Série Heróis da Liberdade: Murray Newton Rothbard

Nosso homenageado de hoje na série “Heróis da liberdade” é Murray Newton Rothbard ( 02 março de 1926 – 7 de janeiro de 1995). Economista da escola austríaca, historiador e teórico político, cujos escritos e influência pessoal desempenharam um papel importante no desenvolvimento do moderno libertarianismo americano. Rothbard foi o fundador e líder teórico do anarco-capitalismo, um firme defensor do revisionismo histórico e uma figura central no movimento libertário americano do século XX.

“Ninguém pode ameaçar ou cometer violência (“agressão”) contra a pessoa ou a propriedade de outro homem. A violência só pode ser empregada contra o homem que comete tal violência; isto é, apenas defensivamente contra a violência agressiva de outro. Em suma, nenhuma violência pode ser empregada contra um não agressor. Aqui está a regra fundamental a partir da qual se pode deduzir todo o corpo da teoria libertária.”

“O estado geralmente é um dispositivo para produzir riqueza para alguns em detrimento de muitos.”

“O Estado é, e sempre foi, o grande inimigo da raça humana, da liberdade, da felicidade e do progresso.”

“É fácil ser conspícuo, “compassivo”, se outros forem forçados a pagar o custo.”

“As leis de salário mínimo tragicamente geram desemprego, especialmente entre os trabalhadores mais pobres e menos qualificados ou educados … Porque um salário mínimo, é claro, não garante o emprego de um trabalhador; Só proíbe, por força da lei, que alguém seja contratado pelo salário que o empregador estaria disposto a pagá-lo.”

“A igualdade não está na ordem natural das coisas, e a cruzada para tornar todos iguais em todos os aspectos (exceto perante a lei) certamente terá conseqüências desastrosas.”

“Não vejo outra estratégia concebível para a conquista da liberdade que não a ação política. A conversão filosófica de cada homem e mulher simplesmente não vai funcionar; essa estratégia ignora o problema do poder, o fato de que milhões de pessoas têm interesse no estatismo e não serão susceptíveis de desistir … Educação na liberdade é, naturalmente, vital, mas não é suficiente …”

Leia também:  Recessão Brasileira (2014-2016): Uma Análise por Meio do Método do Controle Sintético do PIB, PIB per capita, Taxa de Investimento e Taxa de Desemprego

“Raspe um igualitário e você inevitavelmente encontrará um estatista.”

“A Teoria Geral (keynesiana) não é verdadeiramente revolucionária, mas é formada apenas de antigas e muitas vezes refutadas falácias mercantilistas e inflacionistas, vestidas com roupas brilhantes e repletas de novos e incompreensíveis jargões.”

“O capitalismo de livre mercado é uma rede de intercâmbios livres e voluntários em que os produtores trabalham, produzem e trocam seus produtos pelos produtos de outros através de preços voluntariamente ajustados.”

“No mercado livre, todos ganham de acordo com seu valor produtivo em satisfazer os desejos dos consumidores. Sob a distribuição estatista, todos ganham em proporção ao montante que podem saquear dos produtores.”

“Somente o Estado obtém suas receitas legalmente por meio da coação.”

“As escolas públicas são centros caros e maciços de lavagem cerebral, cultural e ideológica, na qual, infelizmente, são muito mais eficazes do que no ensino das quatro operações… Qualquer plano para desmantelar a monstruosidade da escola pública encontrará oposição efetiva dos sindicatos de professores e educadores. É necessária uma mudança verdadeiramente radical em direção à educação privada, não regulamentada, religiosa e secular, bem como para a escolaridade em casa pelos pais.”

“Não pode haver uma escolha verdadeiramente moral, a menos que essa escolha seja feita em liberdade; Da mesma forma, não pode haver uma defesa de liberdade verdadeiramente fundamentada e consistente, a menos que essa defesa esteja enraizada no princípio moral.”

“Eu vejo a liberdade do indivíduo não só como um grande valor moral em si mesmo …, mas também como a condição necessária para o florescimento de todos os outros valores que a humanidade aprecia: virtude moral, civilização, artes e ciências, prosperidade econômica.”

“O que o governo pode fazer para ajudar os pobres? A única resposta é a resposta libertária: saia do caminho.”

“Colocar o Estado encarregado dos princípios morais é equivalente a colocar a raposa a cargo do galinheiro.”

Leia também:  Por que a saída do Brasil do Pacto de Migração da ONU é um erro

“O que os intelectuais e formadores de opinião obtêm do governo grande? Um número cada vez maior de empregos acolhedores na burocracia ou em setores subsidiados pelo governo… Para dizer sem rodeios, intelectuais, teóricos, especialistas, elites de mídia, etc. conseguem viver uma vida que não conseguiram alcançar no livre mercado, mas que podem obter à custa dos contribuintes.”

“Uma vez que o Estado vive necessariamente do confisco obrigatório de capital privado, e como sua expansão envolve inevitavelmente incursões cada vez maiores sobre particulares e empreendimentos privados, devemos afirmar que o Estado é profunda e intrinsecamente anticapitalista.”

“A diversidade da humanidade é um postulado básico do nosso conhecimento dos seres humanos. Mas, se a humanidade é diversificada e individualizada, então, como alguém pode propor a igualdade como um ideal?”

“Não precisamos de tratados para ter comércio livre.”

“Não é o negócio da lei fazer alguém bom ou reverente, moral, limpo ou correto.”

“A melhor maneira de ajudar os pobres é reduzir os impostos e permitir a poupança, o investimento e a criação de empregos.”

“Atrás dos apelos melados, mas manifestamente absurdos, pela igualdade, há uma tentativa implacável de certas elites de colocar-se no topo de uma nova hierarquia de poder.”

“A tendência natural do governo, uma vez responsável pelo dinheiro, é inflar e destruir o valor da moeda.”

“A liberdade de falar não tem sentido sem o corolário da liberdade de se manter em silêncio.”

“É curioso que as pessoas tendam a considerar o governo como uma organização quase divina, desinteressada, um Papai Noel. O governo não foi constituído nem para a capacidade nem para o exercício de cuidados benevolentes; O governo foi constituído para o uso da força e para apelos necessariamente demagógicos por votos.”

“A conseqüência necessária de um programa igualitário é a criação decididamente não igualitária de uma elite de poder implacável.”

“Em vez de uma ferramenta inelutável da sociedade, o radical [libertário] vê o próprio Estado, por sua própria natureza, como coercivo, explorador, parasitário e, portanto, profundamente anti-social.”

Leia também:  Iniciativa de auxílio aos venezuelanos e roraimenses é belo exemplo dos valores liberais

“A grande falácia cometida pelos defensores do Estado, é saltar da necessidade da sociedade para a necessidade do Estado.”

“A melhor maneira de ajudar os pobres é reduzir os impostos e permitir que a poupança, o investimento e a criação de empregos prossigam sem entraves.”

“Não é da responsabilidade da lei fazer alguém ser bom ou reverente ou moral ou limpo ou correto.”

“Toda operação do governo é um desperdício, ineficiente e serve ao burocrata em vez do consumidor.”

“O estado tem sido tipicamente um dispositivo para produzir riqueza para alguns à custa de muitos.”

“Não é crime ser ignorante em economia, que é, afinal de contas, uma disciplina especializada e que a maioria das pessoas considera uma “ciência sombria”. Mas é totalmente irresponsável ter uma opinião alta e vociferante sobre assuntos econômicos, permanecendo nesse estado de ignorância.”

“Os Estados sempre precisaram de intelectuais para convencer o público a acreditar que seu governo é sábio, bom e inevitável.”

“O Estado é uma gangue de ladrões em grande escala – os indivíduos mais imorais, ávidos e inescrupulosos de qualquer sociedade.”

“O homem que coloca todas as armas e todo o poder de decisão nas mãos do governo central e depois diz: “Limite-se”; é ele quem é verdadeiramente o utópico impraticável.”

“Não pode haver “justiça na tributação”. A taxação nada mais é que o roubo organizado, e o conceito de “imposto justo” é, portanto, tão absurdo quanto o de “roubo justo”.”

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!