube paulista de futebol profissional nos moldes de uma democracia, a “democracia corintiana”. Não se pode duvidar das boas intenções dos líderes daquele movimento,  como não se pode igualmente atribuir-lhes o mínimo de conhecimento em matéria de organização social. Felizmente para o clube, a ideia não se concretizou.

Por algum bom motivo, o processo político de decisões públicas ou coletivas da democracia passou a ser associado à prosperidade. O resultado desse culto indevido da democracia tem sido a glorificação da política em detrimento do mercado, a expansão dos poderes públicos à custa da liberdade pessoal, o debilitamento das forças geradoras da riqueza e do bem-estar social. As pessoas geralmente têm dificuldades para entender que é a redução dos poderes coercitivos do Estado que fortalece a autonomia pessoal e a prosperidade, e não necessariamente a democracia. Elas têm dificuldade para entender que é a liberdade econômica típica dos mercados abertos e suas instituições que propicia o desenvolvimento, não a democracia. Enquanto essas diferenças fundamentais entre processo político e ordem liberal não forem entendidas pela maioria das pessoas, continuaremos com a liberdade e a prosperidade ameaçadas. A seara da democracia é a política com suas decisões grupais; a da ordem liberal são decisões pessoais livres e responsáveis. A primeira é uma atividade pública, a segunda é individual.

Leia também:  A previdência não é um problema econômico, é um problema ético

Sei que estou correndo o risco de ser taxado de “inimigo da democracia”. Não o sou; sou amigo do liberalismo. Não conheço processo político melhor do que o democrático, como não conheço sequer um processo político que pelas suas limitações constitutivas não ameace a integridade dos direitos individuais.

(conclui na próxima parte)

Artigo retirado do livro de crônicas Og Leme, um liberal, editado pelo Instituto Liberal em 2011 e à venda em nossa livraria por R$ 10,00 (frete não incluso). Adquira essa e outras obras e colabore com o trabalho do IL.
– Envie um e-mail para cibelebastos@institutoliberal.org.br
– Ou acesse nossa loja virtual
aqui.

 

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Og Leme

Og Leme

Og Leme foi um dos fundadores do Instituto Liberal, permanecendo por décadas como lastro intelectual da instituição. Com formação acadêmica em Ciências Sociais, Direito e Economia, chegou a fazer doutorado pela Universidade de Chicago, quando foi aluno de notáveis como Milton Friedman e Frank Knight. Em sua carreira, foi professor da FGV, trabalhou como economista da ONU e participou da Assessoria Econômica do Ministro Roberto Campos. O didatismo e a simplicidade de Og na exposição de ideias atraíam e fascinavam estudantes, intelectuais, empresários, militares, juristas, professores e jornalistas. Faleceu em 2004, aos 81 anos, deixando um imenso legado ao movimento liberal brasileiro.