fbpx

O sucesso da China: “não por causa do Estado, mas apesar do Estado”

O economista chinês Weiying Zhang prova que a China tem muito sucesso economicamente não por causa, mas apesar da influência do Estado: a palavra-chave para explicar isso é “mercantilização”.

Weiying Zhang, professor de Economia da Universidade de Pequim, se opõe à ideia de que o extraordinário sucesso econômico da China é resultado da forte influência exercida pelo Estado. Essa má interpretação é comum no Ocidente, mas também é cada vez mais prevalecente na China, onde alguns políticos e acadêmicos acreditam que a explicação para o sucesso do país está em um modelo chinês específico. “Os defensores do modelo chinês estão errados porque confundem ‘apesar de’ com ‘por causa de’. A China cresceu rapidamente não por causa, mas apesar do governo ilimitado e do grande setor estatal ineficiente”, ele explica em seu artigo, “A visão do modelo da China é factualmente falsa.” (Confira aqui: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14765284.2019.1663696)

Na verdade, “mercantilização” e “privatização” são os motores por trás do tremendo crescimento econômico da China. Zhang analisou dados de diferentes regiões da China e concluiu que “quanto mais uma província fez a reforma orientada para o mercado, maior o crescimento econômico que ela alcançou, e retardatários na reforma da mercantilização também são retardatários no crescimento econômico”. As regiões nas quais as reformas orientadas para o mercado mais consistentes foram implementadas, isto é, Guangdong, Zhejiang, Fujian e Jiangsu, também são as que experimentaram o maior crescimento econômico.

Um ponto-chave é que “a melhor medida do progresso da reforma são as mudanças nas pontuações de mercantilização nos períodos em questão, em vez das pontuações absolutas de um determinado ano”. A taxa de crescimento é mais elevada onde as empresas privadas e estrangeiras desempenham um papel decisivo. Os dados mostram que “as províncias cujas economias são mais ‘privatizadas’ são propensas a crescer mais rápido. São os setores não estatais, e não o setor estatal, que impulsionam o alto crescimento.”

O processo de reforma na China nas últimas décadas nunca foi uniforme, nunca foi apenas em uma direção. Houve fases em que as forças de mercado rapidamente ganharam espaço, mas também houve fases em que o papel do Estado aumentou novamente. Mesmo que, a longo prazo, a tendência avassaladora tenha sido “Estado-fora-e-privado-dentro” (guo tui min jin), também sempre houve períodos e regiões onde o oposto, ou seja, “Estado-dentro-e -privado-fora” (guo jin min tui) tem acontecido. Zhang examinou as diferentes taxas de crescimento nas regiões “Estado-fora-e-privado-dentro” e comparou-as com as regiões “Estado-dentro-e -privado-fora”. Mais uma vez, o resultado é claro: o PIB cresceu significativamente mais rápido nas regiões “Estado-fora-e-privado-dentro”. Isso, de acordo com Zhang, prova “que o crescimento rápido da China nas últimas quatro décadas foi impulsionado pelo poder do mercado e dos setores não-estatais, ao invés do poder do governo e do setor estatal, como afirmado pelos teóricos do modelo da China.”

O ritmo da inovação é crucial para o desenvolvimento da economia chinesa. Uma análise da intensidade de pesquisa e desenvolvimento na indústria, patentes atribuídas per capita e porcentagem das vendas de novos produtos na receita industrial total, claramente confirma que todas essas peças-chave para a inovação estão estatisticamente correlacionadas positivamente com o grau de mercantilização.

Eu conheci Weiying Zhang em Pequim, e em uma conversa ele enfatizou que, em sua opinião, o mal-entendido sobre as razões do crescimento da China é um grande perigo. Isso é verdade não apenas para a China, mas também para o Ocidente. Se as pessoas no Ocidente estão sob a concepção errada de que a base do sucesso da China é uma “terceira via” exclusivamente chinesa entre o capitalismo e o socialismo ou “capitalismo de Estado”, isso levará os legisladores e economistas no Ocidente a tirar conclusões completamente erradas. Os defensores de um governo grande na Europa e nos Estados Unidos querem nos persuadir de que o sucesso econômico da China confirma o quão crucial é um Estado forte para o crescimento econômico. As análises de Weiying Zhang provam que exatamente o oposto é verdade.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 26 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.