Impeachment: Um golpe contra o crime

lula bandido

Al Capone ainda é considerado o maior criminoso da história americana. Atribuem a ele o mando de dezenas de assassinatos e a prática sistemática de suborno e chantagem para manter seus esquemas de contrabando e de venda ilegal de bebidas. Enquanto a polícia tentava prendê-lo, o gangster cultivava grandes amizades no meio artístico, de cantores a personalidades do cinema como Charles Chaplin. Al Capone era um bandido amado por grande parte da cultura, da imprensa, da política, da igreja e da justiça. Em 1929, foi eleito uma das personalidades mais importantes do mundo, junto com Einstein e Gandhi.

Al Capone manteve-se livre da polícia por mais de uma década porque não sujava as mãos, mandava seus capangas resolverem as coisas da melhor forma que encontrassem. Assim, corpos apareciam boiando no rio, ou cravejados de balas ou simplesmente desapareciam. Também não era ele que coagia os comerciantes e subornava as autoridades. Eram seus capangas. Diante da justiça, Al Capone dizia que não sabia de nada.

Temos nosso Al Capone. Dois, na verdade.

Lula também conseguiu corromper grande parte da imprensa, da política, da igreja, da justiça e da cultura. Foi eleito uma das pessoas mais importantes do mundo. Chico Buarque o ama.

Sem sujar as mãos, Lula criou e expandiu a maior rede de corrupção da história do Brasil. Assim como Al Capone, apenas mandava seus capangas fazerem o que fosse preciso para manter sua quadrilha funcionando. Primeiro, canalizaram todos os focos isolados de corrupção, fazendo-os pagar ao Partido dos Trabalhadores um tipo de alvará, uma licença para roubar. Mas era pouco. Havia muitos militantes, muitos companheiros, muitos artistas, muitos grupos terroristas travestidos de movimentos sociais para sustentar. Então, foram criados novos esquemas de corrupção, maiores e mais complexos, sempre sob orientação de Lula, que não tocava no dinheiro, apenas dizia de onde deveriam tirar e para onde deveriam levar.

Leia também:  Parceiro do Instituto Liberal publica livros infantis sobre autores liberais

Por força da ordem democrática, o Al Capone tupiniquim foi obrigado a colocar em seu lugar uma testa de ferro. Dilma. Os crimes continuaram. Lula e Dilma continuaram a mandar seus capangas realizarem o serviço sujo de corromper uns e difamar outros. Dilma foi eleita uma das mulheres mais importantes do mundo. Chico Buarque beijou sua mão.

A justiça conseguiu prender alguns membros da quadrilha e até fazê-los delatar seus chefes, mas faltava um vídeo em alta definição de som e imagem mostrando Lula negociando as propinas e Dilma apertando o botão da implosão da Petrobrás.

Nada parecia ameaçar Al Capone até a justiça se dar conta de que poderia desmantelar sua rede criminosa enquadrando-o por um crime menor: Sonegação de impostos.

Leia também:  Valente defensor da liberdade: entre Churchill e Bolsonaro

Nada parecia ameaçar Lula e Dilma até seus opositores se darem conta de que poderiam desmantelar a rede criminosa petista enquadrando a presidente por um crime menor: Fraude fiscal. Al Capone foi preso. Dilma foi afastada. Lula e muitos outros serão presos. Talvez até a própria Dilma.

A prisão de Al Capone não acabou com o crime organizado nos Estados Unidos. Outras quadrilhas surgiram, mas nenhuma com seu tamanho e poder.

O impeachment de Dilma não acabará com a corrupção, mas certamente inibirá o surgimento de outras quadrilhas com o mesmo nível de poder que o PT chegou a ter.

O impeachment foi um golpe contra o crime organizado, contra a corrupção institucional, contra o aparelhamento do estado. Sem a proteção do governo, os bons companheiros poderão ser enquadrados pela justiça com muito mais facilidade.

Apenas no primeiro escalão, quatro ministros petistas devem ser enquadrados pela Polícia Federal. Os dois principais defensores de Dilma no senado, Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias, já investigados por corrupção, ainda devem se manter em liberdade por um tempo, protegidos pelo foro privilegiado, mas logo se verão órfãos. Sem a coordenação de Lula e sem o dinheiro e a estrutura do governo, a guerrilha petista perderá força. O PT vai morrer. Deve morrer. Sobrarão apenas as viúvas, parte da burguesia que não sente um mínimo de constrangimento pelos absurdos cometidos pelo partido. A elas restará o refúgio noutros partidos comunistas, a retórica vitimista e o desejo por vingança. A partir de hoje, cobrarão dos próximos governos toda a competência e toda a honestidade que nunca cobraram de Lula e de Dilma.

Leia também:  Loucuras da representatividade

Al Capone foi um gangster terrível. Foi o responsável por centenas de assassinatos, corrompeu centenas de pessoas e coagiu centenas de comerciantes, mas todos esses crimes são insignificantes comparados aos cometidos por Lula e Dilma.

Quantas pessoas entraram em depressão, tiveram AVC, enfartaram e até morreram por terem perdido seus empregos ou por verem seus negócios destruídos pelas irresponsabilidades do governo? Milhares.

Quantas pessoas foram assassinadas por delinquentes protegidos pelo PT? Milhares.

Quantas pessoas morreram por causa do péssimo atendimento nos hospitais públicos enquanto os petistas ostentavam privilégios e desviavam dinheiro? Milhares.

Lula e Dilma causaram mal a todo um país. A economia destruída, a União endividada, a sociedade envenenada, a cultura corrompida, os pobres desiludidos e o futuro comprometido.

Al Capone foi condenado a 11 anos de prisão.

Qual a punição que Lula e Dilma merecem?

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!