fbpx

Heróis improváveis da Primavera Árabe

filme_Herois_improvaveis_unlikely_heroesO que estava por trás das revoluções que abalaram o Oriente Médio e o Norte da África? Essa é a pergunta feita pelo ILD – Instituto para a Liberdade e Democracia, parceiro da Rede Atlas no Peru. Liderada pelo aclamado economista Hernando de Soto, a organização pesquisou questões relacionadas com os direitos de propriedade, as economias informais e a inclusão social. A pesquisa descobriu os fatores mais importantes que estavam na origem da Primavera Árabe incluindo a demanda generalizada por uma reforma econômica e institucional na região, onde mais de 90 por cento da população vive e trabalha fora do Estado de direito.
 
Em colaboração com outro parceiro da Rede Atlas, a Free to Choose Network, o ILD ajudou a criar um documentário que conta algumas das histórias humanas inspiradoras da Primavera Árabe. __ Atlas Foundation

 

FREE TO CHOOSE NETWORK

Apresentado pelo premiado autor e ativista de direitos de propriedade Hernando de Soto, este especial para a televisão apresenta, pela primeira vez, os principais acontecimentos humanos e econômicos que levaram às revoltas árabes no Oriente Médio e Norte da África.

O programa mostra que “A Primavera Árabe” foi menos um acontecimento político do que a chegada da revolução industrial numa região onde mais de 90% da população vive e trabalha fora do Estado de direito.

De Soto nos mostra que esta economia informal é, no entanto, o único fio condutor comum que pode contribuir para o crescimento e estabilidade da região.

Em meio às imagens provocativas das revoltas no Mundo Árabe de 2010 e 2011, De Soto apresenta as pessoas e os acontecimentos que sacudiram recentemente aquela região, detonados pela autoimolação de um pobre vendedor de rua, de 26 anos: Tarek Bouazizi. Não foram os 225 dólares que perdeu com sua barraca de frutas, quantia expropriada pela polícia, que transformaram o jovem Bouazizi em um mártir e símbolo da revolução – foi sua semelhança com os 180 milhões de empresários árabes informais, muitos deles com menos de 30 anos e informatizados. Mais de 100 deles seguiram Bouazizi em atos de autoimolação.

A história do empreendedorismo no mundo árabe ganha destaque em sequências de imagens em Marrocos, e o programa revela como a atividade comercial está prosperando com a cultura árabe em Istambul, centro de comércio internacional.

Viajando através da região, De Soto resume: “Em todo o Oriente Médio, a história é a mesma. À medida que a revolução industrial chega ao Oriente Médio, o verdadeiro caminho para a estabilidade está no único denominador comum da região: o mercado informal.

O consenso árabe que está por vir é mais do que a emancipação do espírito empreendedor: é sobre como resolver as deficiências institucionais que tornam a maioria dos árabes desesperadamente pobres”.  

 

http://vimeo.com/76961903 

 

FONTE: ATLAS FOUNDATION

TRADUÇÃO / EDIÇÃO: LIGIA FILGUEIRAS

Ligia Filgueiras

Ligia Filgueiras

Jornalista, Bacharel em Publicidade e Propaganda (UFRJ). Colaboradora do IL desde 1991, atuando em fundraising, marketing, edição de newsletters, do primeiro site e primeiros blogs do IL. Tradutora do IL.