O debate da Band

RC analisa o desempenho dos quatro candidatos à Presidência no debate desta quinta-feira, 05.08.2010, na TV Band. Dilma gaguejou, Serra foi burocrata, Plínio é figura de ópera bufa e Marina não engana com sua “terceira via”.

RODRIGO CONSTANTINO*

Quatro candidatos_Folha SPO primeiro comentário que vem à mente após o debate da Band entre os candidatos para presidente é curto e grosso: estamos perdidos! Após o “choque” inicial – não tão inesperado assim -, vamos filtrando um pouco, eliminando as maiores bizarrices, até restar o “menos pior” deles. Mas é uma tarefa hercúlea diante da péssima qualidade das alternativas disponíveis. Que falta faz um partido liberal decente neste país!

A candidata Dilma se saiu muito mal, mesmo após seu “extreme makeover” no visual e o “treinamento com treinadores”. Não adianta: por mais que você tente ensinar uma mula a cantar, ela jamais será uma boa cantora. A natureza de Dilma não é ser carismática, e lhe falta o mínimo de traquejo. Trata-se de um robô programado. Sempre que vejo entrevistas ou debates com ela, fica mais fácil entender o desespero do presidente Lula ao afirmar que Dilma será apenas outro nome para “Lula” na urna. Se ela tiver que andar com as próprias pernas, não sai do lugar. Dilma gagueja o tempo todo, mostra insegurança, nervosismo, resultado de sua falta de preparo e do fato de jamais ter ganhado uma única eleição na vida. Além disso, ela abusa do hábito tradicional dos políticos, de enrolar nas respostas.

O tucano Serra foi muito fraco, burocrata demais, mas em termos relativos pode ser considerado até razoável. Seu discurso é o social-democrata padrão, mas lhe falta o mínimo de coragem para defender os acertos do governo FHC. Além disso, ele perde boas oportunidades de apertar mais a candidata petista, expondo a face mais radical do PT. Os eleitores têm o direito de saber quem é o PT na verdade, e o debate nacional é uma excelente chance de tocar nessas questões delicadas para Dilma. A estratégia de Serra está errada, em minha opinião. Em resumo, Serra foi pusilânime demais no debate.

 Por fim, para não ignorar os outros dois: Plínio é uma figura de ópera bufa, com uma postura patética de quem sabe não ter chances, e um conteúdo socialista saído de um museu; e Marina não engana como “terceira via”, impregnada demais com o ranço petista. Além disso, verdade seja dita, ninguém pode “vencer” um debate com uma voz tão irritante.

*DIRETOR DO INSTITUTO LIBERAL

[Comentário do dia 06.08.2010]

fonte da imagem: blog do Josias com crédito para a Folha

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Instituto Liberal no Patreon!