A Implosão da Mentira

Affonso_Romano_de_Santanna_EDO título acima é de um poema de Affonso Romano de Sant’Anna (foto). Foi publicado, em página inteira, no Caderno B do Jornal do Brasil em sete de julho de 1981. Era, visivelmente, uma crítica ácida aos condutores da economia brasileira no período final, e já decadente, do regime militar.

Mostrava como os corifeus civis do governo mentiam à nação. A segunda estrofe era impactante:

“Mentem, sobretudo, impune/mente.

Não mentem tristes. Alegremente

mentem. Mentem tão nacional/mente

que acham que mentindo história afora

vão enganar a morte eterna/mente.”

Leia também:  O papel dos comediantes em uma sociedade intoxicada

Passaram-se mais de 30 anos e, como dizia Roberto Campos, a história se repete com cruel monotonia. Há mentiras, gambiarras, band-aids e aplicações de botox, visíveis ou encobertas, para todos os lados na condução econômica do país. Do petróleo às contas públicas, passando pela maquiagem inflacionária, nada escapa da desfaçatez mórbida, desculpas esfarrapadas e do falatório repetitivo e enganador dos porta-vozes do governo federal.

Com sua lucidez, logo adiante, Sant’Anna indicava que aquelas balelas, imposturas e lorotas eram absolutamente inúteis. Não enganavam ninguém. Como na fábula, o rei estava nu.

Leia também:  Por que o Brasil não decola?

“Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases

falam. E desfilam de tal modo nuas

que mesmo um cego pode ver

a verdade em trapos pelas ruas.”

Impressiona a atualidade do poema. E por ela, uma vez mais, se confirma que o Brasil não foi fundado por Lula em 2002. “Antes também, na história deste país”, os governantes costumavam mentir compulsivamente.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Ney Carvalho

Ney Carvalho

Historiador e Escritor