Sobre polarização e consensos

Quando um grupo diz que não quer o consenso e sim a polarização, esquece que naquele grupo já há um consenso estabelecido entre os seus membros.

O problema não está propriamente no consenso, mas na forma como se chegou a ele.

Quando um grupo cede nas suas convicções e abre mão de princípios e valores que entende moralmente válidos e corretos, exatamente aqueles que fizeram com que os integrantes daquele grupo chegassem a um consenso entre si e criasse a polarização com os integrantes do grupo discordante, não está buscando o consenso, mas a rendição pelo comprometimento da própria integridade.

O verdadeiro consenso não deveria ser forjado apenas pela aproximação dos polos antagônicos e distantes entre si pelas divergências inconciliáveis.

Leia também:  José Dirceu ameaça o Brasil

O que deveria determinar o consenso é a aproximação de ambos da realidade objetiva corroborada pela lógica.

Não adianta os polos coincidirem entre si se eles não coincidem com a realidade. Estará se criando uma unanimidade burra, como já dizia Nelson Rodrigues.

Apenas quando os polos coincidirem com a realidade, o consenso entre grupos até então polarizados deveria se estabelecer.

E como seria possível convergir para o consenso sem que se abra um diálogo?

Apenas exercitando a liberdade de expressão se pode guiar as mentes em direção à verdade, abstrações obtidas da realidade confirmadas pela lógica.

Leia também:  O México quer tomar o lugar do Brasil no esquema vermelho
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!