Preços livres ainda são o melhor remédio contra o desabastecimento

Estive hoje cedo na farmácia, entre outras coisas, para comprar repelentes contra mosquito. As prateleiras, ao contrário do que ocorreu mês passado, quando não se conseguia obter o produto nem no mercado negro, estavam bem sortidas, com várias marcas a disposição. Os preços, por, outro lado, estavam bem mais altos do que antes da divulgação […]

Estive hoje cedo na farmácia, entre outras coisas, para comprar repelentes contra mosquito. As prateleiras, ao contrário do que ocorreu mês passado, quando não se conseguia obter o produto nem no mercado negro, estavam bem sortidas, com várias marcas a disposição. Os preços, por, outro lado, estavam bem mais altos do que antes da divulgação do surto de Zika, em novembro. Numa rápida pesquisa na internet, descobri que, de acordo com pesquisa do Procon-SP, os preços dos repelentes no mercado subiram até 62%, para algumas marcas.

É óbvio, e não precisa ser nenhum economista para saber, que foi a alta dos preços que fez os repelentes voltarem às prateleiras. Mas nem todo mundo pensa assim. A diretora executiva do Procon (SP), Ivete Maria Ribeiro, por exemplo, esclarece que a prática, independentemente de onde vem, é ilegal: “É uma cadeia de solidariedade … entre o comerciante, o fabricante, o importador, etc. O Procon pode atuar em toda a cadeia de fornecimento. O Código de Defesa do Consumidor, no artigo 39, diz que o fornecedor não pode aumentar o preço de um produto ou serviço sem justa causa”.

Mas será que não houve justa causa?

À primeira vista, a maioria das pessoas concordaria que o aumento “abusivo” dos preços deveria ser coibido.  O argumento corrente é que seria moralmente condenável um comerciante aproveitar-se de uma situação de emergência para obter lucros exagerados. Como diria Bastiat, isso é o que se vê.  Mas há também aspectos que não se veem, os quais, se bem analisados sob a ótica econômica, podem nos levar a concluir que os aumentos abruptos de preço, em circunstâncias extremas, tendem ser benéficos e, se proibidos fossem, poderiam piorar uma situação já ruim.

Caso os preços fossem congelados, muitas pessoas se sentiriam compelidas  a comprar unidades extras do produto, independentemente da real necessidade. Reportagem do Jornal Nacional, por exemplo, entrevistou uma consumidora que, em dezembro, ao achar o repelente numa farmácia, adquiriu cinco unidades, “como precaução”. Se os preços forem congelados e muita gente fizer o mesmo que aquela consumidora, haverá enorme escassez e as pessoas que necessitam mais urgentemente do produto, como crianças, idosos, grávidas, doentes crônicos, etc., sairão perdendo.

Já com os preços lá no alto, as pessoas que não precisam do repelente com tanta urgência, seja porque ainda têm algum estoque ou porque dispõem de soluções alternativas, comprarão e utilizarão o produto com maior parcimônia, não por caridade ou elevado senso moral, mas por apreço a seus próprios bolsos.

Finalmente, o aumento dos preços irá incentivar os fornecedores, sejam produtores ou distribuidores, a disponibilizar maiores quantidades do produto, ou até mesmo importá-lo. É a miragem dos preços altos que faz com que os produtores invistam no aumento da capacidade de produção e os comerciantes no aumento dos estoques.  No mesmo diapasão, se não houver a possibilidade de cobrar preços muitas vezes considerados “abusivos”, os fornecedores externos certamente não teriam como vender seu produto no mercado local, via impostações.

Portanto, sem a motivação dos preços altos, nem fornecedores teriam incentivo para aumentar o abastecimento num momento de escassez, nem consumidores teriam incentivo para economizar. É assim que a lei da oferta e da demanda funciona. A alternativa é tabelar os preços, retirar os incentivos, tanto de produtores quanto de consumidores, e assistir à falta de mercadorias nas prateleiras, como acontece atualmente na Venezuela, por exemplo.

É claro que a solução ideal, principalmente na cabeça dos demagogos e oportunistas, seria o aumento da oferta e a concomitante manutenção ou redução dos preços. Não por acaso, tabelamentos de preços já foram testados uma infinidade de vezes mundo afora, sempre com resultados diametralmente opostos aos planejados pelos “çabios” que os conceberam.  Simplesmente porque “soluções ideais” não existem. Ou, como ensinou Thomas Sowell: “There are no solutions, only trade-offs”.

 

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...