Futebol de graça no celular? Não se “alguém” puder evitar!

Relato dos fatos: tanto Coritiba quanto Atlético-PR não venderam o direito de transmissão de seus jogos no campeonato estadual de 2017 para a rede Globo (sucursal RPC), por discordância de valores; houve uma tentativa de negociação para televisionamento do clássico Atletiba deste domingo, 19/02, mas as tratativas foram frustradas novamente pela disparidade entre o pagamento […]

Relato dos fatos: tanto Coritiba quanto Atlético-PR não venderam o direito de transmissão de seus jogos no campeonato estadual de 2017 para a rede Globo (sucursal RPC), por discordância de valores; houve uma tentativa de negociação para televisionamento do clássico Atletiba deste domingo, 19/02, mas as tratativas foram frustradas novamente pela disparidade entre o pagamento pretendido pelos clubes e o oferecido pela emissora; Coxa e Furacão, então, resolveram transmitir o jogo a partir de seus canais no Youtube, sem custo para os torcedores, contratando, para tal, uma equipe jornalística para a narração e reportagens. Faltando poucos minutos para início da partida, havia quase 50.000 pessoas assistindo (de graça) e mais de 8.000 likes no link.

Até aqui, parecia que as leis naturais do mercado estavam fazendo os agentes econômicos envolvidos desempenharem seus papéis: oferecerem bens aos consumidores a preços minorados e com qualidade crescente – ou algum torcedor do Paraná terá ficado chateado em poder ver o jogo sem pagar? A medida adotada segue na linha da Copa do Rei  (Espanha) e do campeonato mexicano  (quando transmitido para os EUA), cujas partidas são visualizadas pelo Facebook. Os times de Curitiba ainda sairiam ganhando com a audiência online, com o aumento do número de seguidores de suas mídias sociais, com o incremento de vendas de produtos decorrente da valorização das marcas, e por aí vai. Dar amostras grátis nunca é má ideia para atrair clientela.

Mas estava liberal demais para ser verdade – no Brasil. A iniciativa dos clubes já havia sido anunciada com mais de uma semana de antecedência. Até então, muito embora se tratasse de algo inovador, a Federação Paranaense de Futebol (FPF) confirmou o jogo normalmente, muitos ingressos foram vendidos, as equipes entraram em campo no horário programado, o hino nacional foi entoado…e daí o árbitro da partida recebeu uma comunicação da FPF determinando que o apito inicial não fosse proferido enquanto as câmeras que transmitiam o evento não fossem desligadas! O motivo: os profissionais de imprensa contratados não estariam devidamente cadastrados. Vai gostar assim de formulários, regulação e burocracia lá em Brasília.

Leia também:  As consequências da perda do espírito natalino

Segue-se, então, muita discussão, dedo na cara, “eu só cumpro ordens” pra cá, “isto é uma vergonha” pra lá, e após 40 minutos, o jogo é cancelado, com os jogadores dos dois times juntos no centro do gramado pedindo desculpas aos presentes e recebendo total apoio destes em retorno.

A forma como se deu a arbitrária intromissão da entidade que administra o futebol no estado foi deveras inescrupulosa, pois sabedora de que estava tomando uma atitude ilegal – o regulamento do certame especifica, em rol exaustivo, em que situações um jogo pode ser suspenso, e nada há lá sobre direitos de transmissão -, deixou para intervir apenas instantes antes do pontapé inicial, e encobrindo suas reais intenções sob o manto de uma alegada  estapafúrdia irregularidade .

Malandro é malandro mesmo: apenas algumas horas seriam suficientes para que o departamento jurídico das agremiações obtivesse uma liminar na Justiça determinando a realização do jogo. Conversei com um juiz, aliás, e ele assegurou-me que seria causa ganha. Da maneira como procedeu, a FPF impediu o acesso ao Judiciário, demonstrando clara má-fé em seu agir.

Fizeram muito bem os clubes em não arredar pé, recusando-se a cancelar o broadcast pela Internet. Poderiam ter ido mais longe: assim que o trio de arbitragem se retirou, seria legítimo, amparado nas regras do esporte e em comum acordo entre as partes, nomear uma pessoa neutra ao evento para apitar o jogo – tal previsão legal existe para o caso dos juízes principal e reserva se lesionarem.

Mas tanto melhor: a compensação por todo o prejuízo sofrido por Coritiba, Atlético-PR, torcedores e demais atingidos deverá ser pleiteada e obtida judicialmente, até para que absurdos como este não se repitam. O respeito aos contratos firmados e às regras acordadas é fundamento essencial para que empreendedores invistam com razoável segurança, e este foi um péssimo sinal para aqueles que geram valor e empregos – mas nada que não possa ser sanado com uma gorda indenização.

Leia também:  Ministério Público e Decolar.com: priorizar não é discriminar

Este imbróglio rememorou-me de um artigo publicado pelo Instituto Liberal na semana passada, no qual o autor, Luiz Maud, revela sentir “vergonha alheia” de empresários que pedem proteção ao Estado contra a concorrência. Aparentemente, todavia, não é só junto ao governo que se pode requerer uma reserva de mercado: a FPF parece estar aceitando solicitações do gênero também. Pode ser que não tenha havido pre$$ão do atual monopolista do pay-per-view, mas os contornos dolosos que revestem o episódio tornam difícil acreditar que não houve conluio nos bastidores.

Menos mal que a referida federação, ao contrário, por exemplo, de sindicatos e entidades de classe, precisa da aprovação de seus afiliados para continuar existindo. Não há o que impeça, pois, que outra federação seja criada e que todos os clubes para ela migrem, fadando a primeira ao ostracismo e a extinção. É claro que como os clubes no Brasil não são empresas  (não estando, portanto, sujeitos à Lei de Falências nem expostos diretamente aos mecanismos de estímulo do livre mercado – lucro e prejuízo para seus administradores e acionistas), é possível que o pioneirismo dos clubes de Curitiba não reverbere país afora como deveria. É bem mais cômodo seguir falando mal de CBF e afins sem mover uma palha para desalojá-las do poder.

Leia também:  A proposta semipresidencialista de Roberto Campos

Seria de bom tom, pois, que federações e governantes parassem de querer aparecer mais do que a bola e os empresários, e se recolhessem a suas funções estritamente delimitadas por aqueles que apenas os toleram como males necessários. Os holofotes não devem iluminar ilustres desconhecidos engravatados, e sim as estrelas maiores desses campos: atletas e empreendedores. Do contrário, quem paga a conta da luz pode perfeitamente desligar o interruptor.

O peitaço da dupla Atletiba contra a FPF é fato sem precedentes em nossa história, digno de elogios e de ser copiado, não apenas dentro das quatro linhas, mas especialmente na política. Espero que Coxa e Furacão não recuem, pois sua briga, agora, a todos interessa.

Da próxima vez que você for explicar para alguém o que é o Globalismo – perda das soberanias nacionais, entidades supranacionais decidindo em nome de representantes eleitos, intromissão de terceiros em relações comerciais bilaterais -, use o ocorrido na Arena da Baixada como exemplo: uma relação voluntária entre clubes, empresas de comunicação e torcedores estava desenrolando-se sadiamente, até que burocratas “sem rosto”, falando, supostamente, em nome dos afiliados, interfere diretamente na negociação, causando danos a todos (menos a si própria e a quem detém atualmente a prerrogativa de transmitir este esporte no estado). George Soros ficaria orgulhoso – e preocupado também, diante do Brexitdos times paranaenses.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Ricardo Bordin no Patreon!