Plano Real, FHC e Gustavo Franco

Rubem de Freitas Novaes*

FHC-RealApós a deflagração do “impeachment”, em setembro de 1992, assumiu Itamar Franco, vice-presidente de Collor, para um período pouco superior a dois anos. No período e como curiosidade, passaram pela Fazenda nada menos que seis ministros: Gustavo Krause, Paulo Haddad, Eliseu Resende, FHC, Rubens Ricupero (março a setembro de 94) e Ciro Gomes.

Coube a FHC e à equipe de economistas que o assessorava produzir, finalmente, um bem sucedido plano de combate à hiperinflação. O Plano Real, assim chamado porque introduzia a nova moeda de igual nome, obedecia a certos pressupostos de índole essencialmente liberal: não deveriam haver medidas coercitivas, como o congelamento de preços e o sequestro de ativos, e seria observado o equilíbrio dos contratos (neutralidade distributiva). Era o respeito ao Estado de Direito, impedindo contestações jurídicas futuras. Caberia cuidar de aspectos ligados à desindexação, à administração da liquidez, ao equilíbrio fiscal e à gestão da demanda agregada, porém sempre em obediência aos princípios maiores estabelecidos.

Leia também:  A dinastia Bolsonaro - ou o início de um longo período liberal-conservador

Quanto ao próprio Plano, nada melhor que ouvirmos Gustavo Franco, seu principal articulador: “se toda a indexação fosse feita com respeito à mesma unidade de conta, esta sujeita à correção monetária, a transição para um novo padrão monetário seria uma mera mudança de denominação, sem qualquer implicação sobre o equilíbrio das obrigações. Exatamente desta forma foram lançadas as bases do Real. A Medida Provisória 434, de 27.02.1994 criou a URV, dotada de curso legal para servir exclusivamente como moeda de conta, que só teria poder liberatório, ou seja, teria o atributo de servir como meio de pagamento, depois de emitida, quando passaria a chamar-se Real.” A sociedade aceitou muito bem o que seria uma indexação plena nas URV`s e, quando esta virou Real, quase que por milagre estava eliminada a hiper-inflação, sem que surgissem problemas distributivos.

Leia também:  Rio de Janeiro: um estado gerido pelo poder paralelo do crime organizado

Edmar Bacha foi feliz quando se referiu aos torcedores no Maracanã, todos assistindo ao jogo de pé. Se todos ao mesmo tempo sentassem, iriam ver o jogo da mesma forma, porém agora com mais conforto. Era isso o Plano real. Uma construção simples, porém genial, que bem poderia ter proporcionado a seus autores o Prêmio Nobel de Economia.

A popularidade do Plano fez com que FHC passasse a ter novas aspirações políticas. Em março de 94 deixava o governo Itamar para candidatar-se à Presidência. Em janeiro de 95 tomava posse no Planalto. Quem havia parido Mateus, que o embalasse!”

*O autor nasceu no Rio de Janeiro, em 22 de agosto de 1945. É economista formado na UFRJ com mestrado e doutorado na Universidade de Chicago. Foi professor da EPGE/FGV-Rio, Chefe do Departamento Econômico da Confederação Nacional da Indústria, Assessor Especial da Secretaria de Planejamento da Presidência da República, Presidente do SEBRAE e Diretor do BNDES. No setor privado, exerceu atividades de consultoria e ocupou diversos cargos executivos em instituições financeiras

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Combatendo falácias econômicas do cotidiano

Comentários

  1. Existe algum livro que fale sobre a estratégia de elaboração e implementação do plano real? Gostaria de saber como ele foi pensado e realizado nos detalhes.

    Parabéns pelo artigo!