A opinião de um ator: de Kevin Spacey para Wagner Moura

Spacey-Moura

O hollywoodiano Kevin Spacey, ao dizer que a opinião de um ator sobre política é absolutamente irrelevante, foi mordaz e cutucou, ainda que essa possa não ter sido sua exata intenção, um problema importante. No Brasil, esse ataque seria ainda mais doloroso, escandalizando os ânimos de muitas figuras que se consideram notáveis intérpretes do Estado e da economia brasileira porque fazem sucesso nas artes cênicas, como se uma coisa estivesse ligada à outra. Em verdade, a problemática se torna maior, com músicos sendo considerados “intelectuais” porque fizeram canções de protesto (contra governos que não estão no poder há tempos), e continuam sendo paparicados pelos vultosos recursos públicos via Lei Rouanet.

Spacey expressou, no entanto, uma meia verdade. Natural que assim seja; poucas vezes uma única frase solta, sobretudo quando dita em tom de desabafo, tem o condão de sintetizar algo perfeitamente. Trata-se de uma meia verdade porque, abstração feita da qualidade de ator, alguém pode ter uma percepção interessante da realidade social, como pode ter a respeito de qualquer outro assunto. Discutir a importância de uma opinião não é tarefa simples, e a conclusão estará repleta de subjetividades. A ela, bom dizer, todos têm direito, inclusive o de expressá-la. Meia verdade, também, porque o impacto que uma figura pública – e um ator normalmente se enquadra nessa categoria – consegue ao proferir e disseminar distorções indefensáveis é coisa muito séria e, por isso mesmo, nada irrelevante. Uma opinião estúpida não é e não pode ser considerada, por isso apenas, um crime; é inegociável o direito de externá-la. No entanto, é imperioso que as vozes sensatas não percam a oportunidade de denunciá-la como sendo o que é, cientes da existência dos militantes e dos “pseudo-intelectuais” vendidos que de pronto a divulgarão como propaganda de seus ideais autoritários e intolerantes.

Leia também:  Nota oficial - Novo vice-presidente e diretor jurídico

O ator global Wagner Moura, campeão de socialismo entre as estrelas da televisão e do cinema nacionais, em entrevista ao Jornal O Globo, em fevereiro de 2014, soltou uma dessas pérolas imperdoáveis que não podemos deixar de tornar desnudas em sua imbecilidade abjeta. Não satisfeito, resolveu republicar exatamente esse trecho infeliz em seu perfil na rede social Facebook, como um “presente” indigesto de fim de ano, em 27 de dezembro passado. Disse ele:

“É uma pena que muitos comediantes, e não só comediantes, mas muitos artistas jovens brasileiros sejam de direita. Sejam garotos fascistas. Eles fazem um trabalho que a gente ensina nossos filhos a não fazer. Apontam para os outros e dizem: “hahaha, você é preto, você é viado, você é aleijado”. Eu sou politicamente correto. O politicamente correto é uma ferramenta civilizatória que inventamos para que uma criança negra não veja um negro sendo humilhado na TV. Mas todo garotão que é artista gosta de dizer que o maneiro é ser politicamente incorreto. Isso não é engraçado, não é humor.” (MOURA, WAGNER)

Vamos examinar o terrível problema. O judicioso cientista social Wagner Moura acredita que os valores e bons princípios, reduzidos sistematicamente a nada por teóricos de esquerda como Trotsky, vêm sendo prejudicados no Brasil, isto sim, pelo surgimento de uma “direita” que, ocupando um grande espaço nas artes, vem “doutrinando” os jovens para o descaminho. Gostaria de saber em que país – ou antes, em que PLANETA ele vive. Brasil, América do Sul, Terra, certamente não é. De memória, me recordo, por exemplo, do cantor Lobão, que vem defendendo ideias mais à direita e tem participado de manifestações públicas contra o governo, e o humorista e apresentador de TV Danilo Gentilli, que vem dando louvável espaço a figuras que contrastam com o mainstream de esquerda. Talvez haja mais; talvez haja aqueles que nada falam, embora pensem assim, por receio de prejuízos na carreira. De qualquer forma, o que desponta são notórias EXCEÇÕES. Já paranoicos como Wagner Moura, que enxergam um monstruoso “direitismo” tomando de assalto o poder no Brasil do PT, esses existem aos montes.

Leia também:  Caça aos CEOs?

Seduzidos pelo “politicamente correto”, que Moura desfralda como ferramenta civilizatória, esses os há mais ainda. Na “ditadura do mimimi”, as insistências panfletárias das esquerdas vão tornando a mera verbalização da verdade um crime imperdoável, exigindo-se que ela seja mascarada por uma série de camadas de etiquetas, adornos e esquisitices. Em ponto extremo, já chegamos a ter pessoas deixando de grafar palavras masculinas que, pela convenção da língua, designam os dois gêneros sexuais, substituindo letras e adulterando idiomas, supostamente para não ferir suscetibilidades. Com base nessa busca por privilégios, que abarca a reivindicação irracional por cotas em cada vez mais setores, a cultura da liberdade vai sendo desprestigiada, e a consagração pelo mérito, sendo desestimulada. Quem se cansa disso, por ter bom senso, é um “fascista”, que aprecia debochar dos outros por serem negros, homossexuais ou deficientes físicos, de acordo com Moura. São “a direita”.  Irônico que Wagner Moura tenha relembrado essa excrescência na mesma semana em que o ditador da Coreia do Norte taxou o presidente dos EUA, Barack Obama, de “macaco”. Kim Jong-un,  por certo, é de “direita”, assim como Stálin, Mao, Pol Pot…

Leia também:  Ignorância econômica e voluntarismo político: uma mistura desastrosa

A “direita”, ou as tradições liberais e conservadoras, constituem correntes políticas admissíveis e importantíssimas em qualquer regime democrático, com livre circulação de ideias. Assim deve ser. No entanto, o aparecimento de “direitistas”, para o senhor Wagner Moura, é um escândalo. O horror que os nossos esquerdistas sentem pelo diferente e pelo contraditório é prova cabal de como não têm a mínima legitimidade para se proclamarem os defensores únicos e impecáveis da tolerância e da pluralidade.

Possivelmente, Wagner Moura se considera uma voz de contestação muito necessária. Não é; assim como o partido nanico e barulhento cujos candidatos ele tem o hábito de apoiar, o brasileiro se situa na “pseudo-oposição” que colabora para “criminalizar” moralmente a verdadeira. Marionete fanfarrona de um jogo em que não dá as cartas, ele, em que pese sua competência como ator – que eu reconheço , está, sem nenhuma dúvida, entre os que com mais afinco procuram dar razão ao seu colega de ofício americano.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!

Comentários

  1. Admiro seu trabalho, sou fã, mas sua visão política deformada acho deplorável. Na minha balança, perdeu o ator que perdeu um fã

  2. O Poder se vale da propaganda e da violência para se manter.
    Como já aqui escrito, ao contrário do que disse Clausewitz: a politica é a guerra por outros meios. Afinal, a querra como estratégia de dominação precede à politica. Como bem o disse Clausewitz:

    “Guerra é um ato de violência destinado a forçar o adversário a submeter-se à nossa vontade”

    …mas:
    Guerra é um ato de ESTRATEGIA destinado a forçar o adversário a submeter-se à nossa vontade.

    Ora, exatamente por isso, contrariando Clausewitz:

    A política é a continuação da guerra por outros meios.

    Afinal, a política sucedeu a guerra como meio de submeter os demais a nossa vontade, mantendo ainda o recurso da violência caso seja necessária.
    Tentar submeter os demais através da política é uma estratégia muito melhor e de resultados mais duradouros. Como bem disse Sun Tzu a Arte da Guerra, a estratégia da POLÍTICA é de extrema eficiência. Ou seja, semear a cizânia dentre as tropas inimigas para que lutem entre si e se enfraqueçam contra seu algiz; dividir para dominar ou INVENTAR INIMIGOS para CONQUISTAR AMIGOS é uma estratégia política de SUN TZU, o mestre da guerra que primeiramente percebeu a política como uma poderosa arma contra os adversários ou vitimas a serem subjugadas e exploradas.
    Não foi por acaso o apreço de Marx/Engels por Clausewitz.

    E nisso, Nietzsche que foi o primeiro a decifrar o objetivo do socialismo, brilhantemente, em “Humano. demasiado humano”, não titubeou em ainda afirmar:

    ‘“o indivíduo é nesse caso posto de lado como um inseto desagradável: está baixo demais para poder despertar por mais tempo sentimentos torturantes em um dominador do mundo. (…) Assim também se passa com o juiz injusto, com o JORNALISTA que com pequenas deslealdades induz em erro a opinião pública.”

    …em Genealogia da moral não deixou por menos ao afirmar que os ARTISTAS sempre se amontoam em torno do poder a fim de obter vantagens oferecendo aos donos do Poder a sua contribuição na manipulação das populações.

    Sem dúvida Nietzsche foi um grande pensador.