Não há ameaça maior à democracia brasileira que a volta do PT

Convenhamos em que a maioria dos brasileiros despreza ou não se importa com política. Compreender política não é algo que se manifesta como que por mágica no período de poucos meses que antecede as eleições; é um exercício permanente e diuturno, requerendo o dispêndio de tempo precioso que poderia muito bem ser aplicado em qualquer outra tarefa mais recompensadora e menos frustrante. Portanto, salvo em tempos de eleição, em que discussões que poderiam ser produtivas materializam-se em verdadeiros campos de batalha, o brasileiro pouco se importa ou se informa sobre política, ao menos substancialmente, de modo a que se torna quase impossível transcender o campo da torcida organizada para o campo da análise realista.

Nesse contexto, o que se vê normalmente é uma incompreensão generalizada de termos e instrumentos que deveriam funcionar como veículos que possibilitem uma discussão civilizada. Para que se compreenda por que o petismo é a maior ameaça atual à democracia brasileira, é necessário primeiramente estabelecer alguns critérios de reconhecimento, de modo que ao se referir ao termo, ele remeta a um sentido real, correspondente a algo traduzível em termos fáticos e concretos, para os quais se pode apresentar uma experiência não só real como logicamente coerente. Então o que é democracia?

Democracia não é apenas “poder do povo”, nem tampouco o exercício do voto. O voto é corolário do sistema democrático, a manifestação física do sufrágio, mas não sua substância. Democracia pressupõe contraditório, instituições sólidas, uma imprensa livre e independente, mecanismos de controle do poder e responsabilização individual. É necessária a possibilidade de participação popular, igualdade política, transparência e principalmente respeito às regras do jogo. Um sistema democrático é essencialmente conflituoso e se sustenta a partir de uma tensão organizada entre as várias forças políticas que buscam o poder; forma-se como um processo resultante do confronto constante entre ideais, pessoas e instituições. Todavia, não basta que esse sistema seja democrático apenas dentro de uma concepção formal; é necessária uma concepção substancial que se manifeste não apenas em palavras, mas em ações.

O petismo é essencialmente contrário a TODOS os requisitos para se caracterizar como um partido democrático. Seu repúdio pela democracia é uma questão de longa data, um verdadeiro enlace apaixonado com tendências totalitárias.

Antes de prosseguir, é importante ressaltar que o petismo é o mestre no uso da novilíngua, onde as palavras deixam de ter um sentido substancial e passam a ser utilizados como meros fetichismos verbais para manifestar o estado sentimental interno daquele que as profere, ou a narrativa oficial criada pelo partido. Democracia para o petismo é apenas um fetiche, uma palavra sem significado real que pode ser utilizada para significar exatamente seu oposto. É por isso que Lula consegue dizer que na Venezuela há excesso de democracia. Exatamente o mesmo ocorre com o uso corrente da palavra “fascista” em discussões: não há nenhum significado ou correspondência real em seu uso, apenas expressa-se um estado emocional interno de discordância sem que se ataque o verdadeiro problema.

Leia também:  Estão transformando “ministro do STF” em xingamento

O Partido é o principal responsável pela verdadeira guerra do “nós contra eles” que se instalou no Brasil. Com sua retórica marxista de luta de classes, o petismo sempre se utilizou de um discurso bélico e conflituoso para colocar ricos contra pobres, negros contra brancos, homos contra héteros e assim por diante. O discurso antidemocrático e bélico é realizado mediante a demonização completa do adversário; se você algum dia já criticou o partido, ou o Deus vivo de nove dedos, certamente já foi chamado de “fascista”, embora a grande maioria dos que usam este termo sequer compreenda seu significado. O partido praticou e pratica o constante assassinato de reputações daqueles que lhe fazem oposição; a título de exemplo, quem não se lembra da campanha sórdida feita contra Marina Silva na última eleição? Ou a destruição da reputação de uma analista do Santander que apenas fez a obviedade de avisar a seus clientes que um segundo governo Dilma Rousseff seria desastroso em termos econômicos? Mas a característica principal do petismo organizado é sua absolutamente deplorável soberba moral, por meio da qual se arroga o monopólio das virtudes. É a demonização completa do outro, do contraditório e da divergência, é a constante ameaça do “exército de Stédile” e outras bravatas violentas.

O petismo prega e pratica o desrespeito completo às regras do jogo. Após as revelações de centenas de escândalos de corrupção em seus governos, em todos os níveis federativos, o petismo não se reorganizou, ou buscou sanear seus quadros responsabilizando os culpados. Muito pelo contrário, o partido embarcou na narrativa de guerrilha de que todas as instituições estavam contra ele, de que eram perseguidos políticos, de que “as elites”, “a mídia” os “brancos de olhos azuis que não gostam que pobre ande de avião” ou qualquer outra categoria abstrata não identificável estaria atacando o “governo dos pobres”. Não se trata apenas da incapacidade de assumir a responsabilidade pelos atos praticados, mas sua completa e absoluta inversão. Criminosos condenados passaram a ser tratados como heróis numa inversão perfeitamente orwelliana. Não se pode esquecer jamais que o verdadeiro candidato do petismo a presidente da república, o dono do fantoche, reside neste momento em uma cela na cidade de Curitiba; é a bandidolatria em toda sua devassidão.

Leia também:  Por que Bolsonaro precisa encerrar o programa de reforma agrária?

Não se engane: a corrupção do petismo é completamente diferente da dos outros partidos, não apenas em grau, mas em natureza. Enquanto o patrimonialismo, os desvios e a confusão generalizada entre o público e privado é quase uma tradição na política brasileira, o petismo elevou a corrupção ao estado da arte, aparelhando toda a máquina pública e literalmente loteando todas as estatais para angariar apoio; mas a diferença substancial entre este modus operandi e as práticas de outros partidos reside no fato de que o esforço do petismo era realizado com o objetivo concreto da perpetuação no poder. Os desvios não serviam apenas para enriquecer o partido, mas para subverter as instituições, contaminar o processo eleitoral com abuso de poder econômico e político, financiar o apoio da classe artística e intelectual, manter blogs e revistas sujos para insuflar a narrativa petista e aprovar mediante a compra de parlamentares qualquer sandice que privilegiasse o poder do partido. O conteúdo da delação de Antonio Palocci revelado esta semana, na qual constam o gasto de 1,4 nilhão nas campanhas de Dilma Rousseff e a compra de votos em mais de 900 medidas provisórias, deixa tal quadro cristalino.

Não satisfeito apenas com a subordinação financeira e a corrupção generalizada do Congresso, o Petismo chegou a ter o assanhamento de propor “a democratização do Congresso” mediante a criação de conselhos populares (verdadeiros sovietes) que funcionariam como intermediários entre o congresso e o povo. Claro que neste caso “povo” quer dizer exatamente o contrário daquilo que diz, e os conselhos seriam organismos selecionados a dedo para propor e vetar exatamente aquilo que o grande líder desejasse.

Não apenas para a idolatria a criminosos e subversão das instituições servem os faraônicos saques do petismo. O dinheiro do BNDES foi fartamente utilizado para o financiamento de regimes genocidas e totalitários como os de Cuba, Venezuela, Nicarágua, Angola e Guiné Equatorial. Isso sem falar no patrocínio a instituições, partidos e indivíduos pouco afeitos à democracia que participam ou participaram do Foro de São Paulo, tais como as Farc e o MIR chileno. O apoio explícito do Petismo à ditadura genocida de Nicolás Maduro perdura mesmo em período eleitoral, à luz do dia, para todos verem. Qualquer um que conhecendo destes apoios votar no petismo escolhe compactuar e sujar suas mãos com o sangue do povo venezuelano.

Desde pelo menos a convenção do partido em 2015, intitulada “um partido para tempos de guerra”, e após o Impeachment de Dilma Rousseff, o PT largou as máscaras de lado e passou a defender abertamente a censura da imprensa livre (o que aliás, consta no plano de governo de Fernando Haddad sob a alcunha de “democratização da mídia”), bem como o controle do judiciário e a cassação dos poderes do Ministério Público. Apenas tais fatores seriam suficientes para demonstrar que não há NENHUM compromisso com a democracia por parte do partido.

Leia também:  Medida Provisória nº881/2019 e mobilidade urbana: como a liberdade econômica pode pôr fim aos congestionamentos das cidades

Do ponto de vista da transparência e da responsabilidade fiscal, o PT foi contrário a todas as medidas econômicas capazes de colocar alguma sanidade fiscal e tributária nas contas nacionais, votou em bloco contra a lei de responsabilidade fiscal, contra o Plano Real e contra a PEC do teto de gastos. Em praticamente 14 anos de poder, foi incapaz de realizar uma reforma tributária, destruiu a economia, estuprou o orçamento e agigantou a dívida externa. Os 13 milhões de desempregados são filhos da nova matriz econômica de Dilma Roussef. No entanto, a incapacidade da esquerda de aprender com seus erros históricos é inexorável. Fernando Haddad não só promete repetir em doses cavalares o “Dilmanomics”, mas jura que realizará tudo aquilo que o partido não conseguiu em 14 anos de poder quase absoluto.

Portanto, o lulopetismo é claramente um movimento antidemocrático, incapaz de realizar qualquer mea culpa por seus atos. Enquanto estiveram no poder, a corrupção proliferou a níveis inimagináveis, a criminalidade disparou, as instituições e as regras do jogo foram vilipendiadas, a economia destruída e o país rachado. Agora mais uma vez os partido estende suas garras malignas em busca do Poder, prometendo dobrar a dose do veneno que está matando nosso país. Esta sim é a maior ameaça à democracia. O petismo é a antidemocracia e nada que se apresente no cenário atual lhe pode ser comparável.

Sobre o autor: João Paulo Seixas Pereira é Advogado, formado pela Universidade Católica de Petrópolis em graduação sanduíche com Universidade do Porto-PT. Pós graduando pela escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Interessado em Direito, Economia, Política, História, Literatura e Mitologia.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!