Pontual pontualmente pontuando “anti-trumpices” fanáticas

Você conhece um sujeito simpático, boa-pinta da imprensa tupiniquim, chamado Jorge Pontual? É um jornalista da Globo News, com bastante estrada no ramo. Claro que vocês conhecem.

Pois muito bem; se a nossa poderosa emissora de notícias – não isoladamente, é verdade, já que é um mal que acomete a imprensa brasileira e estrangeira – está abarrotada de jornalistas esquerdopaticamente enviesados, o Jorge Pontual chega a ser quase uma caricatura. E não é por ter feito uma piada imitando o personagem Chewbacca, de Star Wars, quando a notícia era o FALECIMENTO (!!) de Carrie Fisher, intérprete da princesa Leia.

Sim, ele é o mesmo que se emocionou profundamente quando o assassino ditador cubano Fidel Castro – para ele e seus colegas da emissora, apenas o “presidente” de Cuba – deixou a vida para entrar na história… uma história de sangue, naturalmente. O mesmo Pontual que já rasgou elogios à medicina cubana, a Che Guevara e cia., acreditando piamente que Cuba tem índices infinitamente melhores na sua área de saúde do que os países “capitalistas malvados”. O mesmo que vive a gravar “documentários” e entrevistas com intelectuais americanos de esquerda para mostrar como Obama e os Democratas são lindos e maravilhosos.

Leia também:  Nem nudes e nem conspiração: o que sabemos até agora sobre o “zap zap” de Moro e Dallagnol

A caricatura chega ao seu ápice, contudo, quando surge alguma notícia envolvendo seu fetiche predileto: o presidente americano eleito pelo Partido Republicano, Donald Trump. Que fique claro: ninguém é obrigado a amar Trump. O caso de Pontual, no entanto, parece pontualmente patológico. Basta o noticiário envolver Trump, e ele pontualmente vai aparecer para pontuar alguma “anti-trumpice”, não importa o pretexto.

Na edição do Jornal da Globo da noite de segunda para terça-feira (18/07), conduzida por William Waack, Pontual teve uma dessas chances que ele parece aguardar como a criança que aguarda ansiosamente o brinquedo de presente de aniversário. O que aconteceu?

Bem, a ditadura venezuelana – porque é esse o nome que o regime venezuelano merece – convocou uma Assembleia Constituinte para o dia 30 de julho. Obviamente, depois de mais de 90 mortes geradas pela repressão do regime troglodita de Maduro, é mais uma manobra bolivariana para ampliar os poderes do governo, endividado e quase certamente caloteiro. Um regime com o qual já se tentou todo o diálogo possível; um regime que mantém presos políticos; um regime que se recusa a aceitar a supervisão de suas eleições; um regime que aterroriza a população pelas armas enquanto a massacra pela carência dos bens mais básicos.

Leia também:  Pelo amor de Deus, parem de dar crédito a Gramsci pela hegemonia marxista na guerra cultural brasileira

Depois de sucessivos fracassos, sucessivas demonstrações de desespero das oposições venezuelanas, sucessivas perturbações ao funcionamento do Parlamento do país, que fez Donald Trump? Afirmou que Maduro “é um líder ruim que sonha em se tornar um ditador” – no que, em verdade, Trump foi até condescendente, já que essa já é a realidade -, e fez uma ameaça: “os Estados Unidos não ficarão parados enquanto a Venezuela desmorona. Se o regime de Maduro impuser sua Assembleia Constituinte em 30 de julho, os EUA irão tomar ações econômicas fortes e rápidas”.

Que monstruosidade! Que aberração! Meses de repressão e violência sob um tiranete cego e indisposto às negociações, e Trump, diante do sofrimento do povo do nosso país vizinho, resolveu falar grosso com o lacaio dos Castro e filhote de Hugo Chávez. Como pode? Que abominação!

Sim, essa foi quase a reação pontual pontualmente aplicada do nosso pontualmente esquerdista Jorge Pontual. Transcrevo o comentário que não me deixará mentir: “Que efeito terá essa ameaça de Trump, que hoje partiu para uma posição extrema, chamando Maduro de ditador e dando um ultimato para que ele cancele a convocação da Assembleia Constituinte. O mais provável é que Maduro radicalize ainda mais, agora podendo alegar com razão que está sendo alvo de um ataque de Washington. A solução da crise venezuelana só pode passar pelo diálogo, com concessões dos dois lados – governo e oposição. Mas Donald Trump torpedeou as chances de que isso venha a acontecer, William.”

Leia também:  O problema da política educacional brasileira (primeira parte)

Meu Brasil varonil, mas que porcaria é essa? O palavrão está quase escapando por meus dedos nesse momento. POSIÇÃO EXTREMA? Isso porque Trump nem disse, de fato, que aquele DITADOR BRUTAMONTES TROGLODITA ASSASSINO é o que de fato ele é, imagina se dissesse… ALEGAR COM RAZÃO um ataque de Washington? Ataque é o que ele promove à sua população! DIÁLOGO COM CONCESSÕES DOS DOIS LADOS? Ah, minha santa Aquerupita, Pontual… Mais uma vez você pontua pontualmente o quanto é muito mais que pontualmente ridículo.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!