fbpx

Por que intelectuais não gostam do capitalismo?

Após o colapso dos sistemas socialistas em todo o mundo no final da década de 1980, a superioridade da economia de mercado ficou clara para muitos. No entanto, animosidades anticapitalistas latentes ou evidentes persistiram e, desde o início da crise financeira em 2008, ganharam até mesmo apoio significativo. O anticapitalismo é mais uma vez popular, em particular entre os intelectuais – como demonstrado, por exemplo, pela ampla aprovação de O Capital no Século XXI de Piketty. Porém, o anticapitalismo entre os intelectuais tem uma longa tradição.

“O anticapitalismo é o compromisso espiritual mais difundido e amplamente praticado entre os intelectuais”, concluiu o historiador americano Alan S. Kahan. O sociólogo Thomas Cushman afirmou: “O anticapitalismo tornou-se, de certa forma, o pilar central da religião secular dos intelectuais, o habitus dos intelectuais críticos modernos como um grupo de status.”

Mesmo aqueles que duvidam de que a maioria dos intelectuais seja abertamente anticapitalista dificilmente podem discordar de que uma postura crítica vis-à-vis o capitalismo é amplamente compartilhada entre eles. Essa atitude prevalece tanto entre os esquerdistas quanto entre os pensadores ditos conservadores ou de direita. Na verdade, o que muitas vezes conecta os dois grupos é sua tendência ao estatismo – a crença de que os problemas econômicos e sociais podem ser melhor resolvidos através de intervenção do Estado. Alain de Benoist, um dos defensores mais proeminentes e prolíficos do movimento francês Nouvelle Droite, que se inspira na Revolução Conservadora na Alemanha de 1920, admitiu recentemente: “Meus principais inimigos sempre foram o capitalismo em termos econômicos, o liberalismo em termos filosóficos e a burguesia em termos sociológicos.”

O anticapitalismo vem em várias formas em ambos os lados do espectro político, manifestando-se como uma crítica da globalização dirigida contra o livre comércio e suas práticas alegadamente exploradoras, nivelamento cultural ou suposta cumplicidade do capitalismo na criação de pobreza na África. Alternativamente, pode assumir a forma de ressentimento antiamericano que considera os Estados Unidos como o epítome da visão de mundo impiedosa e mercenária personificada pelo capitalismo. Desde a década de 1970, também se destacou no movimento ambientalista, que culpa o capitalismo pelas mudanças climáticas e pela destruição do meio ambiente. Embora sujeito a mudanças de modas e gostos – a ideologia marxista dominante na década de 1960 está atualmente fora de moda – ele foi substituído por uma retórica e uma ideologia antiglobalização. No entanto, o anticapitalismo tem visado consistentemente o mesmo inimigo e tem sido movido pelos mesmos ressentimentos contra as forças de mercado.

Falha em entender a evolução espontânea do capitalismo 

Muitos intelectuais não conseguem entender a natureza do capitalismo como uma ordem econômica que surge e cresce espontaneamente. Ao contrário do socialismo, o capitalismo não é uma escola de pensamento imposta à realidade: o capitalismo de livre mercado se desenvolve em grande parte espontaneamente, crescendo de baixo para cima (bottom up) ao invés de decretado de cima. O capitalismo cresceu historicamente, da mesma forma que as línguas se desenvolveram ao longo do tempo como resultado de processos espontâneos e descontrolados. O Esperanto, inventado em 1887 como uma língua planejada, já existe há mais de 130 anos sem ganhar nada como a aceitação global que seus inventores esperavam. O socialismo compartilha algumas das características de uma linguagem planejada, por ser um sistema idealizado por intelectuais.

Não é surpreendente que o marxismo tenha sido considerado uma proposta tão atraente pelos intelectuais do século 20 e continue a fascinar tantos, como demonstrado pelo renascimento marxista que coincidiu com o 200º aniversário de Karl Marx. Foi uma teoria desenvolvida por intelectuais, alicerçada em sistemas complicados, que então teve que ser comunicada às “massas” (aos trabalhadores em primeiro lugar) por meio de constante propaganda e agitação revolucionária. Uma vez que a elite daqueles que eram capazes de entender a teoria tivesse tomado o poder, seria seu trabalho implementá-la no mundo real, destruindo ordens existentes e cultivadas naturalmente – incluindo a economia de mercado, assim como tradições latentes e normas sociais – e instalando um sistema “científico” e “racional” em seu lugar.

Uma vez que compreendemos esta diferença essencial entre o capitalismo, como uma ordem em evolução espontânea, e o socialismo, como uma construção teórica, as razões pelas quais muitos intelectuais têm uma afinidade maior com o socialismo – em qualquer forma – tornam-se óbvias. Afinal, elaborar superestruturas mentais e usar suas habilidades linguísticas para moldá-las e comunicá-las, tanto por escrito quanto em discursos vibrantes, é o que os intelectuais fazem para viver. Uma vez que seu próprio sustento depende de sua capacidade de pensar e comunicar ideias racionais e coerentes, eles se sentem mais sintonizados com uma ordem econômica artificialmente planejada e construída do que com uma ordem que permite o desenvolvimento espontâneo e não planejado. A noção de que as economias funcionam melhor sem planejamento e intervenção ativos é estranha a muitos intelectuais.

Alguns intelectuais anticapitalistas preferem conceber visões utópicas de uma sociedade ideal, que eles então sustentam como um padrão contra o qual as sociedades existentes estão fadadas ao fracasso. Suas utopias tendem a ser sociedades extremamente igualitárias, dando muito poder ao Estado e muito pouco espaço para o livre funcionamento das forças de mercado.

Para entender por que tantos intelectuais têm visões anticapitalistas, é importante perceber que eles são uma elite, ou pelo menos uma comunidade de prática que se define como tal. Seu anticapitalismo é alimentado por seu ressentimento e oposição à elite empresarial. Nesse sentido, a rivalidade entre os dois grupos é simplesmente isso – uma competição entre diferentes elites que disputam status na sociedade contemporânea. Se um nível de educação mais alto não garante automaticamente rendas mais altas e posições mais privilegiadas, então os mercados que permitem que esse desequilíbrio aconteça são vistos como injustos do ponto de vista dos intelectuais. Viver em um sistema competitivo que concede consistentemente os melhores prêmios – econômicos – a outros, um sistema onde até mesmo os proprietários de empresas de médio porte obtêm maiores rendas e riqueza do que um professor titular de filosofia, sociologia, estudos culturais ou história da arte, leva os intelectuais a adotar um ceticismo geral contra uma ordem econômica baseada na competição.

Em seu best-seller The Rich and the Super-Rich, o sociólogo americano Ferdinand Lundberg faz as seguintes observações eloquentes: “Quanto ao tipo humano geral do construtor de riqueza americano, novo e velho, pode-se dizer que ele geralmente é um extrovertido, dado a poucas reflexões. Ele é geralmente mais não escolarizado do que escolarizado e não tem costume de ler [para buscar conhecimento], e tem em sua maioria uma visão ingênua do mundo e seu papel nele … Ele está alienado apenas pela sua posição”. Assim, a maioria dos “capitalistas” na lista da Fortune 500 poderia ser descrita como “desistentes do ensino médio e ausentes da alta cultura”.

O desdém expresso nesta afirmação demonstra de maneira convincente até que ponto os intelectuais tendem a definir seus próprios padrões de valor como absolutos. As pessoas devem ser julgadas por seu nível de educação e capital cultural. Consequentemente, o quão profundamente injusto é que alguém com pouca educação formal e nenhum interesse pela alta cultura acumule uma grande fortuna, enquanto acadêmicos bem formados e instruídos têm que se contentar com comparativamente pouco? Não é de se surpreender que o mundo pareça de cabeça para baixo para esses intelectuais. Afinal, eles obtêm seu próprio senso de superioridade por serem mais bem-educados, mais informados e mais capazes de se expressar.

A supremacia errônea da aprendizagem explícita 

Compreensivelmente, os intelectuais tendem a equiparar a aquisição de conhecimento à educação acadêmica e à aprendizagem de livros. A psicologia educacional usa o termo “conhecimento explícito” para se referir a este tipo de conhecimento, que é adquirido por meio de “aprendizagem explícita”. No entanto, existe um tipo diferente de conhecimento, “conhecimento implícito”, que é adquirido por meio de “aprendizagem implícita”. Isso é muito mais primordial e geralmente mais poderoso, embora muitos intelectuais não tenham consciência de sua existência. A pesquisa empreendedora tem mostrado que esse é o caminho para a aquisição de conhecimento percorrido pela maioria dos empreendedores.

O filósofo britânico Michael Polanyi, nascido na Hungria, formulou o conceito de “conhecimento tácito” quando escreveu a famosa frase de que “podemos saber mais do que podemos dizer” em seu livro The Tacit Dimension (1966). Em outras palavras, a aprendizagem não é necessariamente o resultado da aquisição consciente e sistemática de conhecimento, mas frequentemente o resultado de processos de aprendizagem implícitos e inconscientes. Esse é um ponto que já havia sido enfatizado pelo economista e ganhador do Nobel Friedrich August von Hayek. A aprendizagem implícita difere da aprendizagem explícita porque os resultados são difíceis ou impossíveis de demonstrar na forma de certificados ou qualificações acadêmicas. Pelos padrões de um intelectual, um empresário que pode não ter lido muitos livros ou pode não ter se mostrado muito promissor na faculdade ou universidade não tem nada para mostrar de si mesmo que se compare a um doutorado ou uma lista de publicações. É por isso que, em uma plataforma desenvolvida e administrada por intelectuais, um professor com uma lista escassa de publicações tem mais chance de ser considerado digno de um verbete na Wikipedia do que um investidor que transaciona bilhões de dólares no mercado imobiliário.

Os intelectuais não conseguem entender por que alguém com um “intelecto inferior”, alguém que pode nem ter um diploma de graduação, acaba ganhando muito mais dinheiro e morando em uma casa muito maior. Eles se sentem ofendidos no seu senso do que é “justo” e, portanto, justificados em sua crença no mau funcionamento do capitalismo ou do mercado, que precisa ser “corrigido” por meio de redistribuição em grande escala. Ao retirar dos ricos parte de sua “riqueza imerecida”, os intelectuais se consolam com o fato de que, mesmo que não possam abolir o sistema capitalista brutal por completo, eles podem pelo menos “corrigi-lo” até certo ponto.

Em uma obra de 1998, o filósofo libertário Robert Nozick faz a pergunta: “Por que os intelectuais se opõem ao capitalismo?” Sua explicação é baseada na suposição de que os intelectuais se sentem superiores aos outros membros da sociedade. Desde os dias de Platão e Aristóteles, os intelectuais têm nos dito que sua contribuição para a sociedade é mais valiosa do que a de qualquer outro grupo. Mas de onde vem esse senso de direito?

Segundo Nozick, tudo começa na escola, onde o brilhantismo intelectual das “crianças superdotadas verbalmente” é recompensado pelos professores com elogios efusivos e boas notas. Isso os leva a esperar que a sociedade em geral opere de acordo com as mesmas normas. Em particular, nas sociedades capitalistas, que prometem maior sucesso para os mais brilhantes e mais merecedores, tais promessas de meritocracia alimentam suas expectativas. Mas, para qualquer um que foi brilhante na escola, a subsequente percepção de que a economia de mercado não sente o mesmo por suas habilidades particulares leva a sentimentos de frustração e ressentimento que alimentam uma hostilidade intelectual ao sistema capitalista.

O anticapitalismo intelectual tornou-se tão poderoso quanto antes porque a elite empresarial não foi capaz de reunir uma resposta intelectualmente adequada. Intelectuais pró-capitalistas – economistas como Ludwig von Mises, Hayek e Milton Friedman, bem como escritores como Ayn Rand – tentaram assumir a batalha que a própria elite empresarial não quer ou é incapaz de lutar, seja por falta de coragem, seja por falta de recursos intelectuais e agilidade verbal. No entanto, esses apoiadores do capitalismo sempre foram forasteiros entre seus colegas intelectuais.

Admiração de Stalin e Mao

Embora nenhum amor tenha sido perdido entre os principais pensadores do século 20 e os defensores do capitalismo, a admiração pelos ditadores da laia de Stalin e Mao Zedong era alta em certos círculos. Não eram forasteiros ou desajustados, mas membros da elite intelectual, cujo ódio ao capitalismo era tão forte que os levou a reverenciar alguns dos piores assassinos em massa do século XX. Os escritores franceses Henri Barbusse e Jean-Paul Sartre são apenas dois exemplos de muitos. Barbusse, cujo romance Under Fire (1916) da Primeira Guerra Mundial foi traduzido para mais de 60 idiomas e lhe rendeu um Prix Goncourt, passou a escrever uma biografia bajuladora de Stalin, de quem diz: “Sua história é uma série de vitórias ao longo de uma série de dificuldades tremendas. Desde 1917, não se passou um único ano de sua carreira sem que ele tivesse feito algo que tornasse qualquer outro homem famoso. Ele é um homem de ferro. O nome pelo qual ele é conhecido o descreve: a palavra Stalin significa ‘aço’ em russo.”

Escrevendo na edição de julho de 1950 da Les Temps modernes, Sartre, o dramaturgo e fundador da filosofia existencialista e um dos principais intelectuais franceses do século 20, negou a existência dos gulags soviéticos. Ao retornar de uma viagem à União Soviética em 1954, ele fez a afirmação absurda de que os cidadãos soviéticos gozavam de total liberdade para criticar as medidas implementadas pelo regime. Isso não diminuiu em nada a adulação concedida ao próprio Sartre por seus colegas intelectuais. O mesmo vale para Noam Chomsky, um dos principais críticos do capitalismo nos Estados Unidos, que minimizou a escala dos assassinatos em massa de Pol Pot. Em um debate televisionado de 1971 com Chomsky, o filósofo francês Michel Foucault, um dos mais importantes defensores do pós-estruturalismo e o fundador da análise do discurso, descarregou sua própria raiva contra a elite capitalista: “O proletariado não faz guerra contra a classe dominante porque considera justa tal guerra. O proletariado faz guerra contra a classe dominante porque, pela primeira vez na história, quer assumir o poder. Quando o proletariado assumir o poder, é bem possível que o proletariado exerça sobre as classes sobre as quais triunfou um poder violento, ditatorial e até sangrento. Não consigo ver que objeção poderia ser feita a isso. ”

É um paradoxo trágico que os intelectuais – que tenderam a começar como os designers, criadores ou pelo menos os principais defensores dos sistemas anticapitalistas (em muitos casos, ditaduras cruéis) – tenham sempre acabado entre suas vítimas. Em todos os casos, o anticapitalismo não apenas destruiu a riqueza econômica, mas também destruiu a liberdade política e mental da qual os intelectuais se alimentam. Não seria nada além de ódio cego ao capitalismo que poderia ter feito um intelectual importante como Lion Feuchtwanger – um dos escritores de língua alemã de maior sucesso do século 20 – escrever estas linhas em seu diário de viagem sobre uma visita a Moscou, publicado em 1937: “Respira-se de novo quando se sai desta atmosfera opressiva de um humanismo hipócrita e de uma democracia falsa para a revigorante atmosfera da União Soviética. Aqui não há como se esconder atrás de slogans místicos e sem sentido, mas prevalece uma ética sóbria, realmente ‘mais geometrico constructa’, e esta ética por si só determina o plano segundo o qual a União está sendo construída. ”

Intelectuais importantes, incluindo Feuchtwanger, Brecht, Barbusse, Sartre e Chomsky, entre inúmeros outros, se engajam em uma negação consistente, em primeiro lugar, das atrocidades perpetradas em nome do comunismo, que no decorrer do século 20 causou cerca de 100 milhões de vítimas, bem como, em segundo lugar, das conquistas civilizatórias do capitalismo, um sistema que fez mais para eliminar a pobreza do que qualquer outra ordem econômica na história.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 22 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.