fbpx

Uma viagem ao passado

Arminio_Fraga_Neto_World_Economic_Forum_on_Latin_America_2009_croppedAcabei de assistir a uma entrevista concedida por Armínio Fraga à jornalista Miriam Leitão. O entrevistado impressionou tanto pela qualidade das respostas quanto pela modéstia com que as enunciava. Tanto a entrevistadora quanto o entrevistado evidenciaram suas mais marcantes características. Ela, a acuidade das perguntas; ele, a clareza e a objetividade marcadas nas respostas pelo domínio da síntese.

Não tenho o prazer de conhecer pessoalmente Armínio, por um acaso da vida. Fui paciente de seu pai, o médico Sílvio Fraga, falecido precocemente. Trabalhava, então, com o banqueiro Walter Moreira Salles.

Sílvio Fraga via grande afinidade entre o que eu pensava do Estado, do governo e de suas funções com o que pensava o então muito jovem economista Armínio.

Na entrevista a que me refiro neste pequeno artigo, Armínio deu um show de coerência e modéstia, a partir da existência de análise dos custos de um governo paquidérmico e de como isto obstaculiza o desenvolvimento do País. Paquidérmico, sim, porque, além de oscilar entre um personalismo absurdo, contrasta os resultados da gestão atual com a de um governo pelo menos mais econômico. Carente de privatizações e racionalizações, a Presidente não consegue enxergar um palmo adiante de seu nariz.

Mas gostei, especialmente, da entrevista do Armínio pela simplicidade e lógica do raciocínio. Ele não é o tipo de pessoa que um país como o Brasil possa deixar de incluir em seus quadros diretivos.

Se eu pudesse voltar no tempo, diria ao meu médico à época que Armínio é tudo o que ele pensava e muito mais.  [divide] 

Veja, a seguir:

Miriam Leitão: Armínio Fraga analisa a conjuntura econômica em meio à crise política

Veja também:

Ex-presidentes do BC defendem caminho liberal para salvar o País

 

fonte da imagem: Wikipédia;

links acrescidos pela Editoria

 

Um comentário em “Uma viagem ao passado

  • Avatar
    15/12/2015 em 10:47 am
    Permalink

    E pensar que poderíamos ter esse cara de Ministro da Fazenda!

Fechado para comentários.