Liberdade Econômica no Mundo Árabe

Será no Cairo, de 31 de outubro a 3 de novembro, a 5ª Conferência sobre a Liberdade Econômica em Países Árabes organizada pela Fundação Friedrich Naumann e pelo Fraser Institute, do Canadá. Terá o apoio da Associação de Jovens Empresários Egípcios, fundada em 1999 e contando hoje com uma rede de 600 associados entre 25 […]

Cairo vista da TorreSerá no Cairo, de 31 de outubro a 3 de novembro, a 5ª Conferência sobre a Liberdade Econômica em Países Árabes organizada pela Fundação Friedrich Naumann e pelo Fraser Institute, do Canadá. Terá o apoio da Associação de Jovens Empresários Egípcios, fundada em 1999 e contando hoje com uma rede de 600 associados entre 25 e 45 anos que oferecem, no total, mais de 290 mil oportunidades de emprego.

Na Conferência será apresentado o Relatório de 2010 sobre Liberdade Econômica no Mundo Árabe, uma publicação conjunta da International Research Foundation(IRF), de Oman, e do Fraser Institute, sob o patrocínio da Fundação F. Naumann.

O índice árabe é muito próximo do índice do Fraser, publicado desde 1996. Ambos medem em que grau as políticas e instituições dos diversos países apóiam a liberdade econômica.

A liberdade econômica pode ser medida pela liberdade de escolha pessoal, intercâmbio voluntário, liberdade para competir, e a segurança da propriedade privada. São usados 39 itens para medir o grau de liberdade econômica em cinco áreas: (1) tamanho do governo; (2) legislação comercial e econômica e segurança dos direitos de propriedade; (3) acesso a uma moeda forte; (4) liberdade para o comércio internacional; e (5) legislação sobre crédito, trabalhista e comercial.

Leia também:  Como identificar os 4 tipos de liberais nas eleições de 2018

Como ressaltam os organizadores do encontro, as evidências empíricas indicam que a liberdade econômica é a chave para a prosperidade e para o crescimento econômico. As nações que tiveram sucesso na elevação do nível de liberdade econômica estão experimentando o que parece ser um aumento miraculoso no nível de renda, o que, por sua vez, produz uma cascata de melhorias no padrão de vida.

A liberdade econômica é também condição necessária para o desenvolvimento da democracia. Liberta as pessoas da dependência do governo e cria condições para que façam suas próprias escolhas econômicas e políticas.

Leia também:  A impressão nas urnas e a ilusão brasileira da “normalidade”

Hoje, mais do que nunca, o Oriente Médio e a África do Norte precisam de políticas que conduzam à prosperidade econômica e à criação de empregos.

Os índices permitem aos países perceberem como suas políticas públicas diferem das dos países mais prósperos. Os países podem ver por que estão em determinada colocação em relação a outros e como melhorar seu desempenho.

O tema da conferência do Cairo vai ser: ‘O Roteiro para a Liberdade Econômica e as Reformas Econômicas’. O que vai ser dito:

  • O crescimento econômico aumenta com a liberdade econômica, a pobreza diminui; aumenta a expectativa de vida, o índice de alfabetização cresce, melhora a qualidade do meio ambiente.
  • As razões: a liberdade econômica promove a prosperidade porque as pessoas cuidam de si mesmas e de suas famílias melhor que qualquer planejamento de governo. O aumento da prosperidade cria os meios para melhores resultados na área social. Ao mesmo tempo, ao se liberarem do controle do governo, as pessoas ficam livres para se preocuparem com assuntos de seu próprio interesse, o que é importante para elas e suas famílias, obtendo uma melhoria na qualidade de vida.
  • Serão debatidos os conceitos para uma reforma econômica na região e em outros países e quais os efeitos de sua adoção na liberdade econômica e desenvolvimento nos países que já passaram por tais reformas.
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Economia brasileira: não dá para comer o bolo e tê-lo