Coronavírus: um clássico conflito de agência

Todos nós estamos mergulhados num oceano de “noticias” – não informação factual – a respeito da pandemia do Covid-19.

Praticamente 100% da mídia – e que trupe! – tem enfatizado a extremada e única visão de saúde pública, omitindo – creio propositadamente – outras variáveis importantes no tabuleiro da vida – integral -, essenciais para uma informação global relevante. Mais importante ainda, para uma tomada de decisão para além de vieses cognitivos, desejos emocionais e interesses envolvidos.

Qualquer um com um mínimo de experiência gerencial sabe que grandes e estratégicas decisões como essa, em relação ao enfrentamento do coronavírus, nunca são simples de tomar e estão sujeitas às deficiências humanas. E como…

Evidente que por ser tremendamente impactante, já que envolve grandes riscos de saúde e econômicos (invisíveis, portanto mais difíceis de serem encarados), observo que o medo e a escassez de coragem para um enfrentamento lógico por parte dos governantes têm desencadeado decisões exclusivamente ligadas à saúde pública, desconsiderando-se demais cruciais variáveis da vida, especialmente aquelas vinculadas às destruidoras repercussões econômicas que, ironicamente, reverberaram em outros e maiores problemas agarrados à própria saúde da população.

O que salta claramente aos olhos do observador atento são tais defeitos humanos, expostos cruelmente na batalha de egos e de interesses políticos entre burocratas estatais de todas as partes envolvidas. Até os cegos enxergam que os julgamentos quanto ao ataque ao vírus vêm sendo coloridos pelos interesses próprios e/ou corporativos.

A imensa maioria está mesmo preocupada com o resultado político de suas ações e sua utilidade, o que implica a distorção de uma visão ampliada do tema e de uma tomada de decisão mais racional e menos passional.

Há mesmo um clássico conflito de agência, em que não necessariamente os incentivos e os interesses entre os agentes – nesse caso, o presidente, os governadores e os prefeitos – e o principal – a população – estão perfeitamente alinhados, resultando em enganos mais ou menos intencionais.

Óbvio que, diferentemente do que a “vala comum” tem alegado, é a falta de ciência pelos respectivos vieses de confirmação e reputações dos médicos – que fornecem informações “parciais e enganosas” – que agrava e reforça teses e discursos alardeados e postos em prática inadvertidamente pelos agentes.

Quanto aos profissionais médicos, com meu mínimo conhecimento e experiência de gestão, delicio-me assistindo na patrona confortável do confinamento às respectivas divergências “científicas” entre eles e o desejo dos agentes em elegerem o mais “científico”, por meio de um notório “viés do campeão”! A eficácia da hidroxicloroquina deixa patente tal situação.

Nesse contexto, penso que se avançaria muito, distinguindo-se entre uma tomada de decisão para mitigar o problema, com a consideração de todas as variáveis da vida envolvidas, daquelas decisões que procuram justificar os argumentos e as escolhas dos agentes com determinado viés de confirmação.

Claramente falta aos agentes um método mais científico e técnico (verdadeiro!), que estruture tal decisão envolvendo critérios “ampliados” e, como tenho dito desde a chegada do vírus, por meio de considerações factuais de cada região específica, situação atual, riscos e demais características idiossincráticas.

Situações particulares não podem ser atacadas como feito até agora: tudo vai para o saco de gato padrão! Uma decisão lógica dos agentes – muito difícil pelos interesses que mencionei acima – dependeria de um conjunto de critérios relevantes, com comprovação possível através de exemplos e analogias, entretanto, considerando-se especificidades locais.

O tragicômico para mim, que me divirto com nossas mídias “honestas” e suas narrativas anedóticas, é a evidência cabal de que os diferentes agentes, com seus distintos argumentos, estão soberanamente preocupados com seus próprios interesses e suas respectivas reputações! Mas e a população?!

Alex Pipkin

Alex Pipkin

Doutor em Administração - Marketing pelo PPGA/UFRGS. Mestre em Administração - Marketing pelo PPGA/UFRGS Pós-graduado em Comércio Internacional pela FGV/RJ; em Marketing pela ESPM/SP; e em Gestão Empresarial pela PUC/RS. Bacharel em Comércio Exterior e Adm. de Empresas pela Unisinos/RS. Professor em nível de Graduação e Pós-Graduação em diversas universidades. Foi Gerente de Supply Chain da Dana para América do Sul. Foi Diretor de Supply Chain do Grupo Vipal. Conselheiro do Concex, Conselho de Comércio Exterior da FIERGS. Foi Vice-Presidente da FEDERASUL/RS. É sócio da AP Consultores Associados e atua como consultor de empresas. Autor de livros e artigos na área de gestão e negócios.