fbpx

Pandora: os ricos estão de volta ao banco dos réus

De acordo com a mitologia grega, a caixa de Pandora continha todos os males conhecidos pela humanidade, como doença e morte. Quando Pandora abriu a caixa, ela os lançou ao mundo. Os jornalistas investigativos que, na sequência dos Panama Papers e Paradise Papers, agora estão lançando os Pandora Papers para o mundo, se sentem como Pandora.

Os Pandora Papers contêm informações sobre os proprietários de empresas de fachada. A cobertura da mídia se refere a um “vazamento” ou “vazamento de dados”. Na verdade, “vazamento de dados” é uma referência eufemística a dados roubados por meio de hacking ilegal. É o equivalente a alguém roubando dinheiro de você ou aceitando dinheiro roubado e reivindicando que as notas escaparam de um “vazamento” em sua carteira.

Os artigos divulgam nomes de pessoas que atualmente possuem ou anteriormente (e em alguns casos há muitos anos) possuíam “empresas de fachada”. Se essas empresas de fachada já foram usadas para ocultar atividades ilegais ou de má reputação, não foi estabelecido. O diário alemão Süddeutsche Zeitung, cujos jornalistas coordenaram esta e outras revelações semelhantes, diz: “Fazer negócios em paraísos fiscais não é contra a lei e muitos dos negócios e investimentos encontrados no vazamento parecem ser perfeitamente legais. Quando se torna ilegal, por exemplo, é quando o rendimento tributável declarado em paraísos fiscais não é declarado às autoridades fiscais nacionais. Isso, por sua vez, é quase impossível para a mídia verificar.”

No entanto, essas três frases se perdem em uma enxurrada de nomes que estão de alguma forma ligados por associação com dinheiro sujo. Acima de tudo, os meios de comunicação que noticiam os Pandora Papers vivem da insinuação de que qualquer menção a empresas de fachada é automaticamente repreensível. Com essas insinuações, os jornalistas denunciam figuras proeminentes do campo da política, do esporte e dos negócios e as colocam sob suspeita geral.

Pode-se presumir que as empresas de fachada são frequentemente utilizadas por lavadores de dinheiro, traficantes de drogas e políticos corruptos de todo o mundo. Com tantos nomes sendo mencionados agora, a suposição é de que as acusações são bastante bem justificadas.

O que é surpreendente, entretanto, é que, em muitos artigos, passados e presentes, “os ricos” ou “os super-ricos” são colocados sob suspeita geral no banco dos réus.

Obviamente, essas histórias são menos para esclarecer os fatos e mais para alimentar uma campanha midiática. Cada vez mais, os jornalistas preparam suas campanhas com o tipo de profissionalismo normalmente associado à campanha de marketing internacional de uma grande marca: jornais parceiros em todo o mundo são procurados e todos trabalham juntos em suas narrativas com uma precisão quase militar. Na época em que os Panama Papers estavam gerando manchetes, o Süddeutsche Zeitung tinha um ilustrador em tempo integral trabalhando exclusivamente no projeto e até lançou um filme de “making of” para documentar cada etapa da pesquisa e do relatório.

Nenhum dos jornalistas se preocupou muito com a legalidade da forma de aquisição dos dados, nem com a questão de se é correto publicar esses dados com proteção de dados e direitos pessoais. Eles operam de acordo com o princípio de que os fins justificam os meios. Como muitos de seus leitores já acreditam que a maioria dos ricos e super-ricos são sonegadores de impostos, as “revelações” apenas confirmam essas opiniões preconcebidas.
No entanto, não tenho conhecimento de um único estudo científico que já tenha estabelecido que a maioria dos ricos sonega impostos ou até mesmo o faz com mais frequência do que qualquer outra pessoa. Naturalmente, a escala dos “impostos não pagos” mencionados em relação aos ricos é muito maior do que no caso de alguém que emprega seu faxineiro para receber dinheiro.

No entanto, é bem possível que muitas pessoas cujos nomes estão agora aparecendo nas primeiras páginas em todo o mundo não apenas nunca tenham feito nada ilegal, mas também nada que pudesse ser considerado moralmente repreensível. Obviamente, também há muitos indícios de que muitas das pessoas cujos nomes aparecem nos Pandora Papers estejam agora sendo corretamente expostas por atos criminosos questionáveis. O que falta é qualquer tentativa de diferenciar os dois.

O autor lidou extensivamente com a cobertura da mídia dos Panama and Paradise Papers em seu livro The Rich in Public Opinion.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 26 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.