O fogo, as cinzas e a irracionalidade política

O pós-modernismo esse movimento filosófico tem na arte moderna que na realidade o antecede, uma das suas figuras de linguagem.

Na década de 40, nos Estados Unidos, a arte expressionista abstrata fulgurou através de um de seus principais artistas: Jackson Pollock.

Pollock era conhecido por suas pinturas desconexas, resultado de movimentos aleatórios que resultavam em tinta a óleo espargida para formar riscos e vazios coloridos sobre a superfície branca de uma tela sem resultado funcional ou cognitivo de espécie alguma.

Peggy Guggenheim, multimilionária nova-iorquina, sobrinha de Salomon Guggenheim, fundador do Museu Guggenheim de Nova Iorque, foi sua principal incentivadora e bancou o trabalho do artista com encomendas vultosas, entre elas, um grande mural que seria colocado na antessala de sua casa em Manhattan.

Leia também:  Regulação do Facebook: o mal à espreita

Visitando o ateliê do artista, ao ver o tal mural, Clement Greenberg, ensaísta e crítico de arte vinculado ao movimento americano de Arte Moderna, descreveu Jackson Pollock e sua arte, assim:

“… vulcânico. Tem fogo. É imprevisível. É indisciplinado. Se derrama por si mesmo em uma prodigalidade mineral, ainda não cristalizada.”

O fogo e as cinzas do Museu Nacional representam a mais recente obra artística daqueles que apreciam a irracionalidade presente em Pollock, em Derrida, em Chomsky, em Piketty, em Boulos e em Lula Livre.

“Prodigalidade mineral”, como dito por Clement Greenberg, é a assertiva que prova de forma inconteste que Descartes estava errado ao dizer: “penso, logo existo”.

Leia também:  Decadência dos sindicatos é nada mais que sua justa punição

A existência existe independentemente da consciência do ser, independentemente da racionalidade ou da irracionalidade que podemos experimentar.

Derrida, Pollock, Chomsky, Piketty, Boulos, Lula remanescerão intactos aos olhos dos irracionais, mesmo e apesar das cinzas do Museu Nacional das quais sobreviveu apenas, com sua prodigalidade mineral o meteorito de Bendengó.

Percebam, parte do nosso passado, parte da história nacional, estava concentrado em um único lugar, sob absoluta responsabilidade do governo federal. Risco sempre iminente de perda total. É como nossas vidas presentes. Tudo está sob o alcance da mão do estado, todo o poder está concentrado em Brasília e eles acham que podem nos cuidar. Não é por outro motivo que estamos na mesma situação do Museu Nacional, toda a sociedade está sujeita ao colapso. É por isso que devemos descentralizar o poder e privatizar.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Lula não é candidato, é presidiário!