Areia movediça: bobagens e hipocrisia de Dilma e do PT

O governo petista mais uma vez se supera na capacidade de ser hipócrita, pensar que vai ludibriar a população e fazer bobagens que, na prática, não apenas reduzem ainda mais a sua popularidade, mas também, principalmente, prejudicam os brasileiros.   Durante a campanha eleitoral, Dilma Rousseff e os demais petistas atacaram os candidatos de oposição […]

areia-movedicaO governo petista mais uma vez se supera na capacidade de ser hipócrita, pensar que vai ludibriar a população e fazer bobagens que, na prática, não apenas reduzem ainda mais a sua popularidade, mas também, principalmente, prejudicam os brasileiros.
 
Durante a campanha eleitoral, Dilma Rousseff e os demais petistas atacaram os candidatos de oposição dizendo que reduzir o número de ministérios não seria um importante corte de gastos e uma aconselhável reforma administrativa, mas sim um “escândalo” causado por uma suposta “cegueira tecnocrática”. Meses depois, Dilma e seu Ministro do Planejamento anunciam uma grande ideia para ajudar o Brasil a superar a crise econômica e reorganizar sua gestão pública federal: reduzir o número de ministérios. Hipocrisia pura.
Mais tarde, ficamos sabendo que a redução de ministérios à moda petista não se traduz em corte de gastos significativo. Na verdade seria apenas um rearranjo organizacional que em nada ajudaria a situação fiscal e ainda geraria desgaste político com a já frágil base aliada governista. Mais uma bobagem da Super Dilma.
Dias depois, o governo começa a cogitar mais uma bobagem: recriar a CPMF. Aumentar impostos e colocar o cidadão para pagar a conta de sua incompetência e de sua má gestão parece ser a fórmula mágica da esquerda. Acontece que os brasileiros já estão sufocados pela carga tributária obscena e, além disso, mais taxação nas movimentações financeiras poderá ajudar a desaquecer ainda mais o mercado.
No fim das contas, Dilma Rousseff e o PT parecem estar em um pântano de areia movediça onde entraram voluntariamente. Quando mais se mexem, mais afundam, pelo fato de cada movimento representar mais uma medida errônea, hipócrita e mal calculada. Seria até cômico, se não fosse trágico. E trágico para todos nós.
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Bruno Kazuhiro no Patreon!