O voto impresso e o voto platônico

A laicidade do estado é quebrada quando o próprio governo nos pede para ter fé nas urnas eletrônicas.

Nos obrigar a confiar no voto platônico, essa projeção da realidade na qual querem que acreditemos, mas que não podemos confirmar com nossos próprios olhos, como se estivéssemos acorrentados na Caverna de Platão, é a quintessência do apriorismo dogmático racionalista, uma nova religião.

Darem ar de axioma a algo que não é auto evidente, nem indivisível e nem verificável, é um atentado contra a própria razão, logo contra o próprio objeto da existência do Estado.

O eleitor comum não quer auditar sistemas informatizados, nem sabe o que isso significa.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Immanuel Kant

O eleitor comum não quer depender dos partidos políticos para saber em quem ele acabou de votar.

O eleitor comum quer apenas ver, ali na sua frente, no aqui e agora do momento da votação, seu voto impresso materializado em um papel, que será colocado em uma urna coletora, e ficará à disposição de quem quiser auditá-la, sob a custódia da justiça eleitoral.

O voto, como manifestação de vontade em uma eleição, não pode ser confundido com um ato de fé, uma singularidade transcendental.

O voto é apenas uma manifestação cívica, não religiosa, ainda que muitas vezes pareça conter elementos irracionais.

Leia também:  Propostas para Economia: Bolsonaro X Haddad

Urnas eletrônicas são necessárias para se agilizar a contagem dos votos, mas velocidade, nesse caso, não é a única virtude que se demanda do processo eleitoral, diria até que ela nem é essencial.

Urnas eletrônicas com voto impresso, unem a velocidade do método digital com a possibilidade da auditagem e averiguação a partir de uma base palpável.

Quando somos obrigados a votar, pelo menos que nos garantam o nosso direito de exercermos a liberdade de nos expressarmos para escolher se queremos ser governados por bandidos, por tiranos ou por libertadores.

Leia também:  O filho feio do Ministério da Economia

Quando há tantos interesses em jogo e o resultado pode nos transformar em vítimas, acreditar religiosamente no que nos dizem deveria estar fora de cogitação.

Nossas vidas não são uma alegoria.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!