Olhar para Cuba para entender o PT

Por que ainda falar da ditadura cubana? Porque as forças que mantém aquela ditadura de pé são as mesmas que mantém Lula, mesmo condenado e preso por corrupção, como o principal nome da política brasileira. A Cuba da “igualdade social sabotada pelos Estados Unidos” é produto da mesma máquina de propaganda que diz “Lula é inocente, perseguido por ter governado para os pobres”.

A ditadura em Cuba nos mostra até que ponto a esquerda pode chegar para impor seu projeto ideológico. Ninguém apoia um regime sem compartilhar a maioria de suas políticas, assim como só defende Lula quem pensa como ele.

Não existe militante de esquerda ignorante. Eles sabem muito bem o que defendem.

Ainda é importante falar sobre Cuba porque ainda existem muitas pessoas comuns, vítimas da propaganda da esquerda, que não sabem o que realmente acontece naquela ilha; e justamente por não saberem, não enxergam a profundidade da militância de pessoas como Gleisi Hoffmann, Fernando Haddad, Guiherme Boulos, Manuela D’Avila e Marcelo Freixo.

Sempre esteve disponível um considerável número de publicações sobre os horrores da ditadura cubana, mas faltava um olhar brasileiro in loco sobre aquele regime. Alguém de nós que esteve lá não apenas uma vez, mas diversas vezes, em épocas diferentes. Não falta mais. 

O livro A Tragédia da Utopia, do intelectual gaúcho Percival Puggina, traz não apenas dados e fatos sobre o regime, mas também relatos das viagens que o autor fez à ilha, seus contatos com cidadãos comuns e com dissidentes que acabaram sendo presos.

Leia também:  A batalha insana pelo desenvolvimento sustentável encontrou sua verdadeira representante

Puggina ainda expõe a relação da esquerda brasileira com aquele regime, destacando o papel da imprensa e da elite cultural no esforço de desinformação.   

Como bem coloca o autor, nenhum brasileiro apontaria o Brasil atual como modelo para o mundo, mas há um verdadeiro exército de artistas, professores, parlamentares e jornalistas que apontam a ditadura cubana como modelo a ser seguido por todos os outros países.

Enquanto a grande maioria dos países − incluindo os mais pobres − progride, Cuba permanece ancorada na década de 1960. Onze milhões de cubanos continuam na miséria, dependentes do governo para quase tudo, sem qualquer perspectiva de melhora porque seus algozes vivem imersos num projeto ideológico que só consegue se manter de pé por meio da força e do apoio que recebe nos palcos, nos cinemas, nas universidades, nos parlamentos, na imprensa e de organizações internacionais.

O livro A Tragédia da Utopia nos coloca mais perto do drama cotidiano de um povo escravizado há 60 anos. A escassez de produtos, as péssimas condições de moradia, a prostituição em troca de itens que são acessíveis até a favelados brasileiros, a patrulha ideológica de vizinhos, o estado policial, os desesperados que preferem enfrentar uma travessia oceânica entre tempestades e tubarões a continuar vivendo em seu país natal.

Além de tudo isso, os cubanos ainda são obrigados a ver a outra Cuba mantida pelos comunistas: o paraíso tropical recheado de confortos e prazeres destinados aos turistas, à intelligentsia estrangeira e, claro, à alta cúpula do partido.   

Leia também:  Lava Toga é necessária

Puggina refuta ponto a ponto toda a propaganda socialista sobre a revolução cubana. Rasga a fantasia de Cuba como um país desenvolvido, governado por líderes populares que sabiamente construíram uma sociedade justa e harmônica. Explica como o embargo americano não é responsável pelas privações do povo cubano. Desmistifica os avanços sociais. Resgata o apoio americano aos comunistas antes da revolução. Aponta dezenas de dados que mostram que os revolucionários tiveram todos os recursos e todo o poder que desejavam para realizar o projeto comunista mas, justamente por ser comunista, os resultados foram desastrosos para o povo.

O autor resgata na história a intenção dos comunistas cubanos em provocar uma guerra nuclear entre Estados Unidos e União Soviética e os esforços da ditadura de Fidel Castro para disseminar o socialismo na África e na América Latina, treinando e financiando guerrilhas terroristas que mataram centenas de milhares de pessoas; e informa que quanto mais dinheiro entra em Cuba, mais a ditadura se fortalece e aumenta a repressão política.

Num dos capítulos, Percival Puggina descreve a sequência de eventos que teceram a rede socialista que por muito pouco não engoliu a América Latina inteira, mas que ainda é uma ameaça.

Em 1989, o bloco comunista liderado pela União Soviética desmoronou. No ano seguinte, Lula e Fidel Castro se encontravam no Brasil para criar o Foro de São Paulo, grupo formado por 68 partidos e organizações de esquerda (incluindo grupos terroristas como as FARC) que pretendia manter viva na América Latina a ideologia que fracassou no leste europeu.

Leia também:  Nova Previdência: os vícios clássicos da ignorância e da imoralidade

Dali em diante, lideranças da esquerda latino-americana foram chegando ao poder em diversos países. Hugo Chávez na Venezuela, em 1998. Lula no Brasil, em 2002.

Entre março e abril de 2003 acontecia em Cuba o que ficou conhecido como Primavera Negra, um conjunto de ações de repressão política contra dissidentes e jornalistas, resultando em prisões e fuzilamentos. Em setembro daquele mesmo ano, Lula chegava à ilha para louvar a regime, registrar seu apoio e estabelecer os primeiros acordos que desviariam dinheiro do Brasil para aquela ditadura.

De lá para cá, sabemos muito bem o aconteceu. Ainda sofremos com isso.

Os cubanos são reféns do comunismo confessado assim como os brasileiros são reféns do comunismo escondido em partidos como PT, PSOL e PCdoB. O Brasil não consegue andar para frente porque todas as nossas energias são gastas para não nos tornarmos uma Venezuela ou uma Cuba. Não conseguimos modernizar as relações do estado com a sociedade porque precisamos estar o tempo todo lutando contra o “futuro do pretérito” da esquerda.

Para enxergar melhor isso, recomendo a leitura do livro A Tragédia da Utopia, de Percival Puggina, que pode ser adquirido neste link:

https://editoraarmada.com.br/br/inicio/86–pre-a-tragedia-da-utopia.html?fbclid=IwAR2ySJf0vzzSvoC0RB0VnoXkQqawQQi7TNy-znX1NU3o_TSas9mH1Fuypos
Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
João Cesar de Melo

João Cesar de Melo

É arquiteto e artista plástico.