Uma das facetas do coletivismo é a morte da responsabilidade pessoal

Em sociedades coletivistas, ninguém é responsável pelos seus atos e os erros humanos são vistos não como resultado de escolhas livres e conscientes, cujas conseqüências devem ser suportadas pelo agente, mas como imposição de alguém mais poderoso, quando não da sociedade inteira.

Não tardará o dia em que as indústrias de bebidas serão responsabilizadas pelo alcoolismo e eventuais cânceres de fígado e estômago. As indústrias alimentícias serão responsabilizadas por mortes decorrentes de diabetes, além, é claro, de casos de obesidade e outras doenças causadas pelo consumo de calorias ditas não saudáveis, embora ninguém jamais tenha visto um funcionário dessas empresas apontando armas para a cabeça de algum consumidor a fim de obrigá-lo a consumir algo que não quisesse.

Será que as indústrias automobilísticas também serão responsabilizadas por não informarem devidamente aos seus clientes que acidentes de carro podem matar e que, pelo menos aqui no Brasil, essa é uma das principais causas de óbitos não naturais? Não sei, mas num ambiente coletivista, tudo é possível.

Leia também:  Crimes contra a honra deveriam continuar a ser tratados como crimes?

Ademais, todos os mal afamados produtos citados existem porque os consumidores querem que eles existam. Embora muitos indivíduos sejam bastante imprudentes com a própria saúde, são suas vidas que estão em jogo e, portanto, num ambiente de liberdade, caberia somente a eles sopesar custos e benefícios, além de arcar com as consequências de suas escolhas.

Não duvido que, em mais alguns anos, essa trama coletivista acabe tornando ilegais não só os cigarros, mas a cafeína, as guloseimas, os refrigerantes, as bebidas alcoólicas e outros produtos considerados nocivos pelos arautos da dita “saúde pública”.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Immanuel Kant

Responsabilidade pelas próprias escolhas? Quem ainda liga pra isso?

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!