O ministro e sua assinatura

ARTHUR CHAGAS DINIZ* Já não há mais dúvidas quanto à assinatura do ministro Alexandre Padilha, da Secretaria de Relações Institucionais (assinatura digital), aprovando o bom e eficiente funcionamento da empresa INBRASIL – Instituto Brasil de Arte, Cultura e Lazer, capacitando-a a receber verbas do ministério do Turismo. É de pasmar a facilidade com que são […]

ARTHUR CHAGAS DINIZ*

Já não há mais dúvidas quanto à assinatura do ministro Alexandre Padilha, da Secretaria de Relações Institucionais (assinatura digital), aprovando o bom e eficiente funcionamento da empresa INBRASIL – Instituto Brasil de Arte, Cultura e Lazer, capacitando-a a receber verbas do ministério do Turismo.

É de pasmar a facilidade com que são liberados recursos sob as mais diferentes justificativas. A instituição, que foi beneficiada pelos R$3,1 milhões, a INBRASIL, estaria representada por uma ex-assessora de Padilha, Crisley Lins, atualmente no gabinete do Deputado Paulo César (PR-RJ). Esses recursos doados à INBRASIL são utilizados sem necessidade de qualquer concorrência.

O ministro que, inicialmente, questionou a validade de sua assinatura, agora mudou de ideia**. Vamos ter, certamente, um inquérito aberto pela Polícia Federal que, provavelmente, não chegará a nada. A PF é um instrumento do governo e não um órgão do Estado. Quem achar que a PF é apolítica que verifique, por exemplo, como vai o caso Vedoin – ambulâncias – em que foram presos os aloprados de Lulla, com destaque para Lorenzetti. Pegos com a boca na botija, liderados por Osvaldo Lacerda, então chefe de publicidade da candidatura Mercadante ao governo de São Paulo, foram presos em flagrante. Até agora ninguém foi condenado. Não há notícias sobre o andamento. Está na PF? Está na Justiça? O beneficiário final, Aloizio Mercadante, não foi, sequer, citado e, provavelmente em função de sua “flexibilidade”, vire ministro de Dilma / Lulla.

A Lulla não se pode negar uma virtude: não questiona o caráter de seus apaniguados e protege-os até o fim.

*PRESIDENTE DO INSTITUTO LIBERAL

Fonte da imagem: Wikipédia

** O Estado de São Paulo. P. A7, 14.12.2010

 

Prêmio DSJ: “Liberdade de informação: o papel da mídia”

Fique de olho!

Lula volta a fazer críticas à imprensa [Diário Catarinense / Entrevista, 03.12.2010]

Líder de associação de jornalistas é condenado no Irã [Estadão.com.br / Notícias / Internacional, 13.12.2010]

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Instituto Liberal no Patreon!
  • Celso Reeks

    Adoro o poder de interpretação e investigação das pessoas.
    Ao ler que um ministro conhecido por sua integridade pediu para abrir sindicância sobre o uso fraudatário de sua assinatura em forma digital, interpreta que Padilha assumiu a autoria. Incrível!
    E para completar, baseia-se em apenas uma fonte (das mais questionáveis, considerando a história do Estadão) para chegar a conclusões tendenciosas.

    Bom, vamos ao fato: o documento era uma PDF com a assinatura colada por trás do texto. Algumas pessoas tiveram a decência de reservar 15 minutos de seu tempo para investigar o assunto. Sim, a fraude é tão escrachada que qualquer pessoa com mais de três neurônios não carece de mais de 15 minutos para apontar falhas.

    http://www.aleporto.com.br/blog.php?tema=6&post=2755

    Ah, adoro a parcialidade!