Vandalismo em uma Federal: a UFF entregue às traças revolucionárias

vandalos1Quando se entra no Campus do Gragoatá, da Universidade Federal Fluminense, existe uma espécie de encanto com a beleza do local. O Campus é bem arborizado, o que deixa a temperatura muito agradável, mesmo nos verões intensos do Rio de Janeiro; mas as árvores desempenham um papel um pouco “obscuro”, pois além de sombrear os caminhos dos passantes e refrescar o local, elas possuem outra função – a qual, aliás, não foi pensada por aqueles que as plantaram –, a de esconder a estética dos prédios da UFF. O formato dos prédios do Gragoatá é embasado nas ideias arquitetônicas de Louis Sullivan – mas se comparados, as obras de Sullivan são, em proporções oceânicas, imensamente superiores aos prédios do campus –, ou seja, prezam a função ao invés da beleza; as copas das árvores servem para esconder o feio que tal ideia cria no ambiente – os prédios pouco diferem de caixas de papelão, as salas são risivelmente divididas por paredes “falsas”, canos ficam à mostra pelos corredores, tais como vísceras em um corpo rasgado, mas tudo isso é, de longe, um dos problemas menos aberrantes da UFF. O que os arquitetos começaram, os vândalos terminaram.

O nome Vândalo é interessante. Vândalos eram um dos povos germânicos que foram responsáveis pela queda do Império Romano no Ocidente, eram bárbaros, e a conotação negativa que seu nome possui, nos dias de hoje, não se deve a eles terem sido povos não compreendidos e oprimidos pela Roma tradicionalista e opressora. Os bárbaros saquearam, queimaram, invadiram, estupraram, chacinaram, deixando uma grande quantidade de marcas de suas passagens: fazendas queimadas, vilas arrasadas, cidades depredadas; eis a marca dos Vândalos. Quando se chega ao campus do Gragoatá, temos uma aparente sensação de Civilização, e as árvores, com sua beleza natural, escondem os caixotes que chamamos de prédios, mas isso muda drasticamente, caso se queira ir ao setor de Humanas do campus.

O rastro dos novos Vândalos é estarrecedor. Picham nas paredes as maiores obscenidades, idiotices e irracionalidades que poderiam projetar para fora de seus dúbios intelectos. Não há argumentos para provar tal dubiedade que percorre cada mente dos movimentos e coletivos universitários da UFF, pois não se pode de fato provar aquilo que já é uma evidência.

Eis algumas das evidências:

vandalos2 vandalos3 vandalos4

Não são apenas discursos errados, ou com alguns erros, que são defendidos violentamente pelos vândalos contemporâneos, mas sim uma total falta de capacidade de lidar com a realidade e de compreender os conceitos de causa e consequência[1]. Isto, em uma universidade, é altamente problemático, e explica o porquê de a educação brasileira estar tão atolada em incompetência e ineficiência.

Leia também:  Por que a federalização é a proposta mais autoritária do PT?

As pichações não são novas. De fato, algumas parecem ter anos de idade, o que implica em uma continuidade de degradação que simplesmente é ignorada, e ignorar tal movimento contínuo de depredação do patrimônio público – e também cultural – é outra falta de capacidade do sistema educacional no Brasil – as administrações sequer conseguem controlar o nível de algazarra nos campus. O vandalismo não se restringe apenas à UFF, mas sim a todas as universidades infestadas pelos cursos de humanas.

Foi-se o tempo em que cursos de humanas eram respeitados no país, tanto pela população em geral, como por membros de outras áreas do saber. Não existem mais pessoas, nem sequer “germinando”, com o nível de composição textual de Mário Curtis Giordani no Brasil sem motivo, e os maiores historiadores recentes estão idosos, idosos o suficiente para não terem mais tantos anos lecionando pela frente, como José Murilo de Carvalho, ou, infelizmente, já faleceram recentemente, como Ciro Flamarion Cardoso[2]. Há, ainda, alguns perdidos pelas terras tupiniquins, como Ricardo da Costa. Em meio a tal deserto de nomes eminentes, juntamente com movimentos esquerdistas que promovem a falta de noção e a loucura como forma de protesto, outros cursos tenderam a apelidar, pejorativamente, quem estuda “humanas”. Quem é de “humanas” se tornou sinônimo de drogado, maconheiro, isso quando não se torna unívoco com a noção de pessoas desleixadas, desarrumadas e “paz e amor”, que querem um mundo melhor, mas não dão bom dia para seu porteiro.

vandalos5

As marcas no campus não são apenas as deixadas pelos revolucionários. Existem, sem dúvidas, pichações sem nenhum crivo político e ideológico: feitos de pessoas sem nenhum senso de estética ou alguma noção do que seja uma agressão ao patrimônio público; contudo, as pichações organizadas pela esquerda – sendo esporádicas, ou não – são as mais danosas.

vandalos6

As marcas da esquerda não são nocivas apenas por que promovem políticas fajutas, inaptas e criminosas, como o socialismo, mas porque fixam e tem o desejo de fixar tais mensagens nas paredes de forma permanente. Existem muitos adesivos, cartazes que promovem o mesmo tipo de estupidez, ou qualquer outra coisa, contudo tais mensagens se vão com o tempo, de modo que não podem ser consideradas como danosas ao patrimônio público, porém a pichação não desaparece com facilidade. As mensagens provocativas, ofensivas e até mesmo pornográficas se fixam para todos verem, como se fossem agressões e avisos constantes de ideologias que não admitem nenhuma contrariedade. Seja a favor e você é um lindo, gênio, seja contra e se transforma em um criminoso, em um monstro; eis a coerência dos detentores da tolerância.

Leia também:  Não, João Doria, é preciso ter mais sensibilidade

vandalos7 vandalos8

vandalos9

Atenção para as imagens acima. Elas foram feitas no início do período de greve; essas imagens não são apenas meros protestos para com quem não escolheu aderir a greve, mas sim ofensas e ameaças contra aqueles que optaram por não seguir uma greve inútil. Os alunos, doutos e sábios, detentores da mística da Tolerância, paladinos contra a Opressão, não apenas negaram a escolha dos professores, como fizeram questão de escrever no local de trabalho dos docentes mensagens vexatórias e claramente constrangedoras e assediantes. O fura-greve é tratado como lixo humano, não pertencendo mais ao grupo dos escolhidos, os bonzinhos que querem consertar o mundo. Basta discordar que já perde todo o direto de ministrar uma aula em paz, e até mesmo o direito de ir e vir dentro do campus: os vândalos invadiam as aulas, ou batiam forte nas paredes para não permitir que o professor desse sua aula.

Mas os novos bárbaros fazem o que fazem porque caíram na inépcia. Perderam, há muito, a capacidade de ter um pensamento realmente crítico, ficando apenas na redoma ideológica que construíram em suas próprias mentes. Os universitários revolucionários não querem argumentar, mas sim chocar. Todo modus operandi da mentalidade do esquerdista baderneiro funciona única e exclusivamente para o choque, e ele jamais evolui disso, a menos que desconsidere uma imensa parte de seus valores e crenças.

vandalos10

Como o modo de pensar do vândalo moderno é baseado em cacoetes, seguidos de degeneração e violência visual – por vezes verbal –, não é à-toa que até mesmo o racismo apareça em certas pichações amorosas no Gragoatá. São grupelhos universitários que promovem o incentivo à violência, o dano ao Patrimônio Público e o assédio visual na faculdade.

vandalos11

Mas a maior questão e dúvida é: por que esses grupos depredadores ainda continuam agindo nas universidades e, pior, tendo forças para crescerem e aliciarem mais alunos? Onde está a gestão da universidade para bater de frente com os grupos? Eles têm nomes, praticamente picham seus nomes nas paredes, literalmente! Onde está uma investigação para punir e expulsar os alunos que assediaram os professores? Onde estão as inquirições para averiguar quem ou quais coletivos e grupos andam pichando a universidade? Por que os grupos abertamente feministas não são investigados pelas depredações pró-feministas na UFF, e o mesmo para com os que apoiam as causas do Movimento Negro e do Movimento LGBT? Não seria nada difícil achar os culpados e lhes aplicar as medidas adequadas para os casos acima.

Leia também:  Sobre a "escravidão" dos médicos cubanos

Não é de hoje que se sabe que os grupos universitários incentivam certos hábitos nocivos, como o consumo de drogas pesadas e dopantes, contudo seus discursos foram ficando cada vez mais radicais, muito perigosos e sem limites. Não existem balizas internas na mentalidade desses grupos, para eles tudo vale, desde que se esteja lutando por uma causa pró-minoria, anti-opressora, etc. Vale a poluição visual excessiva, vale ter desenhos de travestis com seus pênis em ereção nas pilastras[3] – para todos verem, claro, sejam crianças, idosos, mães, pais, filhos, professores, alunos, seguranças, faxineiros, zeladores. Vale, do mesmo modo, dividir a sociedade (e os próprios estudantes e professores) em amigos e inimigos, mocinhos e vilões, oprimidos e opressores. Ao criar essa divisão, os universitários revolucionários não colocarão limites no que podem ou não fazer. Destruíram toda a noção de coesão e do que convém e não convém em momentos de protestos (e muitas vezes são alimentados em seu propósito por certos professores).

Está mais do que na hora de dar um basta nesse pensamento nocivo e irracional, nessa invasão bárbara que assola a UFF, mas também quase que a totalidade dos cursos de Humanas no país. Precisam ser repreendidos pelos seus atos, e precisam aprender a se portar como pessoas decentes e razoáveis.

[1] Dado que em uma manifestação defendem o inchaço estatal, e na outra atacam os males causados pelo inchaço estatal. O mesmo vale para a questão de defenderem tanto a atual presidente da república, mas quando a mesma cortou as verbas para as Federais, não pensaram por um só minuto que suas convicções tinham um vínculo profundo com Dilma e as ações da presidente para com as contas públicas.

[2] Cardoso era de uma corrente marxista na História, mesmo que mais branda, mas ainda assim um resquício de lucidez e capacidade.

[3] Como me recuso a colocar imagens tão baixas no Instituto Liberal, eu, ao menos, disponibilizo o link com tais depravações: http://imgur.com/eCHYaab e http://imgur.com/Ik3CI4d

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!

Comentários

  1. Quando estive para fazer vestibular, uma das minhas intenções era a UFF. Pelo que vejo, não perdi nada em não ter ido estudar lá. Fui aceito em outra federal e apesar de ter recebido certa doutrinação, consegui sair desta e ser um liberal. Imagino os perrengues que você passa lá, Hiago, deve ser um pária nesta “sociedade”.

  2. Hiago,

    Parabéns pela coragem.
    Você, estudando onde estuda está no meio da LAMA, sair dela é difícil, é duro e requer coragem.

    Parabéns.

  3. Prezado Hiago, concordo na íntegra com a sua descrição e análise. Discordo,apenas, quando vc os nomeia como “universitários revolucionários”. Essa gentalha está na Universidade,mas, não vive a condição de estudantes universitários:são matadores de aula,não estudam,são coladores,enfim, as raízes podres da juventude….Não são revolucionários. Não passam de repetidores de slogans produzidos de encomenda…são filhotes da ex UNE,de outros tempos pois,a UNE foi comprada pelo Garanhão de Garanhuns por 37 milhões. O Bandidaço maior,através do seu governo bandido,doou,às nossas custas,a reforma do prédio dese curral eleitoral,hoje,funcionando na UNE. São alienado e alienígenas. Parabéns pelo artigo,com pequenas ressalvas. Zé, que não é o Dirceu,o bandidão da Papuda,companheioro do Marcola.

  4. Pois é, antigamente tínhamos orgulho de ter cursado a USP (que se enquadra exatamente na descrição da situação da UFF); hoje, sentimo-nos no mínimo constrangidos diante da sociedade que, acreditando na importância do conhecimento para o progresso e bem-estar do nosso país e da humanidade em geral, também sentia orgulho da universidade para a qual parte de seus impostos era destinado.
    Já no primeiro dia de um novo semestre, as salas de aulas são invadidas por grupos militantes, recitando palavras de ordens e discursos mais que atrasados. E ai do professor que sequer esboçar alguma resistência à invasão: são difamados, xingados, e até mesmo agredidos fisicamente.
    As Assembleias são realizadas embaixo das janelas das salas de aulas: o aluno não consegue ouvir o professor, só o blá-blá-blá da esquerdalha e o macaquear de slogans que refletem a pobreza do pensamento/doutrinação que se instalou na Educação de nosso país.
    Mas a boa gente brasileira acordou. Viu para onde o bolivarianismo levou a Venezuela e estava levando o Brasil. Agora nem todo o aparelhamento que foi feito, nem todo o trabalho sujo feito pela imprensa vermelha, nem toda a ajudinha dos professores (na verdade doutrinadores), “intelectuais”, “artistas”, vai conseguir impedir que a gente de presta (a esmagadora maioria) deste país faça-o seguir o caminho da Democracia, do progresso, da decência, da Liberdade.