Exemplo de civilidade e educação

“I heartily accept the motto, ‘That government is best which governs least’; and I should like to see it acted up to more rapidly and systematically. Carried out, it finally amounts to this, which also I believe — ‘That government is best which governs not at all’; and when men are prepared for it, that […]

I heartily accept the motto, ‘That government is best which governs least’; and I should like to see it acted up to more rapidly and systematically. Carried out, it finally amounts to this, which also I believe — ‘That government is best which governs not at all’; and when men are prepared for it, that will be the kind of government which the will have.” (Henry David Thoreau) 

Como Thoureau, acredito que um eventual modelo de organização social sem governo, se um dia vingar, só poderá florescer a partir de sociedades moral, econômica e civicamente muito avançadas.   Atualmente, o povo que talvez mais se aproxime disso é o japonês.  Depois de demonstrar altíssimo grau de civilidade, respeito pelo outro e educação durante a tragédia de 2011, os japoneses vieram agora ao Brasil para que possamos testemunhar um pouquinho do caráter desse grande povo.

A derrota para a Costa do Marfim, por 2 a 1, na estreia da Copa do Mundo, neste último sábado, não deixou os torcedores japoneses contentes. Apesar disso, a torcida nipônica deu um show de educação e civilidade após o apito final na Arena Pernambuco, no Recife: alguns ajudaram a coletar e ensacar o lixo produzido por eles durante a festa nas arquibancadas.

Torcida do Japão limpando Arena Pernambuco  (Foto: Reprodução / Facebook)
Torcida do Japão limpa a Arena Pernambuco (Foto: Reprodução / Facebook)
Torcida do Japão limpando Arena Pernambuco  (Foto: Reprodução / Facebook)
Torcida do Japão limpa a Arena Pernambuco (Foto: Reprodução / Facebook)
Torcida do Japão limpando Arena Pernambuco  (Foto: Reprodução / Facebook)
Torcida do Japão limpa a Arena Pernambuco (Foto: Reprodução / Facebook)
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  O ameaçador “junho de fogo” no STF