Quando políticos se beneficiam da coisa pública

O pastor e deputado Marco Feliciano (PODE), um pregador religioso, que,  certamente recomenda humildade e justiça aos fiéis de sua Igreja, deveria lembrar as palavras de Cristo: “Quem me segue não anda nas trevas”, diz o Senhor (Jo, 8, 12).  São estas as palavras de Cristo pelas quais somos advertidos que imitemos sua vida e seus costumes se verdadeiramente queremos ser iluminados e livres de toda cegueira de coração.

Pois bem, Cristo foi um homem humilde, que deixou na Terra um exemplo a ser seguido. Mas o pastor e deputado Feliciano não segue a vida de Cristo. Sem humildade teve a pachorra de pedir ressarcimento ao Erário, no valor de 157 mil reais, por despesas pessoais com tratamento estético dentário.

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada. É uma vergonha, uma imoralidade e denigre a imagem parlamentar usar a política para se beneficiar da coisa pública.

Leia também:  O Legado de Donald Stewart Jr. no documentário de Ana Stewart

Não pode o dinheiro público, do contribuinte, servir para bancar os gastos  estéticos dentários de indecorosos parlamentares, pois isso fere o princípio da igualdade de tratamento dos cidadãos – Art. 5º da CF -, bem como os princípios da impessoalidade e moralidade – Art. 37 da CF. Portanto, trata-se aqui de uma ilegalidade constitucional.

Por outro lado, o deputado incide em corrupção passiva, prevista no Art. 317 do Código Penal, ao receber vantagem indevida (ressarcimento de despesas odontológicas não previstas em lei).

É impossível não se revoltar com os indecentes políticos, que abraçam a vida parlamentar apenas para tirar proveito da coisa pública. Um país com mais de 13 milhões de pessoas desempregadas, endividas, passando fome, sem lares e ainda existe político tirando proveito da nação?

Leia também:  Do trampolim político para a embaixada nos EUA

Se o que se gasta para manter o inchado e inoperante Congresso Nacional e os demais legislativos fosse destinado para resgatar a dignidade de brasileiros em todas as plagas, o país teria um bom sistema de educação, saúde e segurança.

A política esvazia os cofres da nação sem se preocupar com os graves problemas sociais. Jorra dinheiro para sustentar os gastos com políticos, mas a ausência de saneamento básico de cidades onde o esgoto ainda corre a céu aberto é uma grande vergonha.

Ser político, no Brasil, é um grande negócio para políticos, como o deputado Feliciano, que revela só desejar tirar vantagem da coisa pública. Sem esquecer que muitos exercem a política como cabide de emprego porque não têm competência para atuar no mercado de trabalho.

Leia também:  A hipocrisia anda solta na esquerda

Enquanto miríades de desassistidos vivem em extremo estado de pobreza, o deputado Marco Feliciano gasta sem piedade o dinheiro da nação, do contribuinte, com o aval lamentável da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados.

Sobre o autor: Júlio César Cardoso é bacharel em Direito e já atuou como Servidor federal.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!