O impeachment de Keynes

keynes

“Estão dando um impeachment em Keynes”, denunciou algumas vezes o senador Lindbergh Farias, manifestando-se em defesa de Dilma.

Será?

John Maynard Keynes é o economista mais citado por socialistas porque diz que o governo deve guiar a economia − qual político não o amaria?

Segundo a tese de Keynes, buracos nas ruas são bons porque geram trabalho para tapadores de buracos e borracheiros, janelas devem ser quebradas para gerar trabalho a vidraceiros e serralheiros e até guerras tem seu lado bom, afinal, estimulam a indústria bélica, que emprega muitas pessoas, paga muitos salários e impostos. Compreendendo isso, basta o governo inventar obras para gerar empregos, criar programas sociais para distribuir a renda, facilitar o crédito para as pessoas consumirem mais e subsidiar determinados setores da economia para que eles possam superar seus concorrentes estrangeiros. Pronto. Eis o milagre keynesiano!

O grande “porém” comprovado em teoria por Hayek e na prática pela história é que isso não dá certo.

Primeiro, porque ao se impor como a mola propulsora do mercado, o estado retira cada vez mais dinheiro de pessoas comuns e pequenas empresas − inviabilizando que elas se autofinanciem – para subsidiar grandes empresas escolhidas em função de interesses políticos e ideológicos, oportunizando todo tipo de lobby e corrupção.

Segundo, porque o dinheiro arrecadado – roubado – da população é utilizado em sua maior parte para sustentar o sistema política e a burocrática responsáveis pelos caminhos e destinos desse dinheiro.

Terceiro, porque essa ideia ignora que o mercado não é formado apenas por bancos e grandes empresas, mas principalmente por um conjunto imensurável de decisões espontâneas de pessoas comuns − o que cada uma deseja ou não comprar, quanto cada uma está ou não disposta a pagar por determinado produto ou serviço, em que cada uma deseja investir.

Leia também:  Crivella e as benesses para evangélicos: a solução é menos Estado

O keynesianismo substitui a ordem espontânea pela arrogância fatal de um pequeno grupo de tecnocratas que, de dentro de seus gabinetes, tenta desenhar todas as relações econômicas.

Quarto, porque ao se colocar como fonte de emprego e renda, o estado cria um conjunto de gastos permanentes que em algum momento se tornam insustentáveis devido as oscilações naturais do mercado – variações das commodities e revoluções tecnológicas, por exemplo.

Os empregos e os programas sociais criados tornam-se direitos adquiridos que acabam impedindo a modernização da administração pública, transformando qualquer medida de ajuste num ato politicamente inviável.

Quinto, porque tudo isso torna ineficientes e dependentes os setores da economia que são agraciados pelas políticas econômicas, forçando o governo a injetar cada vez mais dinheiro até o esgotamento dos recursos, ou seja, até acabar o dinheiro da sociedade.

O mais curioso é que a tese keynesiana se baseia no estímulo ao consumo, o que contradiz o discurso anti-consumismo da esquerda. Mas, considerando que Lindbergh Farias disse, em sessão da comissão especial do impeachment do senado, que o neoliberalismo foi implantado na China por Pinochet, é compreensível que ele e tantos outros enxerguem Keynes como um gênio da economia.

Mesmo que o PT não tivesse roubado nenhum centavo, o Brasil teria afundado na crise em que se encontra. Lula e Dilma adotaram o keynesianismo ao pé da letra.

Desde o começo, Lula elegeu seus campões nacionais, setores e empresas que liderariam o desenvolvimento brasileiro. Injetou dezenas de bilhões na produção automotiva e naval. Resultado: Foram os setores que mais demitiram.

Leia também:  A intenção pornográfica do DEM de apoiar Ciro Gomes

A Oi foi fruto do desejo de Lula de criar uma operadora com “sangue” nacional. Via BNDES e canetadas, o petista proporcionou a sequência de operações que, além de enriquecer seu próprio filho, criou a empresa que mesmo tendo a liderança do mercado de telefonia fixa, reconhece uma dívida de R$ 65 bilhões.

Não por acaso, os seis maiores pedidos de recuperação judicial do Brasil ocorreram nos últimos anos e tiveram como protagonistas empresas surgidas a partir do projeto desenvolvimentista de Lula.

A Sete Brasil foi criada a partir de créditos do BNDES para produzir navios-sonda para a Petrobrás. Resultado: Mesmo com a estatal sendo obrigada a comprar seus navios a preços mais altos do que os dos similares estrangeiros, a empresa está em recuperação judicial por causa de uma dívida de mais de R$ 19 bilhões.

As empresas OGX e OAX, de Eike Batista, também foram turbinadas pelo BNDES. Quebraram, gerando prejuízos não apenas para milhares de acionistas, mas também para a população de meia dúzia de cidades do litoral norte do Rio de Janeiro.

O agravante do keynesianismo petista é a cultura patrimonialista brasileira.

O estado como mentor do mercado + Partidos que enxergam o estado como sua propriedade = A maior recessão de nossa história.

Disso surgiu a OAS, que de construtora insignificante transformou-se numa das maiores do país por causa dos contratos apadrinhados por Lula; e em consequência disso, uma das principais personagens dos esquemas de corrupção.

Sem exceção, todas as grandes empresas implicadas na Lava Jato compuseram o time das que receberam dinheiro público para se tornarem grandes, para nacionalizar o crescimento brasileiro e expandi-lo para o exterior.

Leia também:  Uma tragédia nacional com odor fétido e nauseante da hipocrisia esquerdista

É o mais alto grau de ingenuidade crer que os partidos políticos brasileiros não farão uso do estado como se fosse sua propriedade.

O PCdoB desviou dinheiro do programa Minha Casa Minha Vida com a mesma naturalidade com que outros partidos desviaram dinheiro da Petrobrás. Quando o PSOL e a REDE chegarem ao poder, farão o mesmo se tiverem a sua disposição empresas estatais e fundos de pensão.

Crer que a classe política irá se regenerar por causa da indignação pública ou da Lava Jato é tão absurdo quanto crer que uma raposa deixará de comer galinhas se a colocarmos para dormir no galinheiro.

Infelizmente, ainda não houve o impeachment de Keynes. Dilma e o PT foram substituídos por um governo que vem tentando distanciar o estado do mercado, mas a batalha é longa e dura, principalmente por causa da oposição sistemática de estudantes, militantes, sindicalistas, jornalistas e artistas que continuarão apoiando qualquer imbecil da esquerda que diga que o estado deve controlar a economia em nome dos “interesses sociais”.

Enquanto houver coisas como o ministério do Planejamento, empresas estatais e agências reguladoras, Keynes estará nos governando.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!