Dirceu e a corrupção

ARTHUR CHAGAS DINIZ* Série Ponto de Vista Estava demorando a aparecer na WikiLeaks alguma correspondência da embaixada americana sobre as estripulias da turma do PT no primeiro mandato Lulla. Como é do conhecimento geral, o ministro-chefe da Casa Civil, à época, que teve seu mandato como deputado federal cassado e foi substituído na chefia da […]

ARTHUR CHAGAS DINIZ*

Série Ponto de Vista

José DirceuEstava demorando a aparecer na WikiLeaks alguma correspondência da embaixada americana sobre as estripulias da turma do PT no primeiro mandato Lulla. Como é do conhecimento geral, o ministro-chefe da Casa Civil, à época, que teve seu mandato como deputado federal cassado e foi substituído na chefia da Casa Civil apesar do silêncio obsequioso, tinha alguns reparos a fazer em relação ao que o destino lhe reservou: um papel nas sombras.

O que me chama particularmente a atenção é o desprezo com que alguns políticos tratam o Caixa-2. O Caixa-2 é, nas melhor das hipóteses, evasão fiscal; na pior, corrupção. Veja bem, o leitor: Lulla diz que a compra de votos de deputados no primeiro mandato foi caixa-2. De quem? Do BMG e do Banco Real? E o que receberam estes dois bancos, especialmente o primeiro? Liberação para débitos de empréstimos em consignação para funcionários públicos? E quem negociou? E o negociador, sendo parte do Governo, recebeu alguma espécie de pagamento? Como esta comissão foi paga, já que o agente do Governo não poderia receber nenhuma Comissão por dentro? E as empreitadas e compras governamentais superfaturadas? Não são caixa-2?

Enfim, a explicação que tanto Lulla quanto Dirceu (na (WikiLeaks) deram para o Mensalão não são crimes? Vamos parar de explicar o inexplicável, fingindo que caixa-2 não é crime. Ao final das revelações da WikiLeaks sobre Dirceu na correspondência de Danilovich com o Departamento de Estado resta a deplorável evidência de que todas as campanhas políticas são bancadas com caixa-2. Enfim, é tudo corrupção.

*PRESIDENTE DO INSTITUTO LIBERAL

Fonte da imagem: Wikipédia

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Instituto Liberal no Patreon!