Rock à direita: 50 músicas com temática liberal-conservadora (III)

Terminando nossa série sobre as 50 músicas, escolhemos um repertório muito especial de musicas do meio Rock com a tematica liberal-conservadora.

rock_guitar_by_metalheadinc

10 – The Kinks – 20th Century Man

Os britânicos do The Kinks fazem uma crítica ainda nos anos 60 do chamado Welfare State, também conhecido como Estado de Bem-Estar Social, explícito no trecho “Eu nasci em um estado de bem-estar, regido pela burocracia, controlado por funcionários públicos, e as pessoas vestidas de cinza, não tenho privacidade, não tenho liberdade, porque as pessoas do século XX levaram tudo para longe de mim”.

 

9 – Metallica – Don’t Tread On Me

A letra da música da banda faz reverência a Gadsgen Flag, bandeira da Marinha dos Estados Unidos e mostra na letra que a paz em certas situações deve ser garantida por meio da força, sendo escrita em resposta a primeira Guerra do Golfo.

 

8 – Sex Pistols – Bodies

O punk dos ingleses do Sex Pistols pode parecer vulgar e violento, mas a canção é conhecida por ser um hino anti-aborto em sua total composição, ficando explícito no trecho “Essa criança não é um animal, é um aborto”.

Leia também:  Crimes contra a honra deveriam continuar a ser tratados como crimes?

 

7 – The Beatles – Revolution

A canção do quarteto de Liverpool é um verdadeiro tapa na cara nos socialistas de plantão, criticando o jeito dos militantes europeus de tentarem realizar uma revolução socialista pelo velho mundo, demonstrado no trecho “Mas se você ficar carregando fotos do Presidente Mao, você não vai fazer ninguém aderir de jeito nenhum”

 

6 – U2 – Gloria

Os irlandeses do U2 falam sobre a fé nessa canção. Só porque é uma canção de rock é sobre fé não significa que a música tem temática liberal ou conservadora. Mas o que dizer quando o refrão da música é em latim? “Gloria / In te domine / Gloria / Exultate”.

 

5 – The Beach Boys – Wouldn’t It Be Nice

O grupo que rivalizou com os Beatles nos anos 1960 tem na letra dessa canção, mensagens pró-abstinência e pró-casamento.“Talvez se nós pensamos em desejo e esperança, e rezar para que isso possa se tornar realidade / Baby, então não haveria uma única coisa que não podíamos fazer / Poderíamos ser casados / E então nós seremos felizes.”

 

4 – Lynyrd Skynyrd – Sweet Home Alabama

O southern rock do Lynyrd Skynyrd soa como um tributo para a região que os socialistas, chamados nos Estados Unidos de liberais, e como um recado ao músico canadense Neil Young, ferrenho defensor de causas socialistas.

Leia também:  “Não é não”: isso também vale para a militância politicamente correta

 

3 – The Rolling Stones – Sympathy for the Devil

Os ingleses comandados pelo vocalista Mick Jagger usam a figura do diabo na música como um tentador que inclina as pessoas para o relativismo moral, com uma crítica a Revolução Russa de 1917. “Todo policial é um criminoso / E todos os santos pecadores em torno de St. Petersburg / Quando eu vi que era hora para uma mudança / Matei o czar e seus ministros / Anastasia gritou em vão”.

 

2 – The Beatles  – Taxman

Mais uma vez os meninos de Liverpool aparecem na lista, com uma crítica feroz a altíssima
carga tributária. Uma obra-prima de George Harrison com um riff de guitarra famoso (que na verdade foi interpretado por Paul McCartney): “Se você dirige um carro, eu vou tributar a rua / Se você tentar se sentar, eu vou tributar o seu lugar / Se você ficar muito frio, eu vou tributar o calor / Se você tomar uma caminhada, eu vou tributar seus pés”. A música fecha com um jab bem-humorado sobre impostos de morte: “Agora, o meu conselho para aqueles que morrem / Declare os tostões em seus olhos.”

Leia também:  Por um liberalismo limpinho: os liberais contra Bolsonaro

 

1 – The Who – Will Not Get Fooled Again

Os ingleses do The Who fazem um espetáculo nessa canção. Os movimentos liberais e conservadores estão cheios de revolucionários desiludidos; esta poderia ser a sua música tema, um juramento que jura o fim do idealismo ingênuo de uma vez por todas. “Não há nada nas ruas / Parece diferente para mim / E os slogans são substituídos, by-the-bye, conheça o novo chefe / O mesmo que o antigo patrão”. A introdução de sintetizador instantaneamente reconhecível, a guitarra de Pete Townshend tocando, a bateria de Keith Moon, e os vocais lamentosos de Roger Daltrey, fazem deste um dos hinos do rock mais explosivos já registrados – o melhor número por um big band, e um clássico para os liberais e para os conservadores

 

 

 

 

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!