fbpx

Não esqueçamos os povos da África e da Ásia

Ainda me lembro dos anos 70 e 80 e de como, sempre que você se envolvia em um debate com anticapitalistas, qualquer discussão girava principalmente em torno do destino das pessoas no que naquela época era conhecido como o “Terceiro Mundo”, ou seja, Ásia, África e América Latina. Hoje em dia, sempre que você entra em uma discussão com anticapitalistas, todos os seus argumentos centrais se relacionam com os países desenvolvidos, isto é, os Estados Unidos e a Europa.

Sim, a situação em países pobres ainda surge de vez em quando, mas há muito deixou de ser uma preocupação central dos anticapitalistas modernos, que em grande parte voltaram sua atenção para outras questões, nomeadamente:

  1. reclamações sobre o aumento da desigualdade e

2. esforços para combater as mudanças climáticas.

A desigualdade cresceu?

Sempre que os anticapitalistas reclamam sobre o aumento da desigualdade, eles estão se referindo à desigualdade no mundo capitalista desenvolvido, ou seja, nos Estados Unidos ou na Europa. Eles citam dados sobre a desigualdade na tentativa de provar que a “lacuna entre ricos e pobres” nos países capitalistas aumentou – que os mais ricos estão ficando mais ricos e deixando as classes média e baixa cada vez mais para trás. Se este é realmente o caso ou não, é um assunto para outro dia. Mesmo que os salários tenham estagnado por um longo período em países como os Estados Unidos e a Alemanha, está claro que eles têm aumentado significativamente nos últimos anos – pelo menos no período que antecedeu a pandemia do coronavírus; mas esse não é o ponto aqui.

É muito mais importante considerar o desenvolvimento da desigualdade sob uma perspectiva global, em vez de se concentrar apenas nos desenvolvimentos nos Estados Unidos e na Europa. É inegável que a desigualdade global diminuiu. Em países que costumavam ser muito pobres – especialmente na China e na Índia -, mais de um bilhão de pessoas foram libertadas da pobreza extrema.

Este é um fato que mesmo os mais fervorosos críticos do capitalismo não podem negar.

Em uma discussão sobre esse assunto, um porta-voz da Oxfam destacou o declínio da pobreza global como evidência de que a ajuda ao desenvolvimento teve um enorme impacto positivo. Portanto, de acordo com a Oxfam, os países ocidentais deveriam aumentar a quantidade de dinheiro que alocam para a ajuda ao desenvolvimento. No entanto, as afirmações da Oxfam simplesmente não fazem sentido. Um continente recebeu muito mais ajuda para o desenvolvimento do que qualquer outro: a África. Mesmo assim, a fome e a pobreza em toda a África não diminuíram tanto quanto na Ásia, que recebeu significativamente menos cooperação para o desenvolvimento. Não é a ajuda ao desenvolvimento que é responsável pela redução global da pobreza, mas a expansão global do capitalismo. A globalização é uma bênção, não uma maldição – como fica bem claro nos dados que acompanham os declínios da pobreza e da fome em todo o mundo nas últimas décadas. Da perspectiva egoísta de um economista de esquerda como Thomas Piketty, os últimos 35 anos são os anos ruins e viram aumentos dramáticos na desigualdade. Do ponto de vista das pessoas nos países pobres, no entanto, nos últimos 35 anos a pobreza diminuiu mais do que em qualquer outro período de toda a história da humanidade.

O outro lado da globalização

Não há dúvida de que, devido ao progresso tecnológico, a globalização lança os trabalhadores dos países industrializados do Ocidente contra seus concorrentes nos países em desenvolvimento mais do que nunca. Os mais atingidos são os trabalhadores não qualificados e com baixa escolaridade nos países desenvolvidos. Para eles, é preciso admitir que a globalização se traduz em perda de renda porque promove a competição internacional. Na pior das hipóteses, seus empregos são terceirizados para países em desenvolvimento por uma fração do custo para o empregador. No entanto, os trabalhadores não qualificados não são as únicas vítimas do mercado de trabalho globalizado. Cada vez mais, setores da classe média nos países desenvolvidos estão sendo afetados de maneira semelhante, o que torna a retórica do movimento antiglobalização altamente questionável do ponto de vista ético. A crítica deles nada mais é do que uma estratégia de defesa implantada pelas classes médias dos países desenvolvidos ricos que se preocupam com a queda de suas rendas devido à competição dos países em desenvolvimento.

A maioria dos apoiadores do movimento antiglobalização tende a ser de intelectuais que tradicionalmente criticam o capitalismo e consideram a globalização mais uma forma repreensível de capitalismo. Do ponto de vista de um trabalhador nos EUA, deplorar a lacuna cada vez maior entre pobres e ricos é uma reação justificada. Mas o que acontece se abordarmos a questão de uma perspectiva global? Para cada americano de classe média que é vítima da mobilidade descendente devido à globalização e à transformação da economia global, três ou quatro pessoas saem da pobreza para ingressar na crescente classe média na China ou na Índia.

Mudança climática

Além de seu foco na desigualdade e na “lacuna entre ricos e pobres”, os anticapitalistas também adotaram as mudanças climáticas como uma de suas principais críticas ao capitalismo. Para eles, o capitalismo é a causa da destruição ambiental e das mudanças climáticas. Eles dizem que “nós” precisamos moderar mais o nosso consumo e que, preferencialmente, “nós” deveríamos deixar de voar e dirigir completamente e produzir menos de modo geral. O crescimento econômico é visto como a raiz de todos os males e sua demanda central é que a economia não cresça mais devido aos recursos finitos.

Aqui, também, seu eurocentrismo e “americanocentrismo” vêm à tona mais uma vez. Pessoas na China, Índia ou África têm muito pouco entendimento das demandas dos anticapitalistas ocidentais para “acabar com o crescimento”. Para as pessoas nos países em desenvolvimento, o crescimento é a única maneira de escapar da pobreza. A Alemanha, por exemplo, está fechando suas centrais nucleares e usinas movidas a carvão e gostaria de abolir o motor de combustão em um futuro próximo, mas essa também é uma perspectiva realista para a África ou a China? É absurdo pensar que esses países seguiriam o exemplo da Alemanha.

As alternativas oferecidas pelos críticos de esquerda do capitalismo sempre têm um denominador comum: mais estado e menos mercado. Eles ignoram o fato de que, ao longo do século 20, todo sistema baseado no planejamento estatal não só falhou economicamente, mas levou à destruição ambiental muito além da escala vista em países capitalistas.

Os anticapitalistas de esquerda, em particular, costumavam argumentar de um ponto de vista global e se consideravam defensores dos países pobres do “Terceiro Mundo”. Hoje, ao argumentar do ponto de vista dos países ricos do “Primeiro Mundo”, é como se eles tivessem se tornado completamente indiferentes ao destino das pessoas no mundo em desenvolvimento.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 22 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.