Impostos altos e baixa produtividade na Europa*

Topógrafo, EUA

Topógrafo nos EUA

Em 2004, ano em que ganhou o Prêmio Nobel, Edward Prescott, economista do Banco Central de Minneapolis, EUA, publicou estudo com o título “Por que os americanos trabalham muito mais que os europeus?” Os dados eram de estarrecer, na opinião de James K. Glassman, ex subsecretário de Estado para diplomacia e assuntos públicos, atual diretor executivo do Instituto George W. Bush em Dallas, no Texas.

Prescott descobriu que a produção média por adulto entre 1993 e 1996 era, nos Estados Unidos, 75 por cento maior que na Itália, 49 por cento maior que no Reino Unido e 35 por cento maior que na França e na Alemanha. “A maior parte das diferenças em produção”, relatou, “se deviam a diferenças em horas trabalhadas por pessoa e não por diferenças em produtividade.”

Leia também:  Cinco razões pelas quais os juros são tão altos no Brasil

Em outras palavras, os americanos não são mais eficientes no trabalho do que os alemães; apenas trabalham muito mais. Não apenas trabalham mais horas por semana e tiram menos férias; os americanos também trabalham mais anos, e há uma proporção maior de adultos  trabalhando nos EUA: 

  • Em 2007, por exemplo, os homens americanos se aposentaram, em média, com a idade de 64,6 anos, enquanto os franceses se aposentaram com 58,7 e os austríacos com 58,9.
  • No mesmo ano, 72 por cento dos americanos, entre 15 e 65 anos, integravam o contingente de trabalhadores, enquanto a participação dos italianos era de 59 por cento e a dos franceses, de 64 por cento.

O resultado é que os americanos produzem e ganham consideravelmente mais que os europeus:

  • Nos Estados Unidos, o ganho médio é de US$47 mil, enquanto na Alemanha e na Inglaterra é de US$36 mil e na França, de US$34 mil.
  • Na realidade, como afirma o economista do estado de Michigan, Mark Perry, em seu blog Carpe Diem, os cidadãos do estado mais pobre dos EUA, Mississipi, têm um PIB per capita maior do que os italianos, e os do Alabama superam os alemães, franceses e belgas.
Leia também:  O atentado contra Bolsonaro: uma consequência do “ódio do bem”

Prescott aponta o culpado: os altos impostos. A tributação para cada novo euro ganho tornou-se tão alta que desestimulou as pessoas de trabalharem – especialmente com as tentações da aposentadoria precoce.

Mas por que os impostos são tão altos na Europa? Com certeza não é para manter uma poderosa Defesa, mas para despejar dinheiro num sistema previdenciário que proporciona um generoso apoio financeiro aos aposentados, aos eternos estudantes e a outros que não estão trabalhando. Em outras palavras, os europeus optaram pelo apoio financeiro dos trabalhadores aos não trabalhadores, em seu lazer, segundo Glassman.

Leia também:  Como conversar com Marcia Tiburi?

*Síntese do NCPA para o artigo de James K. Glassman: “Higher Taxes Responsible For Europe’s Lower Productivity”, Commentary Magazine, July/August 2010

Texto na íntegra [em inglês]:

 http://www.commentarymagazine.com/viewarticle.cfm/notes-on-europe-s-economic-decadence-15465

Tradução: LIGIA FILGUEIRAS

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!