fbpx

Razão e liberdade: a armadilha das ideologias

Segundo o filósofo norte-americano Elbert Hubbard, “há apenas uma maneira de não receber críticas: não faça nada, não diga nada, não seja nada”. Constantemente somos colocados diante de debates com divergências que ganham grandes proporções, em que o lado mais melindrado costuma ser aquele criticado, cuja ideia, teoria, ação ou pensamento foi posto em dúvida.

Se a liberdade de expressão é garantida por cláusula pétrea na Constituição, sendo vetada a censura, seríamos realmente livres para discordar?

Somos livres para discordar, entretanto, quero propor neste artigo sair da obviedade do direito à liberdade de expressão para levar o leitor à seguinte reflexão: é importante identificar se a base da nossa discordância recai sobre o conflito de interesses, de visões ou de ideologias.

Conflito de interesses e o poder das ideias

A princípio, vale destacar que conflito de interesses tem clareza das partes interessadas, isto é, o debate é posto sobre o que se defende e o que não se defende. Contudo, tomando como base a percepção direta dessas partes, cujo fundo emocional é o maior componente, tal conflito pode torná-las completamente cegas em uma disputa/discussão em que seja necessário o equilíbrio racional ou a postura crítica. Por consequência, apegar-se emotivamente a interesses pode tornar um ambiente – ou uma mente – imune a argumentos e debates racionais. Daí a necessidade de defesa da razão e racionalidade, um dos pilares da filosofia objetivista, idealizada pela romancista Ayn Rand.

Segundo o economista norte-americano Thomas Sowell, “conflitos de interesses predominam por período curto, porém conflitos de visões dominam a história’’.

Comparado ao conflito de interesses, o conflito de visões é mais profundo e abrangente, pois depende da consciência de pressupostos fundamentais sobre a realidade. Entende-se que uma visão não é meramente um sonho, uma esperança ou algo nesse sentido, mas o próprio pensar sobre o funcionamento do mundo e, diante de uma realidade abrangente, aleatória e complexa, mapas mentais são criados para tentar abstrair detalhes excessivos e compreender a realidade de forma simples e esquemática. A mente tenta dar um sentido para aquilo que se quer entender, aceitar e compreender. Visões não usam como justificativa a metodologia, mas conectam-se com o que sentimos ou percebemos do funcionamento do mundo. É a experiência em sua totalidade e não alguma cena ou estado especifico das coisas.

A armadilha das ideologias 

A visão, portanto, modela a nossa orientação teórica, mas esta não determina nossa visão. O risco desta, segundo Sowell, é “trocar a liberdade inerente da capacidade humana de pensar pela camisa de força da lógica, que pode subjugar o homem quase tão violentamente quanto uma força extrema.” O caminho para encontrar a verdade passa pelo questionamento, o que deve começar pelo indivíduo, ao investigar os fundamentos das próprias visões.

A filósofa Hannah Arendt diz que ideologia significa “um pensamento total que dá conta de explicar tudo previamente, sem deixar nenhum detalhe em vão”. Agarrar certezas que moldam o mundo pode ser muito sedutor, já que retira o esforço de pensar e examinar com profundidade, qualquer que seja o tema. Este é um alerta em relação às armadilhas de qualquer tipo de militância ideológica, vale ressaltar.

Quem se ancora em uma ideologia acredita que seu fundamento se baseia em lógica, opondo-se a tudo que não caiba nela. Não há sentido em apelar para nada quando a mente se perde na coerência de uma boa ideia.

Já o escritor Frédéric Gross aponta a filosofia como tendo “a tarefa de estremecer as certezas mais do que fundamentá-las. Já a ideologia seria ao contrário: se devo mostrar-te que tenho razão, é que tu serás meu inimigo.’’

Conclusão

Sim, somos livres para discordar, mas podemos estar diante de situações em que indivíduos ou grupos tenham interesses escusos, visões de mundo destoantes da realidade ou ideologias petrificadas. O fascínio de sempre estar com a razão pode acabar sendo um passo perigoso para quem busca a verdade — mitigando a própria racionalidade.

*Luiz Henrique Stanger é Diretor Comercial na Dynamo Consultoria e Negócios Imobiliários e Associado Alumni do Instituto Líderes do Amanhã.

Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.