A indignação seletiva da extrema esquerda

O proselitismo político dos blogs brasileiros de extrema-esquerda não é novidade dentro dos círculos liberais. Os exemplos que serão apresentados abaixo mostram como a indignação seletiva da extrema esquerda é algo mais do que estratégico, faz parte da moral dos “profissionais” desses veículos.

Pedro Zambarda de Araújo, conhecido por seu trabalho como redator no Diário do Centro do Mundo, também escreve em sites de games de tanta expressão quanto o seu canal político. Ou pelo menos finge que o faz, já que suas matérias sempre consistem em inserir suas pautas políticas nas discussões do assunto, como vocês podem observar nas imagens abaixo:

Leia também:  Jair Bolsonaro e a esperança de um Brasil de disciplina, ordem e progresso

Na madrugada de hoje, após uma descoberta de plágio envolvendo um editor da filial brasileira da IGN, o maior portal de games do mundo, o jornalista ofereceu ajuda para o amigo recém-desmascarado, considerando o ato previsto como um crime federal pelo Código Penal apenas um “erro jornalístico”. Isso já seria o bastante para avaliar a moral da pessoa.

Entretanto, quando se trata de adversários políticos no passado, o mesmo Pedro Zambarda apresentou uma opinião completamente diferente da que teve sobre seus amigos pessoais. Veja como ele usa o termo “plagiador” em um tom mais pejorativo do que uma pessoa que considera o crime um “erro jornalístico” ao falar do recém-empossado ministro do STF Alexandre de Morais:

Leia também:  Uma leitura do Raio X das Universidades Federais

Já sabemos que os blogs de esquerda receberam grandes quantias de dinheiro durante os governos do PT, no entanto a indignação seletiva da esquerda é mais do que um problema de financiamento, trata-se de uma luta moral que nós liberais temos que enfrentar todos os dias para que os lixos do jornalismo sejam desmascarados e recolhidos em sua insignificância.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  O “Estado Mundial” de Morgenthau e o “Globalismo”