O vazamento pelo site WikiLeaks e nós

WikiLeaks - logo

ARTHUR CHAGAS DINIZ* O vazamento pelo site WikiLeaks de 250 mil telegramas diplomáticos trocados por representações diplomáticas norte-americanas e o governo do país vem trazendo e vai trazer mais indesejadas conseqüências, a par de reações de várias naturezas. Em relação ao Brasil, os documentos vazados não surpreendem em sua essência. A suspeita de que Dilma […]

ARTHUR CHAGAS DINIZ*

WikiLeaks - logoO vazamento pelo site WikiLeaks de 250 mil telegramas diplomáticos trocados por representações diplomáticas norte-americanas e o governo do país vem trazendo e vai trazer mais indesejadas conseqüências, a par de reações de várias naturezas.

Em relação ao Brasil, os documentos vazados não surpreendem em sua essência. A suspeita de que Dilma Rousseff, presidente eleita, seria contrária a um plano antiterror não surpreende ninguém, dado que seu passado justificaria suas ações. Membro de uma organização terrorista, à época da última ditadura no Brasil, Rousseff jamais renegou seu passado. Trotskista de origem, como toda a grande maioria das organizações que combatiam, com armas, o Movimento de 1964, não pretendia para o Brasil uma democracia representativa, senão uma ditadura comunista ou eufemisticamente, “do proletariado”.

Leia também:  Uma análise factual sobre Jair Bolsonaro

Não é surpreendente o vazamento da WikiLeaks sobre a posição de Dilma em relação ao terror e aos EUA. A política externa brasileira não tem feito outra coisa senão apoiar líderes carismáticos e de perfil ditatorial, como são os casos de Hugo Chávez e Ahmadinejad, para não falar em ditaduras africanas.

Em qualquer país do mundo menos tolerante com a desfaçatez, Marco Aurélio (Top-top) Garcia, organizador do Foro de São Paulo que apoiou, durante anos, as FARC colombianas tratando-as como “movimento insurgente”, seria questionado sobre a ocupação do Complexo do Alemão que é, verdadeiramente, uma FARC brasileira. Afinal, qual seria a diferença entre os narco-guerrilheiros e “nossos” Zeu, Elias Maluco, Marcinho VP e outros “líderes” menos conhecidos?

Leia também:  Liberdade de expressão e desregulamentação das profissões artísticas

*PRESIDENTE DO INSTITUTO LIBERAL

in ‘Comentário do dia’ 30.11.2010

**Estado de São Paulo, p. A14; Estadão.com.br/ Internacional, 30.11.2010

 

VIII Prêmio DSJ: “Liberdade de informação: o papel da mídia”

Concorrente: Acompanhe o Noticiário para enriquecer sua monografia.

Sugestões de hoje:

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  O que devemos aprender com a Venezuela