6 lixos acadêmicos custeados por você (primeira parte)

Em 2014, a revista britânica Nature, que é especializada em ciência, analisou a qualidade da produção acadêmica entre diferentes países. Os resultados dos pesquisadores brasileiros são de envergonhar qualquer um minimamente preocupado com o avanço da ciência.

Os dados demonstram que a academia brasileira produz mais pesquisa de baixa qualidade do que de boa – e a um custo bastante elevado. Nos periódicos de excelência, apenas 1% das publicações é de brasileiros. Enquanto o Brasil despendeu R$ 30 bilhões para veicular 670 artigos em revistas de prestígio, o Chile, para pegar um exemplo latino americano, publicou 717, gastando absurdamente 15 vezes menos. Isso faz com que a nossa relação de eficiência no uso de recursos aplicados à pesquisa coloquem o Brasil em 50º lugar entre 53 países analisados.

A academia é um instrumento que, se bem utilizado, impulsiona o desenvolvimento da sociedade por intermédio das inovações que os pesquisadores descobrem. Assim, embora haja um dogma bastante presente em nossas universidades de que qualquer forma de conhecimento é válida, é preciso ter em mente o fato de que há um custo de oportunidade ao seguir determinadas linhas de pesquisa.

Ao se decidir analisar a psicologia por trás de um jogo de RPG, se deixa de pesquisar as reais motivações que levam indivíduos em boas condições e estruturas sociais a praticarem crimes, por exemplo. Enquanto esta produção acadêmica pode resultar em um diagnóstico que, eventualmente, fundamente políticas públicas que possam reduzir a criminalidade, aquela está fadada a ter um impacto social nulo.

Quem vive nos corredores das universidades brasileiras tem a impressão de que a maior parte das pesquisas é produzida com a única finalidade de, ao final, constar no currículo lattes do pesquisador. Além disso, qualquer pesquisador de ponta sabe que suas preferências ideológicas não devem atrapalhar ou contaminar análises científicas. Há uma excessiva politização em nossos trabalhos acadêmicos, ao passo que ciência boa é aquela em que o método possui objetividade, evitando vieses.

Há uma falta de compreensão na academia brasileira a respeito do research design (desenho de pesquisa), que serve justamente para estabelecer regras metodológicas robustas a fim de validar o estudo produzido. Nesse sentido, o papel das universidades brasileiras tem sido muito mais o de uma busca por justiça social do que de produção científica séria.

Leia também:  Gueto de Varsóvia – 75 anos

Embora não deva ser difícil para o leitor entender o porquê de uma produção acadêmica não poder ser um fim em si mesmo ou das motivações éticas e práticas que deveriam impedir alguém de fazer um paper acadêmico como manifestação de sua militância ideológica, esse tipo de conduta parece ser a regra de grande parte dos pesquisadores brasileiros.

Vale destacar que projetos ruins ganharem bolsas no Brasil é uma questão de incentivos institucionais: pelo método de nota que a Capes dá aos cursos de graduação, para manter nota é preciso utilizar as bolsas; caso não sejam concedidas a nenhum pesquisador, o departamento pode a perder para sempre. Dessa forma, alguns projetos que talvez não merecessem financiamento são aprovados a fim de que não essas bolsas não sejam perdidas. Nesse sentido, separei 6 exemplos de trabalhos acadêmicos que demonstram o que você andou financiando nos últimos tempos – e que é difícil acreditar que alguém se disporia a pagar voluntariamente por eles.

1) Você pagou por um trabalho que defende “mostrar o Cu contra o capital”

A título de dissertação de mestrado para design, Carlos Guilherme Mace Altmayer apresentou em 2016 “Tropicuir. (Re)existências políticas nas ações performáticas de corpos transviados no Rio de Janeiro”. O título é um neologismo criado pelo autor, que mistura “tropical” e “queer” (termo em inglês utilizado para conceituar pessoas que não seguem o modelo de heterossexualidade ou de binarismo de gênero).

No trabalho, o autor analisa diferentes representações artísticas no Rio de Janeiro que contrariam o ambiente multicultural “em que há uma falsa tolerância em que estamos inseridos”. Para o pesquisador, há na sociedade um estímulo a uma série de comportamentos reprováveis, tais como a “homofobia, o racismo, o etarismo, o colonialismo, o capacitismo, a gordofobia, a transfobia, a lesbofobia, a bifobia e os discursos de ódio em geral”. O investigador culpa o “contexto capitalista neoliberal” por produzir a heteronormatividade, isto é, a marginalização ou perseguição de orientações e práticas sexuais que não sejam hétero.

Entre os trabalhos analisados para a produção da dissertação – apenas para citar um exemplo para o leitor entender o nível do trabalho – está a obra do artista Kleper Reis e seu projeto “CU É LINDO”. A obra compõe uma trilogia de trabalhos denominada “A Santíssima Trindade ou Em Nome Do Pau, Do Cu e Da Buceta”.

Leia também:  O Pós-modernismo, as políticas identitárias de grupo e o socialismo

Para o autor, a mídia brasileira possui um papel de controle moral e invisibilizador das dissidências sexuais. É por isso que “A sociedade brasileira está em crescente processo de fascistização, e que insiste em controlar, manter e promover o autocontrole de nossos cus.”

Ao final ele propõe uma “urgente política na criação de linguagens estético-políticas para proteger práticas artísticas” no sentido de confrontar com uma visão binária de gênero, sendo preciso haver uma resistência a eles.

E você, leitor, pagou essa militância tese acadêmica, porque o autor foi beneficiário de um programa de bolsas da CAPES.

 

2) Você pagou para os níveis de problematização chegarem a um jogo

World of Warcraft é um popular jogo de RPG que se passa no universo de Azeroth. Há mais de 5 milhões de jogadores em todo o mundo, sendo bastante famoso entre os brasileiros. Como o próprio nome sugere, trata-se de um jogo de guerra, mas isso não o impediu de ser objeto de uma problematização de masculinidades a título de dissertação de mestrado.

A ideia do trabalho é relativamente simples: a mídia propaga os símbolos da masculinidade viril por intermédio de filmes, livros, revistas, séries e jogos. “Os protagonistas masculinos possuem imagens fortes, grandes e conquistadores”. Assim, há um endosso na formação de estereótipos, disseminando referências e marginalizando muitos homens que não conseguem atingir esse status hegemônico, sendo, portanto, marginalizados.

Para demonstrar isso, o pesquisador se aprofunda na narrativa do jogo em questão para identificar as estratégias discursivas presentes nas representações de tipos de masculinidades e identidades em dois personagens do jogo, entendendo que eles acabam por reforçar o estereótipo de gênero.

O trabalho é uma reflexão sobre modelos socialmente impostos por uma sociedade patriarcal em que a supremacia masculina possui sua hegemonia baseada na dominação. Na narrativa desenvolvida, ele fala de “Garrosh”, um orc que, segundo o autor, possui um problema de masculinidade por causa da relação que nunca teve perante sua figura paterna. Por ser incapaz de lidar com seus sentimentos, o orc extravasa o que sente por intermédio de sua agressividade.

Leia também:  “Meus filhos, minhas regras”

Nada mau ganhar uma bolsa para passar o semestre jogando e problematizando um game e, ao final, receber um título de mestre em letras por isso.

 

3) Você pagou para um pesquisador viver experiências sexuais em um banheiro de rodoviária

“Fazer banheirão: as dinâmicas das interações homoeróticas nos sanitários públicos da Estação da Lapa e adjacências” é uma investigação realizada por um pesquisador que almejava o título de mestre em antropologia.

Por quatro anos, o pesquisador frequentou banheiros públicos da cidade de Salvador para observar o comportamento de homens que se relacionavam sexualmente com outros homens nesses espaços.

O autor da dissertação relata que o hábito de relacionar-se sexualmente com homens aleatórios em banheiros públicos acompanhou sua sexualidade desde quando mais jovem. Assim, decidiu investigar o caso por meio de metodologia autoetnográfica, o que significa que foi baseada na experiência pessoal do pesquisador. Ao longo de 118 páginas, ele narra vários encontros sexuais que observou e que ele próprio viveu. O objetivo? “desmarginalizar esse tipo de comportamento” para que as pessoas perdessem o preconceito em relação à prática sexual em determinados locais públicos.

A Capes financiou a pesquisa em cerca de 20 mil reais e, ao final, o autor obteve o título de mestre em antropologia na Universidade Federal da Bahia.

Após críticas recebidas pelo trabalho, diversas entidades educacionais de antropologia e grupos de estudos de sexualidade divulgaram notas de apoio à pesquisa – o que diz muito mais sobre a comunidade científica brasileira que sobre a qualidade do trabalho.

Para ler a segunda parte do texto clique aqui.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!