fbpx

Tudo às Avessas por Aqui *

                                       RUBEM F. NOVAES **

* [Artigo originalmente publicado em O Globo, em 30.09.2013]

Livro recentemente divulgado agita a intelectualidade universal propondo uma nova concepção para o desenvolvimento econômico.  Nos idos da década de 70, Donald McCloskey, seu autor, lecionava na Universidade de Chicago e encantava, com seu porte alto e cabelos louros, as poucas meninas presentes ao curso introdutório de Economia. Era o “boa pinta” do Departamento de Economia. Muito criativo, culto e sensível, McCloskey  enveredou cada vez mais pelos mistérios da História e da Filosofia, diferenciando-se de seus outros colegas professores, mais ligados aos temas duros e materiais da teoria e da política econômica.

Apesar de professor brilhante e autor de uma produção acadêmica considerável, Donald, casado e com dois filhos, só ganhou fama internacional quando, através de uma cirurgia transformadora de sexo realizada em 1995, aos 53 anos, virou senhora Deirdre McCloskey.

Já bem conhecida como Deirdre, McCloskey viria a produzir, em 2010, sua maior obra: “Bourgeois Dignity: Why Economics Can’t Explain the Modern World”, tratando da burguesia que emergia nos séculos XVII e XVIII, concomitantemente à expansão do comércio e do capitalismo na Europa. Mais especificamente, o autor destaca em sua obra a influência que o reconhecimento das virtudes desta burguesia teve sobre o curso da História.

Respeitabilidade, até então privilégio da nobreza e do clero, se estendeu ao cidadão burguês, conferindo dignidade ao seu trabalho e estimulando o esforço comercial e produtivo. Daí, para a tese central revolucionária de McCloskey  foi apenas um pulo. Mais que fatores materiais, como a acumulação de capital, as inovações e o comércio internacional, foi a opinião positiva que se passou a ter da burguesia o principal fator explicativo do espantoso progresso verificado a partir do século XVIII .

McCloskey vai um passo adiante e credita o progresso material que se verifica hoje na China e na Índia ao mesmo fenômeno ocorrido na Europa antiga. A liberdade para o comércio e o empreendedorismo teriam como pré-condição o reconhecimento por toda a sociedade de que os agentes interagindo nos mercados são virtuosos, sem o que surge todo um sistema estatal de intervenção direta e indireta na economia inibidor do progresso. Ideias, crenças, formando um ambiente propício, mais que investimentos ou comércio, explicariam a explosão do crescimento econômico verificado nestes países.

Ora, em contraste, o que vemos agora em nosso país é que nas diversas manifestações culturais, muitas das vezes impulsionadas por recursos estatais, empresários são sempre caracterizados como espertalhões, sonegadores de impostos, exploradores da mão de obra e/ou enganadores do consumidor. A classe média trabalhadora, por sua vez, é tratada com incontido desprezo por nossa intelectualidade de esquerda, chegando a musa petista Marilena Chaui a produzir um longo discurso explicativo das razões de seu ódio. Então, como querer o engajamento sincero da burguesia brasileira para o progresso, se nossa elite governante, ao retirar-lhe a dignidade, age exatamente às avessas de tudo o que preconiza McCloskey? Fica a questão!

**Economista, com doutorado na Universidade de Chicago. E-mail: rfnovaes@uol.com.br

Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.