O ditador venezuelano cairá de Maduro?

Nicolás-Maduro-Venezuela

Após a queda do PT o povo venezuelano parece ter adquirido mais motivação para destronar o tirano chavista. As mãos que hoje tremulam bandeiras nacionais talvez sejam as mãos que farão cair aquele fruto já podre, mas que ainda permanece preso aos galhos da árvore latino-americana.

O chavismo, que alega querer alimentar o povo, é, na verdade, sua maior peste. Os venezuelanos precisam pôr fim ao bolivarianismo e seu salvacionismo retrógrado. Devem relembrar essa ditadura só nos livros de História e ter cautela para não repeti-la, pois em terreno bolivariano os frutos já nascem apodrecidos.

Ideias messiânicas são irmãs gêmeas do caos. Conforme afirmou o filósofo e teórico político inglês Michael Oakeshott, “na atividade política os homens navegam sem limites e sem fundos; […] nem tem ponto de partida nem destino determinado.” Ou seja, mesmo com planos, lidamos com as circunstancias do momento. E na Venezuela, o fim do chavismo e a abertura ao mercado são necessidades imediatas e servirão como agrotóxicos.

Leia também:  Ciro Gomes ataca novamente: ele quer quebrar tudo

Obviamente que Nicolás Maduro discorda. Age como se fosse um satélite da União Soviética durante a Guerra Fria. Em suma, se crê abençoado, mas só se for por Behemoth. E o asqueroso é ver universitários se deleitando com os ditadores de língua espanhola. Se eles dizem lutar pelos pobres, vale tudo, até matá-los quando se encontram na oposição.

O filósofo Platão escreveu na República que os mais afoitos pela política talvez sejam os menos preparados para exercer aqueles suas funções. O que ele diria de um ditador que, além de se considerar acima da justiça, diz falar com passarinhos e ver seu antecessor na parede de uma caverna? É uma tragédia, não grega, mas latino-americana.

Leia também:  Levy, BNDES e o “Bolsonaro paz e amor” que não pode existir

E antes de concluir quero lembrar o leitor da seguinte fala: “Fui grande amigo de Chávez e lutamos juntos em favor dos povos oprimidos da América Latina. E nessa luta eu conheci Nicolás Maduro, que me surpreendeu desde o primeiro momento por sua competência, o amor por seu povo e principalmente pela grande afinidade de pensamento com o presidente Chávez.” Cautela com potenciais ditadores em nosso próprio país nunca é demais. E o leitor sabe de quem estou falando…

O ditador venezuelano cairá de Maduro? Não, ele cairá de podre, mas não sozinho. Será preciso chacoalhar o tronco do autoritarismo e arrancar suas raízes daquela terra tristemente infectada pelo chavismo desde 1998.

Leia também:  Instituto Liberal apoia homenagem a Ricardo Vélez no XIII Colóquio Antero de Quental

Espero que a democracia floresça na Venezuela, mas isso só acontecerá sem Nicolás Maduro, afinal, o socialismo é o fruto vermelho oferecido por serpentes para nos condenar ao inferno social.

 

 

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!