fbpx

Ciência e Ceticismo: dois lados da mesma moeda

Quando os Vikings chegaram à costa da Groenlândia, no final do primeiro milênio, aquela era uma terra fértil, sem gelo, coberta de verde (daí o nome Greenland), excelente para o pasto animal, além de um ótimo local para a pesca.  Um ambiente tão convidativo que, perto do ano 1100, havia cerca de 3000 pessoas vivendo ali.  A partir do século XV, no entanto, as temperaturas médias começaram a cair, as geleiras expandiram-se na direção do oceano e a colônia pereceu.

Flutuações globais da temperatura terrestre não são novidade.  Das poucas coisas que se pode dizer com certeza sobre o clima do planeta é que vários foram os ciclos de aquecimento e resfriamento ao longo da história, uns mais longos, outros mais curtos.  Segundo o último relatório do IPCC / ONU, estamos vivendo um período inter-glacial quente, porém ainda bem mais ameno que o anterior.

O fato de a Terra já ter sido mais quente do que é atualmente, malgrado os homens ainda não queimassem combustíveis fósseis, foi um dos motivos que me levaram, em princípio, a questionar nossa culpa pelo flagelo do clima.  Hoje, depois de alguma investigação a respeito, posso dizer que minhas dúvidas só aumentaram.

Muitos acham que há consenso sobre a responsabilidade humana pelo aquecimento global e as catastróficas conseqüências previstas.  Não é verdade.  Basta uma pesquisa rápida na Internet para comprovar que inúmeros especialistas de diversas nacionalidades, donos de currículos nada desprezíveis, têm contestado aquele diagnóstico.  Aliás, apelar para algum suposto consenso é uma velha estratégia para evitar o debate, que convida ao adesismo e afasta a reflexão.  O trabalho científico, diferentemente da política, dispensa consensos e requer que um só investigador obtenha resultados que sejam verificáveis.  Os grandes cientistas da história são grandes precisamente porque romperam com o senso comum.

A hipótese de que as emissões de CO2 provenientes da atividade humana estejam produzindo algum aquecimento é bastante viável.  Entretanto, tal hipótese não pode ser provada por argumentos teóricos formais e, tampouco, os dados empíricos disponíveis são suficientes para confirmá-la.  Os estudos a esse respeito são, majoritariamente, baseados em simulações de computador cujos modelos, apesar dos inegáveis avanços tecnológicos, ainda estão muito longe de reproduzir toda a complexidade dos fenômenos naturais relacionados ao clima, com suas infinitas e intrincadas variáveis. O próprio relatório da ONU não nega essas dificuldades quando afirma, textualmente: “Em razão das incertezas envolvidas, a atribuição de causas humanas para as mudanças climáticas é, basicamente, uma questão de julgamento”. (AR-4; item 6.3d; 2nd draft).

Malgrado eu não seja um cientista, acredito que, como disse recentemente o dinamarquês Bjorn Lomborg, “se nós estamos prestes a embarcar no mais caro projeto político de todos os tempos”, cujas propostas, se efetivadas, mexeriam profundamente com os alicerces da nossa civilização, “talvez nós devêssemos estar certos de que tal projeto está apoiado em solo rígido, em fatos reais, e não apenas nos fatos convenientes.”

Quando o assunto é aquecimento global, entretanto, o público praticamente só tem tido acesso a um dos lados da controvérsia, enquanto o outro, composto de gente chamada pejorativamente de “céticos” ou “vendidos”, sofre todo tipo de discriminação, já tendo sido comparados até aos “negadores do holocausto”.  Definitivamente, esta não é a maneira mais correta de encarar uma questão tão complexa.

Não custa lembrar que, no passado, alguns equívocos graves já foram cometidos em nome de supostos consensos científicos.  O melhor exemplo disso talvez seja o DDT, considerado o mais poderoso e barato inseticida já desenvolvido, especialmente eficaz contra o mosquito transmissor da malária, mas cujo uso foi praticamente banido da face da terra, após intensa pressão de grupos ambientalistas nos anos 70.  Já em 2006, após exaustivos estudos científicos, a OMS decidiu não só liberar o DDT como sugerir a sua utilização, inclusive no interior das moradias, uma vez que a  alegada toxicidade não restou comprovada.  Infelizmente, nesse meio-tempo a malária tirou muitas vidas que teriam sido poupadas se a ciência não tivesse sido atropelada pela ideologia.

O artigo acima foi publicado no jornal O Globo, domingo 25/03/2007.

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.

2 comentários em “Ciência e Ceticismo: dois lados da mesma moeda

Fechado para comentários.