Crítica nem sempre é oposição, às vezes é amizade

Recentemente, o Presidente postou um vídeo onde ele reclama que as pessoas que votaram nele o estariam criticando hoje e que se continuassem assim ele cairia e o PT voltaria.

Essa manifestação diz muito sobre a visão de mundo do presidente.

Não é porque as pessoas de direita que votaram nele e que hoje estão pontual ou profundamente insatisfeitas estão reclamando que faz com que elas sejam inimigas do presidente ou queiram que seu governo vá mal.

Muito pelo contrário: 99% das pessoas que eu conheço que votaram nele e hoje se mostraram insatisfeitas gostam muito do presidente e querem que o governo dê certo.

Leia também:  Por que a maioria das feministas atuais se dizem anticapitalistas?

A mentalidade militar do presidente está se mostrando um problema nesse momento. No militarismo, o subordinado e o apoiador devem seguir fielmente às ordens superiores ou são expulsos da tropa.

A política não é assim, e a pior coisa que existe é um líder que se cerca de capachos repetidores de “Sim, Senhor” o tempo todo.

Crítica nem sempre é oposição. Às vezes é amizade.

O que pode fazer efetivamente um presidente cair não é a quantidade de críticas que ele recebe da sua base, mas sim a alienação dessa base por um líder que ignora seus avisos.

Leia também:  O bolsonarismo é antiliberal

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Bernardo Santoro

Bernardo Santoro

Mestre em Teoria e Filosofia do Direito (UERJ), Mestrando em Economia (Universidad Francisco Marroquín) e Pós-Graduado em Economia (UERJ). Professor de Economia Política das Faculdades de Direito da UERJ e da UFRJ. Advogado e Diretor-Executivo do Instituto Liberal.