A arrogância como desculpa para a ineficiência

STANDARDpor LUCAS MARTUCCI*

Nesta quarta-feira, a agência de avaliação de risco Standard & Poor’s rebaixou a nota de crédito do Brasil de BBB- para BB+. Assim, o Brasil perdeu o grau de investimento e passou a integrar – pelos critérios da S&P – o grupo dos países incluídos no chamado ‘grau especulativo’, que representa maior risco de calote. Em resposta, o ex-presidente Lula (PT) disse nesta quinta-feira, 10, que “Isso não significa nada. Significa que apenas a gente não pode fazer o que eles querem. A gente tem que fazer o que a gente quer”. Será mesmo, Lula? Vamos dividir a declaração do ex-presidente em três partes, para facilitar a análise:

I) “Isso não significa nada”: não sei ao certo sobre qual aspecto ele se referiu, mas há de se elencar algumas consequências que certamente o farão repensar:

Perda de investimentos e intensa fuga de capital, uma vez que o dinheiro já investido aqui deverá migrar para outros mercados, tendo em vista a perda do selo de bom pagador. Isso porque os investidores estrangeiros não brincam com dinheiro, e justamente por isso exigem duas notas em grau de investimento para fazerem aportes, especialmente em se tratando em fundos de pensão. Em suma, irão investir em outros mercados que não o Brasil.

Leia também:  A cobrança de impostos é antieconômica e imoral

Crédito mais caro: empresas brasileiras podem ser bastante afetadas pelo rebaixamento da nota de crédito brasileira. Outro possível risco seria a elevação das taxas de juros pagas por companhias brasileiras que emitem dívidas no exterior para captar recursos, como é o caso da Petrobras.

Alta do dólar: a saída de capitais estrangeiros provoca escassez de dólares no mercado, o que leva a uma natural alta da moeda americana. Como já existe um cenário de alta cambial, essa consequência tende a ser agravada.

II) “Significa que apenas a gente não pode fazer o que eles querem.”

Leia também:  Brasil antigo: quando um bandido mandava no STF

Ora, Lula! As agências somente analisam os dados econômicos de um país (ou empresa) para elaborar o rating, que por sua vez ajuda investidores internacionais a avaliar a viabilidade e rentabilidade de aplicarem seus recursos em papéis de dívida. Para uma boa nota, eles não exigem nada em troca que não seja uma eficiente condução econômica; só isso!

III) “A gente tem que fazer o que a gente quer”.

Então vejamos a justificativa dada pela agência S&P para o rebaixamento: “Os desafios políticos do Brasil continuam a aumentar, pesando sobre a capacidade e a vontade do governo em apresentar um orçamento para 2016 ao Congresso coerente com a correção política significativa sinalizada durante a primeira parte do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff”. Então, esse “fazer o que a gente quer” está destruindo o país.

Leia também:  Bolsonaro na ONU: o melhor discurso da história

Economia nunca foi o forte de um governo de esquerda. A gastança exacerbada e a despreocupação com suas consequências estão dando as caras, e exigindo do povo brasileiro que pague a conta pela irresponsabilidade e ingerência da macroeconomia por parte dos petistas.

*Lucas Martucci é coordenador municipal do Movimento Brasil Livre (RJ) e Diretor de Criação e Planejamento da agência digital Highlight. 

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.