Ação Humana – o PT à luz da Escola Austríaca

Gustavo Mendes * “A economia é a ciência da ação humana ao longo do tempo, nos mercados, sob condições de incerteza genuína”. Essa frase está contida no livro “Ação, Tempo e Conhecimento: A Escola Austríaca de economia” do grande mestre Ubiratan Iorio. De fato, a Escola Austríaca dedica-se a explicar através da praxeologia a forma […]

Gustavo Mendes *

mises“A economia é a ciência da ação humana ao longo do tempo, nos mercados, sob condições de incerteza genuína”. Essa frase está contida no livro “Ação, Tempo e Conhecimento: A Escola Austríaca de economia” do grande mestre Ubiratan Iorio. De fato, a Escola Austríaca dedica-se a explicar através da praxeologia a forma com a qual os indivíduos buscam aumentar sua satisfação e bem estar. Trocando as palavras “indivíduos” por “políticos” e “satisfação” por “poder” conseguimos analisar o cenário político sob a luz da Escola Austríaca com a mesma precisão que a mesma possui na economia.

Elegemos os políticos pensando sempre no seu altruísmo, na sua abnegação e dedicação aos “pobres”. Queremos seres de luz que nos guie para longe dos perigos da nossa própria liberdade. Seres que magicamente ajudarão os pobres e os flagelados de nossa sociedade distribuindo a riqueza, acabando com a fome e instaurando a paz pelos poderes emanados de suas canetas. Só esquecemos que, por mais santos que sejam, todo ser humano visa somente o aumento do seu bem estar primeiro que o bem estar de terceiros, no caso da política esse bem estar é dado através do aumento do poder do governante.

Vejamos o caso do PT, personificado nas figuras de Lula e Dilma. Suas ações políticas sempre foram pautadas na ideia da perpetuação do poder, nunca tiveram um caráter de ajudar ninguém que não fossem eles mesmos. Mas não os culpemos por isso, eles agiram conforme a racionalidade da ação humana visto que, para atingir o fim de “perpetuação no poder”, buscaram meios para tal a fim de atingir seus objetivos.

No mercado da política há incertezas como em qualquer outro. Assim, para agir de forma a mitigar as incertezas decidiram aparelhar todos os poderes. Compraram o Judiciário e o Legislativo de forma a agir em conluio com os desmandos do Executivo. Como não só de amor vive um projeto de poder, os governos petistas buscaram o apoio de empreiteiras, saquearam os fundos de pensão das estatais, de forma geral, regularizaram o setor de corrupção no Brasil. Agindo dessa forma, o PT, nas pessoas de Lula e Dilma, utilizaram da corrupção como meio para alcançar seu fim de controle total do Estado.

Todo esse aparato durou bastante tempo até chegar aos atuais cenários. Os petistas acreditavam que tinham tudo sob controle e conseguiriam manter-se no poder ad eternum. Erraram feio! Mises derrubara em 1920 a teoria de um governo socialista argumentando que era impossível coordenar todas as forças de mercado não sendo possível, então, um cálculo econômico efetivo. Ao tentar coordenar todas as forças políticas o governo petista incorre nos erros de seus ancestrais teóricos e comprova a teoria de Mises, ao ver seu sistema ruir por ser impossível saber de todas as informações. É impossível ter o controle efetivo de todos os homens e é inevitável que a verdade viesse à tona, hora ou outra.

Toda a teoria Austríaca de economia explica também a política de forma brilhante e minimizando os erros. Nenhuma escola de economia fora tão certeira ao refutar sistemas ruins, prever crises e até, como vimos, explicar o ser humano. Esta é a razão pela qual nos foi negado o conhecimento, pois ele é tão nocivo aos que pretendem controlar todos os nossos passos. O conhecimento liberta e graças aos esforços de homens e mulheres empenhados em compartilhar seus estudos a escola austríaca vem pavimentando nossa estrada rumo a fuga dos grilhões da servidão. Aos que se dizem defensores dos pobres, saibam que nada fazem senão perseguir seus próprios interesses, não o interesse dos mais pobres.

  • Gustavo Mendes é graduando em Economia pela UERJ, focado nas áreas de mercado financeiro, pensamento econômico e politica.
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Instituto Liberal no Patreon!