Ensino centrado no aprendiz


NCPA *

Em vista dos atuais fracassos e ineficiências do ensino no meio acadêmico dos EUA já é hora de se reverem os pressupostos fundamentais sobre o método ideal para a educação do estudante universitário.

Aproveitando mais do passado do que se apoiando em expectativas irrealistas futuras, Jay Schalin, no artigo “The Apprentice, propõe a adoção de um método que poderá aumentar a experiência educacional e lidar com muitas das críticas ao ensino superior nos EUA. É um sistema de aprendizagem válido para todo campus no país. Esse sistema valoriza o envolvimento prático do aluno mais do que uma teoria enfadonha e inaplicável. É um ensino centrado no aprendiz que oferece uma alternativa viável ao status quo e pode melhorar muito a experiência de ensino superior, diz Jay Schalin, do Centro Pope para Política de Ensino Superior.

Leia também:  As consequências da perda do espírito natalino

A aprendizagem funciona de uma forma que é mutuamente benéfica para o estudante-trabalhador e para o empregador-instrutor.

  • Os alunos podem se inscrever para trabalho em tempo parcial ou integral em uma organização dentro do seu campo de interesse.
  • Enquanto estiverem lá, eles recebem instrução de vários funcionários da organização e passam o resto de seu tempo trabalhando em quaisquer tarefas que lhe sejam atribuídas.
  • Assim, o estudante ganha o know-how e conhecimentos práticos ao mesmo tempo em que se acostuma com o moderno ambiente de trabalho, enquanto o empregador ganha um trabalhador produtivo e responsável.
  • Além disso, o aluno não precisa pagar taxa de matrícula para sua educação universitária–ele simplesmente renuncia a um salário, trocando o produto do seu trabalho por sua formação profissional.
Leia também:  Leis existem para proteger a maioria? Explique-se melhor, presidente

É possível dar um passo adiante e acabar, de vez, com a instituição tradicional, de quatro anos. Nesse sistema, a empresa privada poderá conceder um diploma após a conclusão do programa. Isso maximiza a experiência de mundo real do aluno, fazendo dele uma mercadoria valiosa no mercado de trabalho e capaz de se ajustar rapidamente ao trabalho em tempo integral não educacional.

Os críticos argumentam antes de tudo que as universidades ajudam a criar indivíduos mais completos exigindo estudo interdisciplinar, mas esse mesmo resultado pode ser obtido através de parcerias entre empresas privadas e faculdades da região. Independentemente disso, os benefícios deste sistema claramente superam os custos. O encargo do financiamento de universidades públicas poderá, em grande parte, ser retirado dos governos estaduais. Segundo Jay Schalin, o sistema proposto prepara melhor os alunos para se tornarem trabalhadores produtivos, além de cumprir o amplo propósito do ensino superior.

Leia também:  O preço de o Brasil ser a economia emergente mais fechada do mundo

Fonte: Jay Schalin, “The Apprentice,” Pope Center for Higher Education Policy, October 18, 2011.

*National Center for Policy Analysis

 

TRADUÇÃO / adaptação: LIGIA FILGUEIRAS

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!