Série Heróis da Liberdade: Penn Jillette

O personagem de hoje da série ‘Heróis da Liberdade’ não é muito conhecido no Brasil. Penn Jillette, nascido em 5 de março de 1955, é mágico, comediante, músico, ator, cineasta e escritor. Ele também é conhecido por sua defesa do ceticismo religioso e científico, do liberalismo e do capitalismo de livre mercado. A exemplo de Clint Eastwood e outros raríssimos artistas, é voz isolada no showbiz americano na defesa dos valores e princípios liberais, um contraponto ao esquerdismo galopante de Hollywood.

“As pessoas precisam ser alimentadas, medicadas, educadas, vestidas e abrigadas, e se somos compassivos, vamos ajudá-los, mas você não obtém crédito moral por forçar outras pessoas a fazer o que você acha certo. Existe uma grande alegria em ajudar as pessoas, mas não há alegria em fazê-lo sob a mira de armas.”

“Precisamos de um presidente que perceba que o show business não é negócio do governo.”

“Toda vez que algo ruim acontece, as pessoas clamam por segurança e o governo responde tirando direitos das pessoas boas.”

“Você não tem liberdade a menos que você tenha a liberdade de fazer coisas estúpidas e autodestrutivas.”

Leia também:  Confusão no Senado Federal: vitória ou derrota da democracia brasileira?

“Tudo que sei sobre o liberalismo é simplesmente que não sei o que é melhor para as outras pessoas.”

“Muito melhor do que a sensação de ter coisas é o sentimento de conseguir as coisas.”

“Temos de lutar pela liberdade de ser estúpido, e fumar é uma das melhores maneiras de lutar pela sua liberdade, para ser tão estúpido quanto você possa ser.”

“Não tenho provas de que o liberalismo leve a uma vida melhor. Eu apenas acho que é moralmente correto.”

“Quando alguém está tentando interpretar algo para você, ele sempre tem uma agenda.”

“Eu acho que estou disposto a arriscar minha vida por mais liberdade.”

“A democracia sem o respeito pelos direitos individuais é uma merda. É só uma gangue atrás do garoto estranho, e eu sempre sou o garoto estranho.”

“Eu não acredito que a maioria sempre sabe o que é melhor para todos.”

“Você não pode impedir as pessoas insanas de fazer coisas insanas com leis insanas. Isso é insano!”

“Eu não quero um presidente que promete cuidar de mim. Talvez eu seja estúpido, mas eu quero uma chance de tentar ser um adulto e cuidar da minha família.”

Leia também:  Instituto Liberal apoiou realização do Chopp Sem Imposto

“Os artistas têm o direito de dizer o que querem, e qualquer consumidor tem o direito de aceitar ou rejeitar a arte e o entretenimento disponíveis.”

“A grande maioria das pessoas que têm armas nunca machucou ninguém.”

“Não há razão para o governo limitar o discurso político.”

“Liberdade significa o direito de ser estúpido.”

“Pedir a outra pessoa que faça algo imoral é imoral.”

“Eu tenho uma definição muito específica de censura. Ou a censura é feita pelo governo ou não é censura.”

“Comportar-se moralmente por causa de uma esperança de recompensa ou medo de punição não é moralidade.”

“Duas coisas sempre foram verdadeiras sobre os seres humanos. Um, o mundo está sempre melhorando. Dois, as pessoas que viveram em qualquer época sempre pensam que está piorando.”

“Sempre quis fazer do mundo um lugar mais racional. Ainda estou trabalhando nisso.”

“Eu acredito muito que a coisa mais condenatória que você pode dizer sobre os muçulmanos é que você tem medo de dizer qualquer coisa sobre eles porque eles vão te machucar.”

Leia também:  “Um olhar liberal-conservador sobre os dias atuais”: a lucidez de Catarina Rochamonte

“É incrível para mim quantas pessoas pensam que votar para que o governo dê aos pobres dinheiro é compaixão. Ajudar as pessoas pobres e sofredoras é compaixão. Votar em nosso governo para usar armas para dar dinheiro a pessoas pobres e sofredoras é uma preguiça imoral, arrogante e agressiva.”

“O fato de a maioria querer algo de bom não lhe dá o direito de usar a força contra a minoria que não quer pagar por ela. Se você precisa usar uma arma, não é realmente uma boa ideia. Democracia sem respeito pelos direitos individuais é uma droga.”

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!