Revisitando o “idiota da objetividade”

Nelson RodriguesO fabuloso e genial Nelson Rodrigues cunhou essa expressão magnífica: idiota da objetividade. Todavia, ele não imaginava que o Brasil fosse se tornar o país desses idiotas. Gente mesquinha, medíocre, covarde e fraca. É essa turma que dá as cartas. Eles não escolhem as palavras de um texto, não têm opiniões, não se importam com as sutilezas. Não apreciam uma melodia, a boa oratória, a poesia e a retórica. Se dizem, atualmente, refratários à política. Vivem como autômatos em suas vidinhas patéticas.

Vocês, meus caros idiotas da objetividade, são o soro que alimenta partidos coletivistas e totalitários. Vocês achincalham e fazem pouco caso da liberdade, e, lamentavelmente, estão prontos para sacrificá-la em razão de alguns trocados. Vocês, mesmo inconscientemente, são os piores inimigos de uma sociedade próspera e livre.

Com esse pavor de se expor, essa preguiça de pensar e essa postura pusilânime, vocês são fermento perfeito para a destruição de nossa democracia perene. Medrosos! Saibam, contudo, que a conta vai chegar e o preço será bem caro. Ninguém passa a vida incólume com um comportamento destes.

Leia também:  Quem nunca sofreu abuso de autoridade, que atire a primeira pedra...

Vivam suas existências inexpressivas. Deixem que os outros criem as regras e decidam por vocês. Repudiem e não participem da vida política. Todos vocês se tornarão escravos, do dia para a noite. Talvez, não percebam. Mas, seus filhos, no frescor da juventude, vão enxergar o fenômeno na própria pele, com todas as dores. O que acontecerá? Eles ficarão inermes como vocês? Acho pouco provável. A dor acaba com o torpor.

Ao que tudo indica, percebendo que depois de todo o estudo não há mercado e oportunidades, eles tomarão as ruas enfrentando os inimigos da liberdade. O fenômeno ocorre na Venezuela. Milhares de estudantes vêm lutando – e morrendo – na tentativa de suplantar esse regime coletivista e totalitário que os oprime. Não se iludam. Quando isso ocorrer, o movimento dos jovens será bem diferente do que ocorreu em 2014. Nada de revolta contra tudo. A revolta, meus caros, será contra a desesperança e a destruição da liberdade.

Leia também:  Em defesa dos liberais: a verdade e a falsidade no tradicionalismo político

Nobres idiotas da objetividade, se vocês continuarem apáticos estarão construindo um futuro negro para seus filhos, que, certamente, terão de enfrentar o “status quo”. Percebam, contudo, que essa herança maldita é de vocês. Os senhores estão condenando as próximas gerações ao “caminho da servidão” – se não leram até hoje, passeiem pelas páginas desta obra de Hayek.

Durmam com esse barulho e deixem o Estado se agigantar. Certamente vocês conquistaram patrimônio durante o Governo FHC e no primeiro mandato de Lula. Acham que isso é eterno? Tolinhos… De uma canetada, um governo de DNA totalitarista lhes tira os centavos, joias, imóveis e tudo mais. A verdade é que vocês vão perder as coisinhas que conquistaram. Seus filhos, por sua vez, não terão liberdade e qualquer rasgo de esperança para o futuro. Parabéns para todos os idiotas da objetividade, vocês são cumplices desse quadro negro.

Leia também:  CPMF e COAF violam direitos individuais

Sua inação deixou o PT no poder por três mandatos seguidos. Vocês, portanto, são responsáveis pelo solapamento das instituições do país. Foram, também, coniventes com o plano de dominação para a conquista do poder absoluto. Se o Brasil for para o buraco de vez, saibam que vocês são responsáveis por isso. Não sepultem o futuro de suas crianças e da liberdade, única salvação que elas terão.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leonardo Correa

Leonardo Correa

Advogado e LLM pela University of Pennsylvania, articulista no Instituto Liberal.

Um comentário em “Revisitando o “idiota da objetividade”

  • Avatar
    28/09/2014 em 10:29 am
    Permalink

    Excelente matéria,os para abrir os olhos bem grandes, só peço a Dteus que não seja muito tarde. A turma totalitária, neste caso de esquerda, disfarçada de cordeiro é especialista em deixar as pessoas burras e cegas.

Fechado para comentários.