Revisionismo histórico e os 50 anos do Regime Militar (I)

RegimeMilitar

Tento, em vão, compreender o desespero de alguns em efetuar um revisionismo histórico do Regime Militar Brasileiro. De outro, eu compreendo perfeitamente, pois lhes convém.

Um dos maiores erros que o cidadão mediano comete ao falar sobre o Regime Militar é dizer que os que hoje estão no poder precisaram passar por muitas “provações”, torturas, etc, para que tenhamos a liberdade atual. Ora, cara pálida, qual liberdade? Um jornalista não pode expor suas opiniões sem que o governo faça pressão sob a emissora até que ele seja “realocado”. Uma âncora não pode comentar sobre fatos evidentes do país, sem que seja censurada descaradamente por políticos. E agora aprovaram o Marco Civil da Internet, institucionalizando a censura na internet e jogando a resolução de casos para o já moroso judiciário, que como está também aparelhado, não deve ser tão moroso dependendo dos interessados.

A liberdade que dispomos hoje é a mesma que os que estão no poder desejavam “impor” na época do contra golpe de 1964, ou seja, nenhuma. Os militares tomaram o poder em 31 de março de 1964 com a missão de erradicar do Brasil o comunismo e impedir determinados grupos de implantarem uma Ditadura Comunista, ou como alguns preferem chamar, Ditadura do Proletariado. Quero saber apenas que proletários são esses que não sabem o que é trabalhar?

Leia também:  Ensaio sobre um novo fenômeno: a Lei Coase-Surowiecki

Assumo que há pelo menos quatro anos escrevi um artigo criticando a expressão “Ditabranda” utilizada por um articulista na Folha de São Paulo. Se vergonha matasse, eu estaria sob sete palmos de terra. Faço esse mea culpa, com a certeza de quem se livrou do ranço comunista e hoje defende a liberdade.

Leio em alguns veículos que “movimentos cobram justiça e punição de torturadores, em Brasília”, no entanto, não vejo nenhum dos ditos movimentos cobrar pela punição de José Genoíno, na época conhecido como Geraldo pelos demais guerrilheiros comunistas, pela participação na guerrilha do Araguaia, participar do grupo B da Gameleira (o mais perigoso) que matou o primeiro militar naquela guerrilha (o Cabo Odílio Cruz Rosa), cujo líder era Osvaldo Orlando Costa (o Osvaldão) e, principalmente, porque não cobram a punição de José Genoíno, pelo esquartejamento do garoto João Pereira, filho de Antonio Pereira, pelos “camaradas” do “soldado Geraldo”. O garoto tinha apenas 17 anos e Genoíno o “denunciou” aos comparsas por supostamente ser guia de membros das Forças Legais, que combatiam os guerrilheiros comunistas.

Leia também:  A maior barbaridade dita por Bolsonaro: "as leis existem para proteger as maiorias"

Além dos registros sobre o ocorrido, há o depoimento do Coronel Lício Augusto, em sessão solene na Câmara dos Deputados em homenagem aos militares mortos no Araguaia, em 26/06/2005, e o relatório de Ângelo Arroyo, um dos chefes da Guerrilha do Araguaia, onde consta: “A morte desse bate-pau (João Pereira) causou pânico entre os demais da zona”. O relatório do Coronel Lício Augusto está no Centro de Instrução Especializada (segundo o Coronel).

Porque não cobram punição aos guerrilheiros que capturaram o Tenente Alberto Mendes Junior, que foi castrado e obrigado a engolir os próprios órgãos genitais, pelos guerrilheiros comunistas? Será que só a vida de assassinos “revolucionários” tem algum valor? Obviamente que quando a história é contada pelos assassinos, o resultado não pode ser diferente de uma tentativa vergonhosa de revisionismo histórico. Porque não cobram a punição dos guerrilheiros responsáveis pelos crimes cometidos pelo grupo VAR Palmares? Responderei essas questões no próximo artigo desta série. Mas que fique claro! Nenhuma Ditadura é boa, contudo, devemos reconhecer a importância do contra golpe de 1964 para impedir (pelo menos temporariamente) a instalação de uma ditadura comunista no Brasil. Os pontos ruins? Ora, devemos criticar como faríamos com qualquer governo. 

Leia também:  PIB cresce 0,6% no terceiro trimestre de 2019

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Roberto Barricelli

Roberto Barricelli

Assessor de Imprensa do Instituto Liberal e Diretor de Comunicação do Instituto Pela Justiça. Roberto Lacerda Barricelli é autor de blogs, jornalista, poeta e escritor. Paulistano, assumidamente Liberal, é voluntário na resistência às doutrinas coletivistas e autoritárias.

Um comentário em “Revisionismo histórico e os 50 anos do Regime Militar (I)

  • Avatar
    10/04/2014 em 9:15 pm
    Permalink

    Essa turma de guerrilheiros da antiga esquerda deveria ir direto para a cadeia e a chave das grades, deveria ser jogada em auto mar , pois prisão Perpétua é pouco para esses que estão desgovernando o País atualmente!
    Da pena , ver o Povo ter esperanças de que a Política dos Petralhas, esta certa e que o Brasil,sem produzir empregos , vai melhorar!
    Finalmente sou contra essa Ditadura Financeira imposta aos Brasileiros que pagam Impostos, principalmente na fonte 27,5%,da dó ver o nosso suado dinheiro ser jogado fora do jeito que o governo quer e sem constrangimento algum, ainda gastam 30 Bi em Copa do Mundo, e dezenas de Bilhões perdoados em dívidas de Países governados por Ditadores ,na AFRICA e em Cuba, fora o que não sabemos ainda ao certo, como essa compra da Refinaria falida no Texas por 1 Bi 130 milhões de dólares.
    Chega !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Fechado para comentários.