fbpx

Homenagem a Milton Friedman

Milton Friedman (1912-2006), ícone da Escola de Chicago, inspirou reformas econômicas no Chile e o ciclo de ascensão de políticas privatizantes entre os anos 80 e 90 de que fez parte o “reaganismo”, bem como participou da formação teórica de diversos economistas brasileiros.

Nascido em 31 de julho, ele se juntou a lideranças como Friedrich Hayek, representante da Escola Austríaca, na promoção comum de teses relativas à liberdade econômica. Enxergou em Hayek, apesar das discordâncias, um campeão da liberdade.

Associado pelos críticos à ditadura chilena de Augusto Pinochet, em que trabalharam alguns de seus pupilos, Friedman disse que o Chile tinha um regime militar “disposto a trocar a organização da economia de um sistema centralizado por um sistema descentralizado”, o que, a seu ver, foi um milagre. “Não fui um conselheiro de Pinochet – eu não fui um conselheiro do governo chileno, mas estou mais do que disposto a tomar parte dos créditos pelo trabalho teste extraordinário conduzido pelos nossos estudantes lá”, declarou.

Entre as qualidades da economia de mercado, Friedman ressaltava a seguinte: “A grande virtude do livre mercado é que ele não liga para a etnia das pessoas, ele não liga para qual religião elas fazem parte, ele só liga para se elas podem criar algo que você quer comprar. Esse é o sistema mais eficiente que já descobrimos, que permite que pessoas que se odeiem negociem para ajudar umas as outras.”

Lucas Berlanza

Lucas Berlanza

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), colunista e presidente do Instituto Liberal, sócio honorário do Instituto Libercracia, editor do site Boletim da Liberdade e autor dos livros "Lacerda: A Virtude da Polêmica", “Guia Bibliográfico da Nova Direita – 39 livros para compreender o fenômeno brasileiro”, "Os Fundadores - O projeto dos responsáveis pelo nascimento do Brasil" e "Introdução ao Liberalismo" (co-autor e organizador).